Entrevista com Myra Bergman Ramos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n2p365

Palavras-chave:

Estudos de tradução, Sociologia da tradução, Estudos do tradutor, Pedagogia do oprimido, Paulo Freire

Resumo

A presente entrevista apresenta um resumo de três entrevistas realizadas com Myra Bergman Ramos, a “tradutora acidental” norte-americana que verteu o manuscrito de 1968 da obra Pedagogia do Oprimido do português para o inglês. A partir de sua versão, a obra Pedagogy of the Oppressed foi publicada em Nova York em 1970 e sua enorme repercussão foi o que possibilitou a publicação da Pedagogia do Oprimido no Brasil, em 1974, em português. A partir de duas entrevistas estruturadas por e-mail e uma telentrevista semiestruturada, diversas questões sobre a tradução, a tradutora e o ato de traduzir foram levantadas com o objetivo de contribuir para o subcampo dos Estudos de Tradução denominado Sociologia da Tradução com enfoque nos Estudos do Tradutor (Chesterman, 2014).

Biografia do Autor

Kamilla Corrêa Loivos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Doutoranda em Letras (Teoria da Literatura e Literatura Comparada) - ILE/UERJ

Referências

Chesterman, Andrew. “O nome e a natureza dos Estudos do Tradutor.”. Traduzido por Patrícia Rodrigues Costa e Rodrigo D’Avila Braga Silva. Belas Infiéis. 3.2 (2014): p. 33-42. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/ article/view/11280/9925. Acesso em: 04 de março de 2019.

Feire, Paulo (a). Pedagogy of the Oppressed. Traduzido por Myra Bergman Ramos. New York: Herder and Herder, 1972.

Freire, Paulo (b). Pedagogia do Oprimido. 60ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

Downloads

Publicado

2020-05-19