A tradução em tempos sombrios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n2p193

Palavras-chave:

Testemunho, Tradução, Segunda Guerra Mundial, Leste europeu, Svetlana Aleksiévitch

Resumo

A partir do livro As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch, este artigo analisa a tensão entre o traduzível e o intraduzível dos testemunhos dos sobreviventes do Leste Europeu da Segunda Guerra Mundial, partindo de três movimentos de intraduzibilidade: o excesso do real, a falta da palavra e as pseudotestemunhas.

Biografia do Autor

Davi Andrade Pimentel, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Pós-doutorando em Literatura do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense. Bolsista Faperj/Capes. Doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará. Graduado em Letras-Português Literaturas pela Universidade Federal do Ceará.

 

 

Referências

Agamben, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

Aleksiévitch, S. (a) Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear. Tradução de Sonia Branco. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

Aleksiévitch, S. (b) As últimas testemunhas: crianças na Segunda Guerra Mundial. Tradução de Cecília Rosas. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Arendt, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Badiou, A. Em busca do real perdido. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

Benjamin, W. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2013.

Didi-Huberman, G. Cascas. Tradução de André Telles. São Paulo: Editora 34, 2017.

Eco, U. O fascismo eterno. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2018.

Freud, S. Obras Completas, v. 14: História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Hilst, H. Rútilo Nada. In: Da prosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Levi, P. Os afogados e os sobreviventes. Tradução de Luiz Sérgio Henriques. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

Nancy, Jean-Luc. Maurice Blanchot: passion politique. Paris: Galilée, 2011.

Seligmann-Silva, M. “Apresentação da questão: a literatura do trauma”. In: Seligmann-Silva, M. (Org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

Steiner, G. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Tradução de Carlos Alberto Faraco. Curitiba: Editora da UFPR, 2005.

Downloads

Publicado

2020-05-19