Aprender com modelagem: relações entre modelagem (matemática) e processos criativos

Zulma Elizabete de Freitas Madruga, Valderez Marina do Rosário Lima

Resumo


Este artigo teórico objetiva apresentar uma proposta metodológica, construída a partir de uma pesquisa que analisou as relações entre os processos criativos de diferentes profissionais e procedimentos de modelagem (matemática). A proposta, chamada aprender com modelagem, toma por base as ideias teóricas de Rodney Bassanezi e Maria Salett Biembengut.  A pesquisa que originou este artigo foi realizada com 10 profissionais de diferentes ramos, seus resultados incentivaram a publicação dessa proposta teórica. Indicam-se caminhos para utilizar como prática pedagógica a modelagem, por meio do aprender com modelagem, na busca por desenvolver criatividade e comunicação, no intuito de valorar a cultura e o entorno do estudante. Como resultados apresentam-se as categorias: Intenção – escolha da temática a ser desenvolvida; Projeção – familiarização com o assunto, busca por subsídios; Criação – elaboração dos primeiros esboços e do ‘produto’ (modelo); Produto – validação e avaliação do modelo. Considerações e recomendações acerca da educação sugerem maneiras de utilizar o aprender com modelagem como alternativa pedagógica para qualquer ano de escolarização e disciplina.


Palavras-chave


Aprender com modelagem; Modelagem matemática; Processos criativos; Diversidade cultural

Texto completo:

PDF/A

Referências


AROUCA, C. A. C. Arte na escola: como estimular um olhar curioso e investigativo nos alunos dos anos finais do ensino fundamental. São Paulo: Editora Anzol, 2012.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. 3ª Ed. São Paulo: Contexto, 2010.

BASSANEZI, R. C. Modelagem Matemática teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2015.

BIEMBENGUT, M. S. Mapeamento na Pesquisa Educacional. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna, 2008.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem & Processo Cognitivo.. In: CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MODELAGEM E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 3., 2003, Piracicaba. Anais...Piracicaba: UNIMEP, 2003.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem matemática & Implicações no Ensino e Aprendizagem de Matemática. 3ª ed. Blumenau: Edifurb, 2007.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem Matemática no Ensino Fundamental. Blumenau: Editora da FURB, 2014.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem na Educação Matemática e na Ciência. São Paulo: Livraria da Física, 2016.

BIEMBENGUT, M.S.; HEIN, N. Modelagem Matemática no Ensino. 5ª ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2011.

BLUM, W. Icme study 14: Applications and modelling in mathematics education — discussion document. In: Educational studies in mathematics, 51, p.149–171, 2003.

BLUM, W.; GALBRAITH, P. L.; HENN, H-W.; NISS, M. Modelling and Applications in Mathematics Education. New York: Springer, 2007.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação. Porto, Portugal: Editora Porto, 2010.

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, que estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/fontes_escritas/6_Nacional_Desenvolvimento/ldb%20lei%20no%204.024,%20de%2020%20de%20dezembro%20de%201961.htm Acesso em 05 de junho de 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular - BNCC. Disponível em: . Acesso: 3 jun.2017.

BURAK, D.; KLÜBER, T. Encaminhamentos didático-pedagógicos no contexto de uma atividade de modelagem matemática para a Educação Básica. In: ALMEIDA, L. M. W; ARAÚJO, J. L.; BISOGNIN, E. Práticas de Modelagem Matemática na Educação Matemática. Londrina: Eduel, 2011. p. 44-64.

D’AMBROSIO, U. Da Realidade à Ação: reflexões sobre educação e matemática, São Paulo: Summus, 1986.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

D’AMBROSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 1997.

FARIA, H.; GARCIA, P. Arte e identidade cultural na construção de um mundo solidário. 2.ed. São Paulo: Instituto Pólis, 2003.

FORGUS, R. H. Percepção: o processo básico do desenvolvimento cognitivo. Tradução Nilce Pinheiro Mejias. São Paulo: Universidade de Brasília, 1971.

GEORGE, F. Modelos de Pensamentos. Trad. Mário Guerreiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1973.

GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação: Para além das teorias de reprodução. Trad. Ângela Maria B. Biaggio. Petrópolis: Vozes, 1986.

GIROUX, H.; SIMON, R. Cultura Popular e Pedagogia Crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular. In.: MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. (Orgs.). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo: Cortez, 2011. p. 93-124.

GODOY, E. V. Currículo, cultura e educação matemática. Campinas: Papirus, 2015.

JACOBY, S. S.; KOWALIK. Mathematical modelling with computers. NJ: Prentice Hall, 1980.

LUBART, T. Psicologia da criatividade. Trad. Márcia Conceição Machado Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2007.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico. 1ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MADRUGA, Z. E. F. Processos criativos e valorização da cultura: possibilidades de aprender com modelagem. Tese de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2016.

MADRUGA, Z. E. F.; BIEMBENGUT, M. S. Modelagem & Aleg(o)rias: um enredo entre cultura e educação. Curitiba: Appris, 2016.

MARIOTTI, H. Os operadores cognitivos do pensamento complexo. 2007. Disponível em

Acesso em 03 de junho de 2015.

MOSÉ, V. A escola e os desafios contemporâneos. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 2014.

SKURNIK, L. S. GEORGE, F. Iniciação à Psicologia. Trad. Deny Felix Fonseca. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.




DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v12n2p241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1982-5153

Licença Creative Commons

Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.