Sobre a Lenha, Labareda Sou: Poética da Memória em um Canto Ritual Krahô

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39nespp227

Palavras-chave:

Krahô, Artes Verbais, Tradução, Etnopoética, Memória

Resumo

Apresento aqui a transcrição e a tradução da letra de um canto krahô, povo ameríndio falante de uma língua Jê e que vive no norte do estado do Tocantins. Este canto é um exemplar de um dos diversos gêneros de arte verbal encontrados entre os Krahô e que constituem formas
expressivas centrais em seu vasto e complexo sistema ritual. Proponho aqui um exercício cruzado em que o comentário etnográfico enriquece a tradução e o comentário sobre a tradução enriquece a etnografia, ambos movimentos contribuindo para uma compreensão mais detalhada do texto e de seu contexto. A partir disso, interpreto esse canto como uma reflexão
sobre seu próprio processo de transmissão e como local de elaboração de uma poética da memória.

Biografia do Autor

Ian Packer, Universidade de Campinas, Campinas, São Paulo

Possui graduação em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (2004-2008) e mestrado em Ciências Sociais (menção: Filosofia Contemporânea) na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris (2010-2011). Tem experiência indigenista com os povos Mbya-Guarani (sul e sudeste do Brasil), Ava-Guarani (oeste do Paraná), Matis (Amazonia Ocidental) e Krahô (Tocantins) e experiência acadêmica nas áreas de Antropologia Social e Etnologia das Terras Baixas da América do Sul. Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social na Universidade Estadual de Campinas (SP), com pesquisa sobre ritual e artes verbais dos Krahô, povo falante de uma língua Jê.

Referências

CHAUMEIL, Jean-Pierre. Bonnes, flutes and the dead: memory and funerary treatments in Amazonia. In: Fausto, Carlos; Heckenberger, Michael. Time and memory in indigenous Amazonia: anthropological perspectives. Gainesville: University Press of Florida, 2007, p. 243-283.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Os mortos e os outros: uma análise do sistema funerário e da noção de pessoa entre os índios Krahô. São Paulo: Editora Hucitec, 1978.

Cesarino, Pedro de Niemeyer. Oniska: poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2011.

CHIARA, Vilma. L’homme et l’espace chez les indiens Krahô. État de Goiás (Brésil). Tese de doutorado. Paris: École des hautes Études em Sciences Sociales, 1982.

DÉLÉAGE, Pierre. Le chant de l’anaconda: l’apprentissage du chamanisme chez les Sharanahua (Amazonie occidentale). Nanterre: Société d’Ethnologie, 2009.

FRANCHETTO, Bruna. Falar Kuikuro: estudo etnolinguístico de um grupo karibe do Alto-Xingu. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Museu Nacional/UFRJ, 1986.

FRANCHETTO, Bruna.Traduzindo tolo: ‘eu canto o que ela cantou que ele disse que...’ ou ‘quando cantamos somos todas hipermulheres’. Estudos de Literatura brasileira contemporânea, [s.l], 53 (2018): 23-43. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S231640182018000100023&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 ago. 2019.

GRAHAM, Laura. Performing dreams: The discourse of Immortality among the Xavante of Central Brasil. Austin: University of texas Press, 2003.

GUERREIRO JÚNIOR, Antonio Roberto. Ancestrais e suas sombras: uma etnografia da chefia Kalapalo e seu ritual mortuário. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

HEURICH, Guilherme Orlandini. Música, morte e esquecimento na arte verbal Araweté. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Museu Nacional/UFRJ, 2015.

MELATTI, Julio Cesar. Outras versões de mitos krahô. Página do Melatti. Disponível em: http://www.juliomelatti.pro.br/craodados/craomitos.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.

MORIM DE LIMA, Ana Gabriela. Brotou batata pra mim: cultivo, gênero e ritual entre os Krahô (TO). Tese de doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

PACKER, Ian. Mẽ aquêtjê jakàmpê – No lugar de teus antepassados: um chamado ao pátio krahô. Revista Linguística. 15.1 (2019a): 231-270. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/25568. Acesso em: 15 out. 2019.

PACKER, Ian. Krahô – Pootyt’s chant. In: McCabe, Chris. Poems from the edge of extinction: an anthology of poetry in endangered languages. London:Chambers, 2019b, p.72-78

SEEGER, Anthony. Por que cantam os Kisedjê. Tradução Guilherme Werlang. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

SCHERZER, Joel. Kuna ways of speaking. Austin: University of Texas Press, 1983.

SCHERZER, Joel. Verbal art in San Blas. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1990.

SCHERZER, Joel; URBAN, Greg, (ed). Native South American Discourse. Berlin: Mouton de Gruyter, 1986.

Downloads

Publicado

2019-12-19