Participação social de crianças em brincadeiras: aproximações às culturas da infância na educação infantil

Rafaely Karolynne do Nascimento Campos, Tacyana Karla Gomes Ramos

Resumo


O presente estudo focaliza a participação social de crianças no contexto da educação infantil, analisando as formas utilizadas pela criança para ingressar e permanecer numa brincadeira coletiva em curso, organizada por parceiros de idade. Inicialmente procura-se problematizar a noção de culturas da infância construída no campo dos estudos da sociologia da infância e situar as aproximações teóricas relativas à brincadeira em uma perspectiva social e cultural focalizando as relações entre o brincar e as culturas da infância. Em seguida, busca-se expor as configurações metodológicas da investigação. Os dados foram produzidos a partir dos aportes da Sociologia da Infância, numa perspectiva de pesquisa etnográfica, realizada com vinte e cinco crianças de ambos os sexos, com três anos. Os resultados indicam que as formações de grupos de brincadeiras foram regidas por estratégias que utilizaram a amizade como principal forma de acesso e permanência nas situações organizadas pelos pares que brincavam.


Palavras-chave


Brincadeiras; Culturas da infância; Educação infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


BELLONI, Maria Luiza. O que é Sociologia da Infância. Campinas: Autores Associados, 2009.

BORBA, Angela Meyer. Culturas da Infância nos espaços-tempos do brincar. 296f. Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2005.

BROUGÈRE, Gilles. A crianças e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2015. p. 19-32.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança. (Ciências Sociais passo-a-passo). Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CORSARO, William A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MÜLLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida (orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 31-50.

CORSARO, William A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FERREIRA, Manuela. Do “avesso” do brincar ou... as Relações entre pares, as Rotinas da cultura infantil e a Construção da(s) Ordem(ens) Social (ais) Instituinte(s) das Crianças no Jardim-de-Infância. In: SARMENTO, M.J. & CERISARA, A. B.. (orgs). Crianças e miúdos. Perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004.

GRAUE, Elisabeth.; WALSH, Daniel. Investigação Etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

KRAMER, Sonia. Autoria e Autorização: Questões Éticas na Pesquisa com Crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 41-59, julho/ 2002.

OLIVEIRA, Fabiana de. TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos. Cultura da Infância: brincar, desenho e pensamento. In: ABROMOWICZ, Anete (et al.). O plural da infância: aportes da sociologia. São Carlos: EdUFSCar, 2010. p. 39 – 55.

PEDROSA, Maria Isabel; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Análise qualitativa de episódios de interação: uma reflexão sobre procedimentos e formas de uso. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 2005, 18(3), pp.431-442. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a18v18n3.pdf. Acesso em: 10 de Jan. 2016.

PEREIRA, Rachel Freitas. As crianças bem pequenas na produção de suas culturas. 207f. Dissertação de Mestrado, Universidade do Rio Grande do Sul, 2011.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade. [online]. 2005, vol.26, n.91, p. 361-378. ISSN 0101-7330.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Imaginário e culturas da infância, 2003. Disponível na Internet: http:www.iec.minho.pt/cedic/textos de trabalho. Acessado em 30 de maio de 2016.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade, 2002. Disponível na Internet: http:www.iec.minho.pt/cedic/textos de trabalho. Acessado em 30 de maio de 2016.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2019v21n39p51

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.