O dístico vernáculo português na tradução poética da carta de Fílis a Demofonte, das Heroides de Ovídio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n1p147

Palavras-chave:

Ovídio, Heroides, Dístico vernáculo, Tradução poética

Resumo

Para verter a parelha elegíaca latina, algumas traduções poéticas metrificadas de obras ovidianas em língua portuguesa têm demonstrado certa preferência pelo dístico vernáculo, engendrado por Péricles Eugênio da Silva Ramos (1964), composto por verso alexandrino sucedido de decassílabo. Seguindo este modelo, apresentamos nossa proposta de transposição criativa para a carta de Fílis a Demofonte (Her. 2), elaborada com base nas considerações de alguns tradutores-poetas que se serviram deste mesmo arranjo e nos pressupostos teórico-metodológicos norteadores da prática da tradução poética, segundo Roman Jakobson (1969), Samuel Levin (1978) e José Paulo Paes (2008).

 

Biografia do Autor

João Victor Leite Melo, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espirito Santo,

João Victor Leite Melo é graduado em Letras (Língua Portuguesa) pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2016) e Mestre em Letras - Estudos Literários - pela mesma instituição. Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo, sob a orientação do Prof. Dr. Raimundo Nonato Barbosa de Carvalho. Seus interesses de pesquisa convergem para o estudo da Literatura Latina e respectivas práticas de tradução poética em português.

Referências

Bilac, Olavo; Passos, Guimaraens. Tratado de Versificação. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1918.

Carmona, Alfonso Ortega. Oratória: a arte de falar em público. Tradução de Cláudio Aguiar. Rio de Janeiro: Calibán, 2003.

Cohen, Jean. Estruturas da linguagem poética. Tradução de A. Lorencini e A. Arnichand. São Paulo: Cultrix, 1978.

Duque, Guilherme Horst. Do pé à letra: os Amores de Ovídio em tradução poética. Dissertação de mestrado – UFES, 2007.

Fernandes, Marcelo Vieira. “A poesia didática elegíaca e a poesia elegíaca didática dos Medicamina de Ovídio, e Ovídio, Produtos para a beleza feminina: tradução poética”. In: Garraffoni, Renata Senna (ed.). Classica, revista brasileira de estudos clássicos. Vol. 25. n. 1/2. São Paulo: Annablume, 2012, p. 251-267.

Gonçalves, Simone Ligabo. As Heroides de Ovídio: uma tradução integral. Dissertação de mestrado em Letras Clássicas – USP, 1998.

Gouvêa Júnior, Márcio Meirelles. “Fastos de Ovídio: uma introdução”. In: Ovídio. Fastos. Tradução de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior; revisão da tradução Júlia Batista Castilho de Avellar. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

Higino. Fábulas. Introducción y traducción de Javier del Hoyo e José Miguel García Ruiz. Madrid: Gredos, 2009.

Jakobson, Roman. Linguística e comunicação. Tradução de Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1969.

Knox, Peter E. A companion to Ovid. Blackwell, 2009.

Lausberg, Heinrich. Elementos de Retórica Literária. Tradução de R. M. Rosado Fernandes. 6ª edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

Levin, Samuel. Estruturas linguísticas em poesia. Tradução de J. P. Paes. São Paulo: Cultrix, 1978.

Melo, João Victor Leite. Tradução poética de Ibis, Nux e Halieutica: três poemas de uma suposta quarta fase ovidiana. Dissertação de mestrado em Letras – Estudos Literários. UFJF, 2019.

Oliva Neto, João Angelo. “À guisa de introdução: tendências recentes na tradução de poesia grega e latina no Brasil”. Cadernos de literatura em tradução, São Paulo. Org. João Angelo Oliva Neto. FFLCH, 2015(a).

Oliva Neto, João Angelo. “11 poemas de Propércio (I, 1-11) traduzidos com o verdadeiro dístico elegíaco de Péricles Eugênio da Silva Ramos”. Cadernos de literatura em tradução, São Paulo. Org. João Angelo Oliva Neto. FFLCH, 2015(b).

Ovide. Héroides. Texte établi par Henri Bornecque et traduit par Marcel Prévost. Paris: Société d’Edition “Les Belles Lettres”, 1928.

Ovídio. Cartas de amor: as Heroides. Tradução de Dunia Marinho Silva. Prefácio e notas de Jean-Pierre Néraudau. São Paulo: Landy, 2003.

Ovídio. Heróides. Tradução de Carlos Ascenso André. Lisboa: Livros Cotovia, 2015.

Paes, José Paulo. Tradução, a ponte necessária: aspectos e problemas da arte de traduzir. São Paulo: Ática, 2008.

Tavares, Hênio. Teoria Literária. Belo Horizonte: Villa Rica, 1996.

Vergna, Walter. Heroides: a concepção do amor em Roma através da obra de Ovídio. Rio de Janeiro: Museu de Armas Ferreira da Cunha, 1975.

Downloads

Publicado

2020-01-22