Memórias ilustradas: aproximações entre formação docente, imagens e personagens botânicos

Clara de Carvalho Machado, Marise Basso Amaral

Resumo


O presente artigo discute uma dimensão mais cultural do ensino de Botânica a partir do uso de memórias ilustradas dos alunos de licenciatura sobre essa temática. O trabalho tem como base a discussão da cegueira botânica e a importância de atribuir às plantas identidade e protagonismos nas intervenções de ensino e aprendizagem. Tal dimensão pode ser construída a partir do resgate das histórias, das memórias pessoais dos alunos, bem como das narrativas culturais sobre os personagens botânicos em filmes, documentários, música, poesias, ciências, literatura etc. O trabalho desenvolveu-se principalmente a partir dos desenhos e fotografias reunidos pelos alunos e as histórias a eles relacionadas ao longo de três encontros. Essa atividade levou para o ensino de botânica a utilização de imagens e cenários pouco explorados pelo currículo escolar, mas que, no decorrer das atividades, se mostraram potencializadores de uma experiência plena de sentido.


Palavras-chave


botânica; imagens; memórias; cultura; ensino; cegueira botânica

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n2p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.