Traduzindo As meninas de Balthus

Rosana Kohl Bines

Resumo


Por que tentar escrever algo que é irredutível a outra forma de expressão? A pergunta aparece ao final de um conto notável do escritor brasileiro Sergio Sant’Anna, que descreve nos pormenores uma série de telas do pintor franco-polonês Balthasar Balthus, em que figuram meninas-mulheres em poses ambíguas, entre inocência e lascívia. O presente artigo investiga processos tradutórios entre pintura e literatura, a partir do topos da infância, considerado como zona liminar, operadora de passagens entre silêncio e linguagem. Para tanto, traça um itinerário reflexivo que parte da teoria freudiana sobre a afasia.


Palavras-chave


Tradução; Infância; Afasia; Ekphrasis

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2014v3nespp37



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.