Tradução legente e experiência literária em Maria Gabriela Llansol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e73594

Palavras-chave:

Leitura, Tradução, Writing

Resumo

Este artigo pretende investigar as relações entre leitura, tradução e escrita em Maria Gabriela Llansol. Entre a língua de partida e a língua de chegada há o desenho de um caminho ético que pensa a tradução a partir de uma política e uma poética, levando em conta a alteridade presente no interior de todas as línguas. A experiência de tradução em Maria Gabriela Llansol nos permite vislumbrar um campo em que a vida escrita, sem apoio da memória, ou despossuída do seu fato histórico, resta como potência a traduzir. Entendemos que leitura, tradução e escrita fazem parte de um mesmo projeto literário. Talvez mais, trata-se, para essa escritora, de um projeto literário-político, que sustenta a sobrevivência de uma prática de escrita e leitura que se dirige aos lugares onde o real dos corpos e afetos deixou de ser a linha guia da literatura.  

Biografia do Autor

Janaina Rocha de Paula, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Estudos Literários pela UFMG. Pós doutoranda em Letras na UFOP. Bolsista CAPES PNPD.

Referências

Blanchot, Maurice. A parte do fogo. Tradução Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

Blanchot, Maurice. Uma voz vinda de outro lugar. Tradução Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

Derrida, Jacques. Memórias de cego – o auto-retrato e outras ruínas. Tradução Fernanda Bernardo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

Derrida, Jacques. Che cos’è la poesia?. Tradução Osvaldo Manuel Silvestre. Coimbra: Angelus Novus, 2003.

Éluard, Paul. Últimos poemas de amor. Tradução Maria Gabriela Llansol. Lisboa: Relógio d´Água: 2002.

Helder, Herberto. Photomaton & Voz. Rio de Janeiro: Tinta da China, 2017.

Lacan, Jacques. O seminário, Livro 15 – O ato psicanalítico (1967-1968). Publicação interna da Associação Freudiana Internacional. Espaço Moebius – Projeto Traduzir. Salvador: s/d.

Llansol, Maria Gabriela. Lisboaleipzig 1 – o encontro inesperado do diverso. Lisboa: Edições Rolim, 1994.

Llansol, Maria Gabriela. Onde vais, Drama-Poesia? Lisboa: Relógio D’Água, 2000.

Llansol, Maria Gabriela. Entrevistas. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

Llansol, Maria Gabriela. “O curso natural”. Últimos poemas de amor. Trad. Maria Gabriela Llansol, Éluard, Paul. Lisboa: Relógio d´Água: 2002.

Llansol, Maria Gabriela. “Introdução: uma página do diário de M.G.Llansol”. O rapaz raro. Tradução Maria Gabriela Llansol, Rimbaud, Arthur. Lisboa: Relógio D’Água, 1998.

Lopes, Silvina Rodrigues. A legitimação em literatura. Lisboa: Edições Cosmos, 1994.

Rimbaud, Arthur. O rapaz raro. Tradução Maria Gabriela Llansol. Lisboa: Relógio D’Água, 1998.

Rimbaud, Arthur. “Carta a Georges Izambard”. Alea, Rio de Janeiro , v. 8, n. 1, [1871] (2006): 154-163. Scielo. 02/05/20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-106X2006000100011. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2006000100011&lng=en&nrm=iso . access on 30 Mar. 2021.

Spinoza, Benedictus. Ética. Tradução Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009.

Downloads

Publicado

2021-05-25