Traduzir memória: entre o objeto distribuído e a memória multidirecional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n3p58

Palavras-chave:

Objeto distribuído, Memória multidirecional, Biografia, Tradução

Resumo

A ideia de memória de Alfred Gell, presente em seu “Arte e Agência”, que atravessa a biografia da pessoa (entendida não apenas enquanto humana, mas também como o próprio objeto de arte) é posta em diálogo com estudos contemporâneos sobre memória cultural a fim de se debater o papel da tradução na perpetuação do que se quer lembrar. As ideias de media de memória de Aleida Assmann intermedeiam todo o trabalho, sendo a hipótese de que a tradução é um medium de memória o que traça um caminho entre todo o raciocínio aqui desenvolvido. A tradução é aqui estudada em contato direto com a vida, bios, como parte da construção biográfica da pessoa e da obra de arte, ou, especificamente, literária, a fim de realoca-la nos debates sobre memória cultural.

Biografia do Autor

Hugo Simões, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná,

Doutorando no PPGLetras/UFPR, Mestre em Letras pela UFPR. Bolsista CAPES e membro do species - núcleo de antropologia especulativa.

Referências

Assmann, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Tradução de Paulo Soethe. Campinas: Editora Unicamp, 2011.

Benjamin, Walter (a). Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

Benjamin, Walter (b). Escritos sobre mito e a linguagem (1915-1921). Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011.

Benjamin, Walter (c). “A tarefa do tradutor”. Escritos sobre mito e linguagem, Gagnebin, Jeanne Marie (Org.). Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2013. p. 101-119

Brodzki, Bella. Can these bones live? Translation, survival and cultural memory. Stanford: Stanford University Press, 2007.

Campos, Haroldo de. Deus e o Diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 2008.

Gagnebin, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

Gell, Alfred. Arte e agência. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

Jelin, Elizabeth. La lucha por el passado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veinteuno Editores, 2017.

Rothberg, Michael. Multidirectional memory: remembering the Holocaust in the age of decolonization. Stanford: Stanford University Press, 2009.

Simões, Hugo. A tradução do que se cala: Paul Celan entre genocídios. Dissertação de mestrado. Curitiba: UFPR, 2018. Acervo digital da Universidade Federal do Paraná. 27/01/2020. Disponível em: https://www.acervodigital.ufpr.br/handle/1884/56126.

Downloads

Publicado

2020-09-11