Luhrmann, Baz. The Great Gatsby. EUA, 2013, 2h 23 min

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p409

Palavras-chave:

Tradução, Intersemiótica, Literatura

Resumo

A resenha versa acerca das escolhas tradutórias feitas na adaptação fílmica realizada por Baz Luhrman, em 2013, da obra literária The Great Gatsby, publicada por F. Scott Fitzgerald em 1925. Trazendo considerações de estudiosos como Even-Zohar (1990), Xavier (2003), Lucas (2007), entre outros, de a modo a expor como o contexto histórico-social interfere no processo tradutório de uma obra para as telas.

Biografia do Autor

Karine Teixeira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade Federal do Ceará.

Referências

CLERC, J.M. Littérature et cinema. Paris: Nathan, 1993.

DINIZ, Thaïs Flores Nogueira. Literatura e cinema: tradução, hipertextualidade, reciclagem. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2005.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem Studies: Introduction; The Position of Translated Literature in the Literary Polysystem. USA: Poetics Today, 1997.

FITZGERALD, F. Scott. O Grande Gatsby. Tradução de Roberto Muggiati. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2007.

LUCAS, Fábio. Prefácio. In: BRITO, José Domingos de. Literatura e Cinema. Mistérios da Criação Literária: coletânea de depoimentos célebres e bibliografia resumida. São Paulo: Novera, 2008.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

Downloads

Publicado

2019-09-12

Edição

Seção

Resenhas de Tradução