Percepções das crianças sobre as relações de gênero a partir das interações vividas entre pares e na companhia de uma professora e um professor na Educação Infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p632

Palavras-chave:

Crianças, Educação Infantil, Professores homens, Relações de gênero

Resumo

O artigo analisa as percepções das crianças de cinco anos sobre as relações de gênero vividas entre si e na companhia de uma professora e de um professor em uma Unidade de Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte. O quadro teórico-metodológico agrega os estudos feministas e os estudos de gênero na proposição uma etnografia com 7 meninas e 18 meninos de cinco anos de idade, uma professora e um professor de Educação Infantil. Os instrumentos de produção de dados foram: observação participante, entrevistas e desenhos articulados com as falas das crianças. Identificou-se que as relações de gênero vividas no interior do grupo de pares (relações intrageracionais) e na companhia de um professor e uma professora (relações intergeracionais) eram percebidas pelas crianças. As conclusões do estudo apontam para a urgência de as questões de gênero figurarem nos projetos pedagógicos da Educação Infantil, principalmente quando um professor homem atua junto às crianças.

Biografia do Autor

Sandro Vinicius Sales dos Santos, Faculdade Interdisciplinar em Humanidades da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – FIH/UFVJM – Diamantina, Minas Gerais, Brasil.

Professor Adjunto do Curso de Pedagogia da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus JK (Pedagogia/FIH/UFVJM) e pesquisador do quadro de docentes permanentes do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED-UFVJM) e do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas (MPICH-UFVJM). Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Conhecimento e inclusão social da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (2016); Mestre em educação pelo mesmo Programa (2013); Especialista em Educação Infantil pelo Curso de Especialização Lato Sensu em Docência da Educação Básica (LASEB/FaE/UFMG); Pedagogo pelo Instituto Superior de Educação Anísio Teixeira (2008). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, crianças de zero a seis anos, relações de gênero, didática; planejamento e avaliação educacional; formação de professores.

Alexandre Gomes Soares, Universidade Federal de Minas Gerais

Pós-Doutorando em Educação pela UFMG, Doutor em Educação (USP),Mestre em Educação Tecnológica (CEFET/MG), Pós-graduado em Gestão de Pessoas e Projetos Sociais pela UNIFEI, Pós-graduado em Planejamento, Implementação e Gestão de Educação a Distância pela UFF,Pós-graduado em História e Culturas Políticas pela UFMG, Pós-graduado em Educação Empreendedora pela UFSJ, Pós-graduado em Educação Profissional Integ. a Ed. Bás. na Educação de Jovens e Adultos (CEFET-MG), Licenciado em Pedagogia pela UNINOVE, Bacharel Licenciado em História pela PUC-Minas. Membro do Grupo de Estudos de Gênero, Educação e Cultura Sexual (EdGES) credenciado no CNPq.Possuo experiência nas áreas de gestão em saúde, docência e formação de professores (temas em Educação: Gênero, Sexualidade/Diversidade, Currículo, Formação Docente). Atua como Professor Adjunto na Faculdade Única de Contagem e Coordenador Pedagógico no 1º e 2º Ciclo na Prefeitura de Belo Horizonte. E-mail : prof.alexhis@gmail.com

Denise da Silva Braga, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.

Professora Adjunta da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Coordenadora do curso de Licenciatura em Pedagogia - UFVJM. Docente nos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Bacharelado em Humanidades. Docente do Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Educação. É doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, com estágio na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto/Portugal (2012). Possui Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2004) e graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Minas Gerais (2000) . Tem experiência na Educação Básica e no Ensino Superior. Pesquisadora do campo do currículo com ênfase nas questões da diferença, das sexualidades e gêneros, sobretudo das identidades LGBT. Autora do livro "Corpos estranhos se tornam matéria: identidades LGBT no currículo da escola".

Referências

ANYON, Jean. Interseções de gênero e classe: acomodação e resistência de mulheres e meninas às ideologias de papéis sexuais. Cadernos de Pesquisa. 1990; (73): 13- 25.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica 2019: Resumo Técnico. Brasília, 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 20/2009. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009.

CARVALHO, Marília Pinto de. O conceito de gênero no dia a dia da sala de aula. In: Revista de Educação Pública. Cuiabá, v. 21 n. 46, p. 401-412 maio/ago. 2012.

CARVALHO, Maria Regina Viveiros de. Perfil do professor da educação básica. Série Documental - Relatos de Pesquisa, v. 41, p. 1-67, 2018.

CERISARA, Ana Beatriz. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. Coleção Questões da Nossa Época. São Paulo: Cortez, 2002. 120 p.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança. São Paulo: Jorge Zahar, 2005.

CONNELL, Robert William. Políticas da masculinidade. In: Educação e Realidade. Vol. 20 (2), jul/dez. 1995, p. 185-206.

CRUZ, Elizabete Franco. “Quem leva o nenê e a bolsa?”: o masculino na creche. In: ARILHA, Margareth; RIDENTI, Sandra Gouretti Unberhaum; MEDRADO, Benedito (Orgs.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS/Ed. 34, 1998.

DUARTE, Fabiana. Professoras de bebês: as dimensões educativas que constituem a especificidade da ação docente. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

GONÇALVES, Fernanda; ROCHA, Eloisa Acires Candal. Indicativos da produção científica para a educação dos bebês e crianças bem pequenas no contexto da Educação Infantil. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 19, n. 36, p. 397-410, 2017.

GRAUE, Elizabeth & WALSH, Daniel J. Investigação etnográfica com crianças: teoria, métodos e técnicas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

JAEGER, Angelita Alice; JACQUES, Karine. Masculinidades e docência na Educação Infantil. Revista Estudos Feministas, v. 25, n. 2, p. 545-570, 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 8ª ed. – Petrópolis: Vozes, 1997. 159p.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. “De perto e de dentro: notas para uma antropologia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: SP; 17 (49), 11-31. 2002.

MOLLO-BOUVIER, Suzanne. Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 91, 2005, p. 391-403.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Homens na Educação Infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 720-741, 2014.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna, 1999. 80 p.

NILCHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, vol. 8, nº 2, 2000. P. 9- 42.

PROUT, Alan; JAMES, Allison. A new paradigm for the Sociology of childhood? Provenance, Promise and Problems. In: JAMES, Allison; PROUT, Alan (Ed.). Constructing and Reconstructing Childhood: Contemporany Issues in the Sociological Study of Childhood. London 1997 (second edition). The Falmer Press. p. 7-34.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens da Educação Infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte – MG. Belo Horizonte, 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. 139f.

SANTOS, Sandro Vinicius Sales dos. Socialização de gênero na Educação Infantil: continuidades e rupturas vivenciadas pelas crianças na família, na igreja e na escola. Educação (Santa Maria), v. 42, n. 3, set./dez. 2017, pp. 731-750.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVEA, Maria Cristina Soares (orgs). Estudos da Infância: educação e práticas sociais – Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: um estudo de professores em creches. 2005. 273 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Florianópolis.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, vol. 20, (2), jul/dez. 1995.

SILVA, Peterson Rigato da. Não sou tio, nem pai, sou professor! A docência masculina na Educação Infantil – Campinas, SP: 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Campinas. 222f.

SILVA, Tomaz Tadeu. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: Tomaz Tadeu da Silva. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos estudos culturais em educação. 1ed.Petrópolis: Vozes, 1995, v. 1, p. 190-207.

SOUZA, José Edilmar de. Homem docência com crianças pequenas: um olhar das crianças de um centro de Educação Infantil. 37ª Reunião Nacional da ANPED, 37, 2015, Florianópolis. Anais. Florianópolis: UFSC, 2015. p. 1-17.

TEIXEIRA, Adla Betsaida Martins. Distinção de gênero e seus reflexos na formação de docentes e discentes. In: Dra. Adla Betsaida Martins Teixeira. (Org.). Temas Atuais em Didática. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009, v. 1, p. 1-12.

THORNE, Berry. Gender Play: girls and boys in schools. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press. 1993.

VIEIRA, Lívia Maria Fraga. Creches no Brasil: de mal necessário a lugar de compensar carências rumo à construção de um projeto educativo. Belo Horizonte, 1986. 347f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Downloads

Publicado

2020-11-05