Haroldo de Campos e Martin Buber como tradutores bíblicos: semelhanças e diferenças em suas agendas analisadas à luz da Teoria da Relevância.

Autores

  • Geraldo Luiz de Carvalho Neto Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

tradução, Bíblia, relevância.

Resumo

Este artigo objetiva analisar excertos da tradução do livro bíblico do Qohélet, realizada por Haroldo de Campos (1991), para o português, e por Martin Buber (1997), para o alemão. A análise pauta-se pelos princípios da Teoria da Relevância (Sperber & Wilson, 1986/1995) e pelos trabalhos de Gutt (1992/2000a/2000b) e Alves (2001a/2001b), que aplicam essa teoria aos Estudos da Tradução. Consoante sua agenda tradutória, Campos e Buber aspiram a uma hebraização de seus respectivos idiomas. Em vista disso, torna-se importante investigar semelhanças e diferenças em suas respectivas agendas e sua influência nos respectivos textos de chegada. Conceitos cruciais nesta abordagem são os de codificação conceitual e procedimental, pistas comunicativas e ambiente cognitivo.

Biografia do Autor

Geraldo Luiz de Carvalho Neto, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1987) e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) . Atualmente é Membro de corpo editorial da Projekt (Curitiba). Tem experiência na área de Lingüística. Atuando principalmente nos seguintes temas: religião, tradução, Relevância.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

2005-01-01

Edição

Seção

Artigos