Bilinguismo, Tradução e Interpretação: Percepção dos clientes quanto aos profissionais contratados

Ana Carolina Moura Pompeu, Patrizia Cavallo

Resumo


O presente artigo tem como objetivo investigar a percepção dos clientes quanto ao profissional que contratam para traduzir e/ou interpretar. Para tais clientes, ser bilíngue é o suficiente para caracterizar alguém como um bom tradutor e/ou intérprete? A primeira seção deste trabalho, de cunho teórico, visa a revisar alguns estudos sobre conceitos de bilinguismo e outros que comparam as habilidades de tradutores e intérpretes profissionais com aquelas de bilíngues sem formação e/ou experiência nestas áreas, além de tratar brevemente acerca das diferenças entre tradução e interpretação. A segunda parte descreve a metodologia deste estudo, o qual envolveu a preparação de um questionário e o seu envio para algumas empresas e instituições do Estado do Rio Grande do Sul (Brasil), bem como traz uma análise dos dados obtidos.


Palavras-chave


Percepção; Tradução; Interpretação; Bilinguismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALEXANDER, C.; EDWARDS, R.; TEMPLE, B.; KANANI, U.; ZHUANG, L.; MIAH, M.; SAM, A. Access to services with interpreters: User views. York (UK): Joseph Rowntree Foundation, 2004.

AUTORA1. A percepção dos clientes quanto aos serviços de tradução e/ou interpretação: ser bilíngue é suficiente? Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Estudos em Tradução: Teorias, Práticas e Tecnologias). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2018.

BAJO, M. T.; PADILLA, F.; PADILLA, P. Comprehension processes in simultaneous interpreting. Benjamins translation library. In: Translation in Context: selected contribution from EST Congress. Granada, Spain: Andrew Chesterman, Navidad Gallardo, Yves Gambier (edit.), v. 39, 2000, p. 127-142.

CHRISTOFFELS, I. Cognitive studies in simultaneous interpreting. Tese de doutorado. Amsterdam: Universidade de Amsterdam, 2004. Disponível em http://hdl.handle.net/11245/1.253465. Acesso em 10 de dezembro de 2017.

DILLINGER, M. Comprehension during interpreting: What do interpreters know that bilinguals don’t. Bridging the gap: Empirical research in simultaneous interpretation. In: The Interpreter’s Newsletter, n. 3, Trieste, 1990, p. 155-189.

HILL, M. M.; HILL, A. Investigação por questionário. 2. ed. Lisboa: Silabos, 2012.

GROSJEAN, F. The bilingual’s language modes. One mind, two languages: Bilingual language processing. In: Blackwell, Oxford, 2001, p. 1-22.

GROSJEAN, F.; LI, P. The psycholinguistics of bilingualism. Chichester: John Wiley & Sons, 2012.

HARRIS, B. The Importance of Natural Translation. In: Working Papers on Bilingualism, Toronto, n. 12, Janeiro 1977, p. 96-114.

IBÁÑEZ, A. J.; MACIZO, P.; BAJO, M. T. Language access and language selection in professional translators. In: Acta psychologica, v. 135, n. 2, 2010, p. 257-266.

JOHNSON, F. Being Bilingual Is Not Enough. In: The ATA Chronicle. Alexandria, v. 37, n. 7, Julho 2008, p. 22-25.

LÖRSCHER, W. Bilingualism and Translation Competence. In: SYNAPS - A Journal of Professional Communication, v. 27. 2012, p. 3-15.

NĂZNEAN, A. Bilingualism versus translation. In: The Proceedings of the “European Integration-Between Tradition and Modernity” Congress. EITM, 6a ed., Tirgu-Mures, 2013, p. 581-587.

SCHWIETER, J. W.; FERREIRA, A. Bilingualism in Cognitive Translation and Interpreting Studies. In: The Handbook of Translation and Cognition. Chichester, John Wiley & Sons, 2017, p. 144-164.

YUDES, C.; MACIZO, P.; BAJO, T. The influence of expertise in simultaneous interpreting on non-verbal executive processes. In: Frontiers in psychology, Lausanne, v. 2, outubro 2011, p. 1-9. Disponível em https://doi.org/10.3389/fpsyg.2011.00309 Acesso em 30 de novembro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p90



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.