As pesquisas acadêmicas sobre modelagem matemática na educação matemática (de 1979 a 2015): compreensões das áreas de educação e ensino da CAPES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e68038

Palavras-chave:

Estado da arte da pesquisa, Áreas de educação e ensino da CAPES, Cursos de pós-graduação stricto sensu, Processo criativo, Modelagem matemática na educação matemática

Resumo

Este artigo objetiva evidenciar e discutir um estado da arte das Áreas de avaliação (Educação e Ensino) dos programas e cursos de pós-graduação stricto sensu, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em que se apresentam pesquisas acadêmicas sobre Modelagem Matemática (de 1979 a 2015). O estudo foi sustentado pelas pesquisas qualitativa, descritiva e bibliográfica e pela teoria fundamentada nos dados, a partir de procedimentos de coleta, registro e fonte de dados, recorrendo a dissertações e teses, além de pesquisas na Plataforma Sucupira e em programas e bibliotecas. Partiu-se da consideração de que a Área de Educação é a precursora no campo da Educação Matemática, na qual há esforços, desde 1979, para transformar os quadros referentes ao ensino de Matemática e à Área de Ensino, que é nova no meio científico e caracteriza-se por vários investimentos realizados desde 2004 em investigações envolvendo essa temática. Em vista de tal quadro, são expostas aqui duzentas e sessenta e uma dissertações e teses, que contribuem para a maturidade desse assunto no campo científico e para a aprendizagem matemática.

Biografia do Autor

Maria Rosana Soares, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Possui doutorado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) (2017) e mestrado profissional em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná de Ponta Grossa (UTFPR/PG) (2012). Tem duas especializações (lato sensu): Instrumentalização para o Ensino de Matemática pela UTFPR de Cornélio Procópio (UTFPR/CP) (2007) e Educação Profissional Integrada a Educação Básica na Modalidade Educação de Jovens e Adultos (UTFPR/CP) (2010).

Sonia Barbosa Camargo Igliori, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Doutora em Matemática pela PUC-SP na área de Análise Funcional, tendo sido orientada por Domingos Pisaneli. De 1995 a 1996 realizou, com apoio da CAPES, estágio pós doutoral na Université Paris VII, França. O estágio desenvolveu-se por meio de pesquisa em Didática da Análise com a supervisão de Michèle Artigue. É professora ttitular da Faculdade de ciências Exatas e Tecnológica da PUC-SP. É professora permanente do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da PUC-SP, tendo sido coordenadora desse Programa nos períodos de 1995 a 2005, e de 2011-2013. De janeiro a julho de 2018 realizou, com apoio da CAPES, estágio pós doutoral no Institut Français d'Education de L´Ecole Normal Supérieur de Lyon, França. O estágio desenvolveu-se por meio de pesquisa em Educação Matemática com a supervisão de Luc Trouche.

Edvonete Souza de Alencar, Universidade Federal de Grande Dourados-UFGD

Doutora em Educação Matemática pela PUC-SP (2016). Mestre em Educação Matemática pela Universidade Bandeirante de São Paulo (2012) e licenciada em Pedagogia pela Universidade Braz Cubas (2005) e em Matemática pela Universidade Metropolitana de Santos (2013). Atualmente é Professora Adjunta do Magistério Superior na Universidade Federal de Grande Dourados-UFGD - no departamento de Educação - FAED. É professora permanente do Programa de Mestrado Educação Científica e Matemática. Atuou por 12 anos no ensino fundamental do Governo do Estado de São Paulo e por 9 anos como professora de Educação Infantil da Prefeitura Municipal de São Paulo. Foi professora do Curso Clarentiano para concurso e do Grupo Censupeg de Pos graduação. Especialista em Direito Educacional, em Educação Infantil e em Formação de Professores para o Ensino Superior.Líder do grupo TeiaMat- Teia de Pesquisas em Educação Matemática - UFGD. Pesquisadora integrante do grupo de trabalho - GT01- Educação Matemática na Educação Infantil e anos iniciais da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - SBEM. Membro do Observatório Internacional de Inclusão , Interculturalidade e Inovação Pedagógica. Foi bolsista pesquisador iniciante da UFGD no segundo semestre de 2017. Atua principalmente nos seguintes temas: educação matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental e Educação Infantil, educação inclusiva, campo conceitual multiplicativo, formação de professores , modelagem matemática e educação.

Jorge Henrique Gualandi, Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Possui Habilitação profissional em Magistério pela Escola de 2º Grau Dr "Rage Miguel, graduação em Licenciatura em Matemática pela FAFILE/UEMG - Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Carangola/ Universidade do Estado de Minas Gerais, especialização em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras - UFLA , especialização em Metodologia do Ensino da Matemática, pela AVM-Faculdades Integradas - RJ, Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática pela PUC-MG e Doutorado em Educação Matemática pela PUC-SP . Atualmente é professor do Ifes - Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Cachoeiro de Itapemirim . Professor credenciado do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Educação Básica e Formação de Professores da Universidade Federal do Espírito Santo - UFES - campus de Alegre. Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Fundamentos de Matemática, Ensino de Geometria ,e Ensino de Álgebra. Membro do grupo de pesquisa GPEA- Grupo de Pesquisa em Educação Algébrica - PUC/SP e vice líder do grupo Matemática e Educação - Ifes, possuindo experiência em Formação Inicial e Continuada para Professores que Ensinam Matemática.

Referências

ALMEIDA, L. M. W. de; SILVA, K. A. P. da; VERTUAN, R. E. Modelagem matemática na educação básica. São Paulo: Contexto, 2013.

BAQUEIRO, G. D. S. Achados sobre generalização de padrões ao “garimpar” pesquisas brasileiras de educação matemática (2003-2013). 228f. Tese de doutorado em Educação Matemática – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

BARBOSA, J. C. Modelagem matemática: concepções e experiências de futuros professores. 267f. Tese de doutorado em Educação Matemática – Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” de Rio Claro, Rio Claro, 2001.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

BELTRÃO, M. E. P.; IGLIORI, S. B. C. Modelagem matemática e aplicações: abordagens para o ensino de funções. Educação Matemática Pesquisa (On-line), São Paulo, v. 12, n. 1, p. 17-42, 2010. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/2171/2177. Acesso em: 3 maio 2020.

BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

BORBA, M. de C. Um estudo de etnomatemática: sua incorporação na elaboração de uma proposta pedagógica para o Núcleo-Escola da favela da Vila Nogueira – São Quirino. 272f. Dissertação de mestrado em Educação Matemática – Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de MesquitaFilho” de Rio Claro, Rio Claro, 1987.

BORBA, M. de C. Pesquisa qualitativa em educação matemática. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED), 27., 2004, Caxambu. Anais... Caxambu, MG, nov. 2004, p. 1-18.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Plataforma Lattes: 2017. Disponível em: http://lattes.cnpq.br. Último acesso em: 8 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Banco de teses e dissertações da Capes: 2014. Disponível em: http://bancodeteses.capes.gov.br/banco-teses. Último acesso em: 10 dez. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Cursos recomendados e reconhecidos: 2015. Atualização da Capes em 20 mar. 2015. Disponível em: http://www.capes.gov.br. Acesso em: 21 mar. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Plataforma Sucupira: cursos recomendados e reconhecidos, 2016a. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Cursos recomendados pela Capes: 2016b. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: http://www.capes.gov.br. Último acesso em: 27 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Cursos recomendados pela Capes: 2016c. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: http://www.capes.gov.br/cursos-recomendados. Último acesso em: 27 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Dados quantitativos de programas recomendados e reconhecidos pela Capes por áreas de avaliação: 2016d. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoAreaAvaliacao.jsf. Acesso em: 19 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Dados quantitativos de programas recomendados e reconhecidos pela Capes por instituição de ensino: grande área de ciências humanas e área de educação: 2016e. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoIes.jsf?areaAvaliacao=46&areaConhecimento=90200000. Acesso em: 19 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Dados quantitativos de programas recomendados e reconhecidos pela Capes por instituição de ensino: grande área multidisciplinar e área de ensino: 2016f. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoIes.jsf?areaAvaliacao=46&areaConhecimento=90200000. Acesso em: 19 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Plataforma Sucupira: Informações do programa: 2016g. Atualização da Capes em 26 abr. 2016. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/informacoes_programa/informacoesPrograma.jsf. Acesso em: 19 jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Orientações Curriculares para o Ensino Médio (OCEM): ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. v. 2. Brasília, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf. Acesso em: 10 set. 2014.

BURAK, D. Modelagem matemática: ações e interações no processo de ensino-aprendizagem. 459f. Tese de doutorado em Educação – Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução de Magda França Lopes. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Tradução de Sandra Mallmann da Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

D’ AMBROSIO, U. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. São Paulo: Sammus; Campinas: Editora da Universidade de Campinas, 1986.

D’ AMBROSIO, U. Prefácio. In: BORBA, M. de C.; ARAÚJO, J. de L. (Org.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p. 11-22. (Coleção tendências em Educação Matemática).

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução de Sandra Regina Netz. 2. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

FERREIRA, N. S. de A. Pesquisa em leitura: um estudo dos resumos de dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no Brasil, de 1980 a 1995. 353f. Tese de doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002.

FIORENTINI, D. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em cursos de Pós-Graduação. 424f. Tese de doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2012.

FRACALANZA, H. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de ciências no Brasil. 303f. Tese de doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

FREITAS, A. V. Educação matemática e educação de jovens e adultos: estado da arte de publicações em periódicos (2000 a 2010). 359f. Tese de doutorado em Educação Matemática – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

HERMINIO, M. H. G. B.; BORBA, M. de C. A noção de interesse em projetos de modelagem matemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 111-127, 2010. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/3283/2182. Acesso em: 3 maio 2020.

KLÜBER, T. E. Uma metacompreensão da modelagem matemática na educação matemática. 395f. Tese de doutorado em Educação Científica e Tecnológica – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

KLÜBER, T. E.; BURAK, D. Sobre os objetivos, objetos e problemas da pesquisa brasileira em modelagem matemática na educação matemática. Práxis Educativa, v. 7, n. 2, p. 467-488, dez. 2012. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/4170/3218. Acesso em: 3 maio 2020.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos; pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2016.

ROMANOWSKI, J. P. As licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações dos anos 90. 147f. Tese de doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

SANTOS, A. T. C. dos. O estado da arte das pesquisas brasileiras sobre geometria analítica no período de 1991 a 2014. 276f. Tese de doutorado em Educação Matemática – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

SANTOS, R. M. dos. Estado da arte e história da pesquisa em educação estatística em programas brasileiros de pós-graduação. 347f. Tese de doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVEIRA, E. A modelagem em educação matemática na perspectiva CTS. 202f. Tese de doutorado em Educação Científica e Tecnológica – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SILVEIRA, E.; CALDEIRA, A. D. Modelagem na sala de aula: resistências e obstáculos. Bolema, v. 26, n. 43, p. 1021-1047, ago. 2012. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/6897/4980. Acesso em: 3 maio 2020.

SOARES, M. R. Um estado da arte das pesquisas acadêmicas sobre modelagem em educação matemática (de 1979 a 2015) nas áreas de educação e de ensino da Capes: as dimensões fundamentadas e as direções históricas. 600f. Tese de doutorado em Educação Matemática – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

SOARES, M. R.; IGLIORI, S. B. C. A modelagem matemática na formação dos futuros professores de matemática. In: DERMEVAL, C.; ALENCAR, E. de (Org.). Educação matemática: reflexões para aprendizagem. São Paulo: Dialógica, 2016. p. 67-95.

SOARES, M. R.; SANTOS JUNIOR, G. dos. A modelagem matemática como estratégia de ensino e aprendizagem: contribuições das atividades sobre energia elétrica. Revista Práxis, Cuiabá, v. 8, n. 16, p. 39-57, 2016. Disponível em: http://web.unifoa.edu.br/praxis/ojs/index.php/praxis/article/view/207/203. Acesso em: 3 maio 2020.

TATSCH, K. J. S.; BISOGNIN, V. Modelagem matemática no ensino médio: alimentação, obesidade e desnutrição. Vidya, Santa Maria, v. 24, n. 42, p. 163-180, jul./dez. 2004. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/412. Acesso em: 3 maio 2020.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. Pós-Graduação e Pesquisa em Ensino de Biologia no Brasil: um estudo com base em dissertações e teses. Ciência & Educação, v. 17, n. 3, p. 559-578, 2011.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-05-21

Edição

Seção

Artigos