De Codename Villanelle a Killing Eve: traçando relações intersemióticas entre literatura e TV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e74708

Palavras-chave:

Adaptação, Tradução Intersemiótica, Signos Literários e Audiovisuais, Codename Villanelle

Resumo

Este ensaio teve por objetivo investigar a transposição dos signos literários para os signos audiovisuais à luz da semiótica peirceana, refletindo de que modo a adaptação Killing Eve de Phoebe Waller-Bridge traduz determinados códigos presentes no thriller Codename Villanelle de Luke Jennings, procedimento que aqui foi entendido como tradução intersemiótica. A análise teve como foco a construção identitária das protagonistas, investigando de que modo e quais estratégias audiovisuais transcriam certos aspectos sensíveis da obra literária, a saber, as características psicológicas e subjetivas envolvidas na concepção das personagens.

Biografia do Autor

Amanda Nunes do Amaral, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Faculdade de Informação e Comunicação  da Universidade Federal de Goiás, Pós-graduada (lato sensu) em Estudos Literários e Ensino de Literatura pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, mestranda em Letras e Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.

Neuda Alves do Lago, Universidade Federal de Goiás

Possui Licenciatura em Letras Português e Inglês (1997), Mestrado em Letras (2002), com dissertação defendida na área de Lingüística Aplicada: ensino de inglês como Língua Estrangeira, Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Goiás (2007), com tese defendida na área de Lingüística Aplicada: ensino de Literaturas de Língua Inglesa, e curso de aperfeiçoamento em Literary Criticism - Critical Reading pela University of Oxford (2017). Atualmente, é Professora Associada na Faculdade de Letras, docente regular no Mestrado e Doutorado em Letras e Linguística, docente regular no Mestrado em Educação, e docente colaboradora no Mestrado em Agronomia, na Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Educação Superior, com ênfase em Ensino e Aprendizagem de Literaturas em Língua Inglesa, atuando principalmente nos seguintes temas: English Literatures, English Teaching and Research, Teacher Education, Affective Domain in Language Learning, Collaborative Learning, and Intersemiotic Translation from Literature to Cinema.

Referências

Almeida, R. C.; Cavalheiro, M. G. “O insólito em stardust: análise intermidiática”. Letras De Hoje, 55.1 (2020): 94-106. 15/12/2020. DOI: https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.1.33394. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/33394/19576

Alves, Sergia A. Martins de Oliveira. “Literatura e cinema: uma conversa entre signos.”. Letras em Revista. 4.1. jan-jun (2013): 133-150.

Amorim, Marcel Alvaro de. “Da tradução intersemiótica à teoria da adaptação intercultural: estado da arte e perspectivas futuras.”. Itinerários. 36. (2013): 15-33.

Bello, M. R. L. L. Narrativa literária e narrativa fílmica – o caso de Amor de Perdição. Rio de Janeiro: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

Brito, João Batista de. Literatura no cinema. São Paulo: Unimarco, 2006.

Diniz, Thais Flores Nogueira. Literatura e cinema: da semiótica à tradução cultural. Ouro Preto: UFOP, 1999.

Fischer-Lichte, Erica. “The performance as an ‘interpretant’ of the drama.”. Semiotica. 64. (1987): 197-212.

Hardy, T. “Suspense”. A arte da ficção. Tradução de Guilherme da Silva Braga, Lodge, David. Porto Alegre: RS: L&PM EDITORES, 2010, pp. 23-26.

Hutcheon, L. A theory of adaptation. London; New York: Routledge, 2006.

Jakobson, R. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2007.

Jennings, Luke. Codename Villanelle. U.S.A: Hachette Book Group, 2018.

Killing Eve (season 1). Dir. Damon Thomas, Harry Bardbeer, Jon East. Prod. Sid Gentle Films. Reino Unido: IMG, 2018.

Laruccia, Mauro Maia. “Semiótica: signo, objeto e interpretante”. Augusto Guzzo Revista Acadêmica. 6. (2003): 44-52. 18/02/2020. DOI: https://doi.org/10.22287/ag.v0i6.121 Disponível em: http://www.fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/121/139.

Lima, Luiz Costa. “Representação social e mímesis”. Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981, pp. 216-236.

Mancini, Renata. “A tradução enquanto processo”. Cadernos de Tradução. 40.3 (2020): 14-33. 14/12/2020. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n3p14. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217579682020000300014&lng=en&nrm=iso

Milanez, Janaína Guedes. “A adaptação fílmica como procedimento de tradução intersemiótica: o caso Budapeste”. Anuário de Literatura. 18.1 (2013): 178-189. 07/03/2020. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18n1p178. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2013v18n1p178/24730

Peirce, Charles Sanders. Semiótica. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Plaza, Julio. Tradução Intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2001.

Santaella, L. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2004.

Santaella, L. A teoria dos signos: semiose e autogeração. São Paulo: Ática, 1995.

Todorov, T. “Tipologia do romance policial”. As estruturas narrativas. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1970, pp. 93-104.

Downloads

Publicado

2021-05-25