O (in)evitável "Monstruoso Bicho Repugnante" (Ungeheueres Ungeziefer) na Retradução de Die Verwandlung de Kafka

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e83254

Palavras-chave:

Retradução, Franz Kafka, A Metamorfose, Ungeheueres, Ungeziefer, Tradução Literária

Resumo

O presente artigo discute questões trazidas pela prática da retradução de uma obra clássica e suas implicações no sistema literário da língua alvo, a partir de um caso específico, que consiste na retradução de Die Verwandlung (A metamorfose) de Franz Kafka para o público leitor brasileiro, um trabalho comissionado que realizei para uma editora brasileira em 2019. Parte-se de uma questão terminológica e de complexa resolução em qualquer língua-alvo: Como traduzir para o português o termo Ungeziefer? O termo, que aparece logo nas primeiras linhas da novela de Kafka para definir a nova configuração do metamorfoseado protagonista Gregor Samsa, foi traduzido como “inseto” nas diversas traduções da obra publicadas no Brasil. A proposição de uma nova tradução para a palavra Ungeziefer, nesse contexto, encontra obstáculos que serão discutidos a partir da mais elementar questão que surge ao se pensar numa retradução: Por que retraduzir uma obra já traduzida? E agora uma questão mais direcionada para o público da língua alvo: Por que retraduzir Die Verwandlung para o português brasileiro se já existe uma tradução notável, ou, se preferirmos, “consagrada” (Deane-Cox 33), de 1985, feita pelo germanista brasileiro Modesto Carone (1937-2019), que não soa, de modo algum, como desatualizada?

Referências

Albachten, O.B e Gurçaglar, S.T. “Introduction”. Perspectives on Retranslation. Ideology, paratexts, methods, editado por Albachten, O.B e Gurçaglar, S.T., New York; London: Routledge, 2019.

Berman, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélène C. Torres, Mauri Furlan, Andreia Guerini. 2.ed. Tubarão: Copiart. Florianópolis: PGET/UFSC, 2013.

Bloom, Harold. The Anxiety of Influence: A Theory of Poetry. Oxford: Oxford University Press, 1997. 1a.ed. 1973.

Cardozo, Maurício M. “Tradução como transformação: liminaridade, incondicionalidade e a crítica da relação tradutória”. Revista Letras 85 (2012): 181-201

Carone, Modesto. Lições de Kafka. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Cruz, Celso Donizete. Metamorfoses de Kafka. São Paulo: Annablume, 2007.

Cruz, Celso Donizete. “Kafka no Brasil: as edições de ‘A metamorfose’”. XI Congresso Internacional da ABRALIC. Tessituras, Interações, Convergências. 13-17 julho, 2008. https://abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/079/CELSO_CRUZ.pdf

Deane-Cox, Sharon. Retranslation. Translation, Literature and Reinterpretation. London and New York: Bloomsbury, 2004.

Grosse, Wilhelm von. Franz Kafka. Die Verwandlung. Stuttgart: Reclam, 2006.

Gürçaglar, Sehnaz Tahir. “Retranslation”. Routledge Encyclopedia of Translation Studies, editado por Mona Baker e Gabriela Saldanha, London: Routledge, 2019, pp. 484-489.

Kafka, Franz. The Metamorphosis and other stories. Tradução de Edwin Muir e Willa Muir. Harmondsworth: Penguin Books, 1961.

Kafka, Franz. A metamorfose. Tradução de Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1971.

Kafka, Franz. Die Verwandlung. Mit einem Kommentar von Vladimir Nabokov. Frankfurt am Main: Fischer Verlag, 1995.

Kafka, Franz. The Metamorphosis & Other Stories. Tradução de Stanley Appelbaum. New York: Dover, 1996.

Kafka, Franz. The Metamorphosis. Tradução de Stanley Corngold. New York: Banham Classics, 2004 (1a.ed.1972).

Kafka, Franz. Metamorphosis. Webster’s German, Thesaurus Edition, for ESL, EFL, ELP, TOEFL, TOEIC, and AP Test Preparation. Tradução de David Wyllie. San Diego: Icon Group International, 2005.

Kafka, Franz. Metamorphosis & Other Stories. Tradução de Michael Hofmann. New York: Penguin, 2007.

Kafka, Franz. The Metamorphosis and Other Stories. Tradução de Joyce Crick, com introdução e notas de Ritchie Robertson. Oxford and New York: Oxford University Press, 2009.

Kafka, Franz. Die Verwandlung. / Erstes Leid, editado por Claus Schlegel. Stuttgart; Leipzig: Klett, 2011a.

Kafka, Franz. A metamorfose. Tradução de Celso Donizete Cruz. São Paulo: Hedra, 2011b (1a.ed. 2009).

Kafka, Franz. The Metamorphosis. Tradução de Susan Bernofsky. New York: W.W.Norton, 2014.

Kafka, Franz. A metamorfose. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 2018a, 44.ed. (1a.ed.1985).

Kafka, Franz (2018b) A metamorfose. Tradução de Brenno Silveira. Rio de Janeiro: BestBolso, 2018b. (3a.ed.).

Kafka, Franz. A metamorfose e O Veredito. Tradução de Marcelo Backes. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2018c.

Kafka, Franz. A metamorfose. Tradução de Petê Rissati. São Paulo: Antofágica Editora, 2019a.

Kafka, Franz. A metamorfose. Tradução de Raquel Abi-Sâmara. São Paulo: Planeta do Brasil, 2019b.

Kafka, Franz. A metamorfose e outras narrativas. Tradução de Luis S. Krausz. Ribeirão Preto: FTD, 2020.

Kluge, Friedrich. Etymologisches Wörterbuch der deutschen Sprache. 22. Auflage. Berlin/New York: Walter de Gruyter, 1989.

Koskinen, K. e Paloposki, O. “Anxieties of influence. The voice of the first translator in retranslation”. Target 27:1, (2015): 25-39.

Lawson, Richard H. “Ungeheueres Ungeziefer in Kafka’s ‘Die Verwandlung’”. The German Quarterly. v.33, n.3, (1960): 216-219.

Milton, John. O Clube do Livro e a tradução. São Paulo: Editora da Universidade Sagrado Coração, 2000.

Milton, John; Torres, Marie-Hélène C. Torres (org.) (2003) “Tradução, retradução e adaptação”. Cadernos de Tradução, v.1 n.11, (2003): 9-17.

Lodge, Dawid. The Art of Fiction. Illustrated from Classic and Modern Texts. New York: Viking/Penguin, 1993.

Paloposki, Outi, e Kaisa Koskinen (2010) “Reprocessing Texts: The Fine Line between Retranslating and Revising”. Across Languages and Cultures 11 (1), (2010): 29-49.

Venuti, L. “Retranslations. The creation of value”. Venuti, L. Translation Changes Everything: Theory and Practice. N.Y e Philadelphia:Taylor & Francis Group, 2013, pp.95-108.

Widman, Julieta. »A ´hipótese da retradução´ pelas modalidades de tradução, nas traduções para a língua inglesa de A paixão segundo G.H.». Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, 2016. pp.39-47

Windelen, Steffi. »Mäuse, Maden, Maulwürfe. Zur Thematisierung von Ungeziefer im 18. Jahrhundert». PhD. Thesis. University of Gottingen, 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-30