Traduzindo o sotaque de Tawada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e83654

Palavras-chave:

Tradução, Literatura exofônica, literatura em língua alemã, identidade, migração

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o ensaio Akzent, escrito em língua alemã pela escritora japonesa Yoko Tawada. Também se propõe realizar uma discussão a respeito do estilo de escrita da autora e sobre como categorizá-la. Por fim, é descrito o processo de tradução de Akzent, que em português recebeu o título de Sotaque, seguindo-se a tradução do referido ensaio.

Biografia do Autor

Marina de Oliveira Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em Estudos de Literatura / Teoria, Crítica e Comparatismo sob orientação do professor Dr. Gerson Neumann.

Gerson Roberto Neumann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Associado de Literatura e Língua Alemã na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Presidente da Associação Brasileira de Literatura Comparada - ABRALIC - Biênio 2020-2021. É líder do Grupo de Pesquisa do CNPq Cosmos Littera. Graduado em Licenciatura Letras Português-Alemão pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS (1995), Mestrado em Letras (Ciência da Literatura - Literatura Comparada) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2000) e Doutorado em Ciências da Literatura pela Freie Universität Berlin - FU-Berlin (2004) com bolsa DAAD. Atuou como professor Adjunto de Literatura e Língua Alemã na Faculdade de Letras da PUCRS e ministrou cursos de extensão de Língua Alemã na UFPel, em Pelotas e na UFGRS, em Porto Alegre. Professor Adjunto de Literatura e Língua Alemã na UFPel (2009-2010). Pós-Doutorado com bolsa Capes - Alexander von Humboldt na Universität Potsdam. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua e Literatura Alemãs, Literatura Brasileira, Literatura Comparada, Estudos Culturais e de Tradução. Atua em pesquisas, principalmente com os seguintes temas: Literatura alemã, Literatura em língua alemã no Brasil, história da imigração alemã no Brasil, ensino da língua e literatura alemãs no Brasil, identidade cultural e nacional e estudos culturais, prática do Hunsrückisch no Brasil, migração e questões de fronteira e as questões da literatura sem morada definida. Participa do projeto binacional Atlas Lingüístico-Contatual das Minorias Alemãs na Bacia do Prata: Hunsrückisch (ALMA-H). É integrante dos Grupos de pesquisa RELLIBRA ?Relações Lingüísticas e Literárias Brasil-Alemanha? (USP), Ícaro "Interdisciplinaridade, Crítica ao Autoritarismo, Regionalidade e Oralidade" (UFPel), LIEDH "Linguagem e Discursos da História" (UFRJ) e NEEM "Núcleo de Estudos de Exílio e Emigração" (UFMG). É integrante do NET (Núcleo de Estudos da Tradução) da UFRGS e do POINTS. Brasil transareal ? A scientific and transareal platform for projects with focus on Brazil, da Universität Potsdam. Editor da Revista Contingentia (ISSN:1980-7589), da UFRGS, editada em conjunto com o Prof. Dr. Helano J. Ribeiro, da UFPB. Ocupa a cadeira de número 21 do Instituto Histórico de São Leopoldo. É pesquisador-fundador do CDEA - Centro de Estudos Europeus e Alemães.

Referências

Ashcroft, Bill, Griffiths, Gareth & Tiffin, Helen. The Empire Writes Back, 2. ed. London: Routledge, 2002.

Berman, Antoine. “La traduction comme épreuve de l’étranger”. Texte 4 (1985): 67–81.

Brandt, Bettina e Tawada, Yoko. “The Postcommunist Eye: An Interview with Yoko Tawada.” World Literature Today 01 (2006): 43-45.

Candido, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. 7. ed. Belo Horizonte-Rio de Janeiro: Editora Itatiaia, 1993.

Collischonn de Abreu, Lúcia. Sonatas em neve: traduzindo a escrita exofônica de Yôko Tawada. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Letras. Porto Alegre. 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/170369?show=full. Acesso em 16 de setembro de 2020.

Daudt, Marianna Ilgenfritz e Neumann, Gerson Roberto. “‘Eu sou uma língua’: A exofonia na literatura de Yoko Tawada.” Cadernos do IL 58 (2019): 46-59.

Even-Zohar. A posição da literatura traduzida dentro do polissistema literário. Tradução de Leandro de Ávila Braga. Revista Translatio. 3 (2012): 3-10.

Even-Zohar. Teoria dos polissistemas. Tradução de Luís Fernando Marozo, Carlos Rizzon e Yanna Karlla Cunha. Revista Translatio. 5 (2013): 2-21.

Fanon, Franz. Pele negra, máscaras brancas Tradução de Renato da Silveira. Salvador: Edufba, 2008.

Hall, Stuart. Identidade Cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

Heidermann, Werner. “‘Literatura Chamisso’, a literatura alemã proposta por não-alemães” Revista Landa 5 (2016): 604-618.

Kristeva, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Tradução de Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Levinas, Emmanuel. Totalidade e Infinito. Tradução de José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 1980.

Tawada, Yoko. Bogo no soto e deru tabi. Tóquio: Iwanami, 2003. Título em japonês: エクソフォニー――母語の外へ出る旅.

Tawada, Yoko. Akzentfrei. Tübingen: Konkursbuch Verlag, 2016.

Tawada, Yoko. „Die Ohrenzeugin“. Überseezungen. Tübingen: Ed.Cláudia Gehrke, 2002, pp. 95-114.

Totten, Monika, e Yoko Tawada. “Writing in Two Languages: A Conversation with Yoko Tawada.” Harvard Review 17 (1999): 93–100.

Wright, Chantal. “Writing in the ‘Grey Zone’: Exophonic Literature in Contemporary Germany.” GLF-Jornal 03 (2008): 26-42.

Wright, Chantal. “Exophony and literary translation: What it means for the translator when a writer adopts a new language”. Target 22.1 (2010): 22-39.

Wright, Chantal. “‚Bringt Poesie in unsere Städte!‘ Obrigkeitsdeutsch and Exophonic Literature” Kakanien revisited (2008): 1-24.

Downloads

Publicado

2021-09-30