Crenças religiosas e evolução: um modelo para o diálogo em aula

Pedro Pinheiro Teixeira, Ralph Levinson

Resumo


A teoria evolutiva é defendida como eixo organizador do ensino de biologia, porém há várias dificuldades para tal, incluindo conflitos com determinadas orientações religiosas que realizam uma leitura literal da Bíblia, como o pentecostalismo. Nesta pesquisa, procuramos compreender de que maneira o ensino da teoria evolutiva é desenvolvido em contextos de grande presença de estudantes pentecostais. Para isso, investigamos duas escolas com grande número de estudantes pentecostais através de observações, entrevistas e questionários. Os resultados mostram que quando os professores discutem evolução, eles desvalorizam ou mostram receio em relação às ideias religiosas dos alunos ou introduzem suas crenças pessoais. Propomos um modelo de diálogo, baseado na ideia de discurso de Habermas e de espaço de busca de France, no qual bases comuns podem ser encontradas a fim de promover a compreensão da evolução sem o intuito de converter pontos de vista diferentes. Mostramos as possibilidades do modelo aplicadas aos nossos dados e apontamos para desenvolvimentos futuros.


Palavras-chave


Ensino de biologia; Ensino de evolução; Crenças religiosas; Criacionismo

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2018v11n1p195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.