Educação estatística e transdisciplinaridade: aproximações nas práticas docentes nos anos finais do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e70693

Palavras-chave:

Educação estatística, Transdisciplinaridade, Indicadores transdisciplinares, Ensino fundamental

Resumo

Aproximações entre a Educação Estatística e os estudos transdisciplinares, existentes nas práticas docentes, nos anos finais do ensino fundamental constituíram os objetos de pesquisa, buscando-se descrevê-los e analisá-los. Assim, a questão de estudo foi: como os elementos indicadores transdisciplinares e as concepções da Educação Estatística se articulam nas práticas docentes nos anos finais do ensino fundamental? Percebeu-se que assuntos ligados a elementos transdisciplinares nas práticas docentes tendem a ser secundarizados, assim como há omissão dos indicadores provenientes da transdisciplinaridade produzidos nessas condições. A análise dos dados foi baseada nos pressupostos e procedimentos da Análise Textual Discursiva, e caracteriza uma abordagem qualitativa, analítica e compreensiva. A partir, das respostas da entrevista episódica de duas docentes, nota-se que existem vínculos entre as atitudes de transdisciplinaridade e as práticas docentes que perpassam a dimensão profissional e alcançam atitudes transdisciplinares que pode ocorrer por meio dos indicadores nomeados como respeito pelo outro e cooperação.

Biografia do Autor

Alessandra de Abreu Corrêa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Licenciada em Matemática pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Especialização em Estatística Aplicada pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Mestrado em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Doutora em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Atuou na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI, campus Erechim, no departamento de Ciências Exatas e da Terra de 2012 a 2015. Atua, desde o ano 2000, como professora da Rede Pública Estadual do Rio Grande do Sul e na Rede Municipal de Gramado, desde 2017. Tem experiência na docência e na pesquisa em Educação Matemática, com ênfase nos seguintes campos: estatística, matemática, educação estatística, educação em ciências, Ensino Médio e docência na Educação Básica.

 

João Bernardes da Rocha Filho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Especialista em Psicologia Analítica Junguiana (Unyleya/RJ, 2020). Licenciado em Matemática (Claretiano Centro Universitário/SP, 2018). Bacharel em Filosofia (Universidade do Sul de Santa Catarina/SC, 2015). Pós-Doutor em Enseñanza de las Ciencias (Facultad de Educación/Pontificia Universidad Católica de Chile, 2012). Especialista em Psicossomática (Faculdade de Ciências da Saúde/SP, 2002). Doutor em Engenharia, Metrologia e Instrumentação (Laboratório de Metrologia e Automatização - Labmetro/UFSC, 1999). Mestre em Educação (Faculdade de Educação/Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1994). Especialista em Metodologia do Ensino Superior (Faculdade de Educação/Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1991). Licenciado em Física (Faculdade de Física/Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1989). Técnico em Análises Clínicas (Colégio La Salle Santo Antônio/RS, 1978). Técnico em Eletrônica (Instituto Monitor/SP, 1974). Atua como professor titular em dedicação exclusiva da Escola Politécnica da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGEducem) da mesma instituição. Atuou como metrologista em Eletricidade e Tempo e Frequência nos Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica (Labelo) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, como professor concursado da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul (Seduc/RS) e em escolas privadas de Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos, tendo lecionado em cursos de pós-graduação da Sociedade Brasileira de Psicooncologia (SBPO) e da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP).

Referências

AIKEN, L. R. Attitudes measurement research. In: PAYNE, D. A. Recent developments in affective measurement. San Francisco: Jossey-Bass, 1980. p. 1-24.

BATANERO, C. Didáctica de la Estadística. Grupo de Investigación en Educación Estadística, Universidad de Granada, Espanha, 2001.

BATANERO, C; DÍAZ, C; CONTRERAS, J. M.; ARTEAGA, P.. Enseñanza de la Estadística a través de Proyectos. In: BATANERO, C.; DÍAZ, C. (Orgs). Estadística con Proyectos. Departamento de Didáctica de la Matemática. Granada, Espanha, 2011. p. 9-46

BEGG, A. Some emerging influences underpining assessment in statistics. In: GAL, I.; GARFIELD, J. (Orgs.). The assessment challenge in statistics education. Amsterdam: IOS Press, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BRASIL. PCN Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2002.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

BRITO, M. R. F. Adaptação e validação de uma escala de atitudes em relação à matemática. Zetetiké, v. 6, n. 9, p. 109 - 162, 1998.

BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. Statistical literacy, reasoning, and thinking: goals, definitions, and challenges. In: BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Orgs.). The challenge of developing statistical literacy, reasoning, and thinking. The Netherlands: Kluwer/Springer, 2004. p. 3-15.

CAMPOS, C. R. A Educação Estatística: uma investigação acerca dos aspectos relevantes à didática da estatística em cursos de graduação. Tese de doutorado em Educação Matemática, UNESP, Rio Claro, 2007.

CAMPOS, C. R.; WODEWOTZKI, M. L. L.; JACOBINI, O. R. Educação Estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem estatística. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CAZORLA, I. M. A relação entre a habilidade viso-pictórica e o domínio de conceitos estatísticos na leitura de gráficos. Tese de doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

CAZORLA, I. M.; UTSUMI, M. C. Reflexões sobre o ensino de Estatística na Educação Básica. In: CAZORLA, I.; SANTANA, E. (Orgs.). Do tratamento da informação ao letramento Estatística. Itabuna: Via Litterarum, 2010. p. 9-18

D’AMBROSIO, U. A transdisciplinaridade como acesso a uma história holística. In: WEIL, P.; D’ AMBROSIO, U.; CREMA, R. (Orgs.). Rumo à nova transdisciplinaridade: sistemas abertos de conhecimento. São Paulo: Summus, 1993. p. 26-39.

D’AMBROSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Atena, 1997.

DELMAS, R. C. Statistical literacy, reasoning and thinking: a commentary. Journal of Statistics Education, v. 10, n. 3, p. 3-4, 2002.

FRANTZ, W. Educação e cooperação: práticas que se relacionam. Revista Sociologias, ano 3, n. 6, p. 242-264, 2001.

FREITAS, L.; MORIN, E.; NICOLESCU, B. Carta da Transdisciplinaridade. In: Educação e Transdisciplinaridade. CETRANS – Centro de Educação para a Transdisciplinaridade, 1994. p.167-171

GAL, I. Adult’s Statistical Literacy: Meanings, Components, Responsibilities – Internacional Statistical Review, n. 70, p. 1-33, 2002.

GARFIELD, J.; GAL, I. Assessment and statistics education: current challenges and directions. International Statistical Review, v. 67, n. 1, p. 1-12, 1999.

GARFIELD, J.; BEN-ZVI, D. Developing students’ statistical reasoning: connecting research and teaching practice. Springer, 2008.

HOERL, R. W. Introductory statistical education: Radical rede sign is needed or is it? In: Newsletter for the section on statiscal education of the American Statistical Association, 1997.

HOLMES, P. Teaching Statistics. Slough: Foulsham Educational. 1980.

IOZZI, L. A.; CHEU, J. Preparing for tomorrows world: Curriculum model for the secondary schools. In: FIRST ANNUAL CONFERENCE OF THE EDUCATION SECTION OF THE WORLD FUTURE SOCIETY. 1978, Texas. Anais . Texas, 1978.

JANTSCH, E. Inter and transdisciplinary university: A systems approach to education and innovation. Policy Sciences, Elsevier Publishing Company Inc., p. 403-428, 1970.

JODELET, D. A representação: noção transversal, ferramenta da transdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 162, p. 1258-1271, 2016.

LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Leitura e Escrita em Educação Estatística. In: LOPES, C. E.; NACARATO, A. Educação Matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas: Mercado e Letras, 2009, p. 61-78.

LOPES, C. E. A. Os desafios para educação estatística no currículo de matemática. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (Orgs.) Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de letras, 2010. p. 8-22

LOPES, C. E. A Educação Estocástica na Infância. Revista Eletrônica de Educação, v. 6, p. 160-174, 2012.

MACHADO, C. P. Indicadores de transdisciplinaridade: ensaio da identificação e evidências na narrativa e atuação de professores de ciências e matemática. Tese de doutorado, em Educação em Ciências e Matemática, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul /PUCRS, Porto Alegre, 2016.

MARTÍNEZ, B. A.; ESPINOSA, M. M.; SÁNCHEZ, J. M. Aprender para enseñar: estadística para maestros. In: V CONGRESSO DE LÍNEA. CONOCIMIENTO LIBRE Y EDUCACIÓN, 2014, Universidad Internacional de La Rioja Logroño, Anais . La Rioja, 2014.

MARTINS, J.; NASCIMENTO, M.; ESTRADA, A. Attitudes of teachers toward statistics: a preliminary study with portuguese teachers. In: PYTLAK, M.; ROWLAND, T.; SWOBODA, E. (Orgs.) Proceedings of Seventh Congress of the European Society for Research in Mathematics Education. Rzeszow: University of Rzeszow and ESRM, 2011.

McLEOD, D. B. Research on affect in mathematics education: a reconceptualization. In: GROWS D. A. Handbook of research on mathematics teaching and learning. New York: Macmillan and National Council of Teachers of Mathematics. p. 575–596, 1992.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

MORIN, E. Os setes saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2001.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. Tradução: Lúcia Pereira de Souza. São Paulo: Trion, 1999.

PHILIPP, R. A. Mathematics teachers’ beliefs and affects. In: LESTER, F. Second handbook of research on mathematics teaching and learning Charlotte: Information Age Publishing y National Council of Teachers of Mathematics, 2007. p. 257-315.

PORTILHO, M. S. B.; CREMA, R. Ser integral: as tessituras do bordado em espiritualidade e educação. Rev. INTERESPE, n. 9, p. 24-40, 2017.

SOMMERMANN, A. Inter ou transdisciplinaridade. São Paulo: Paulus, 2006.

TRONCA, D. S. Transdisciplinaridade em Edgar Morin. Caxias do Sul: Educs, 2006.

UNESCO. Os desafios do ensino de matemática na educação básica. Brasília: UNESCO. São Carlos: EdUFSCar, 2016.

VARELLA, A. M. R. S. Ser e fazer, um passeio pela imaginação um processo da interdisciplinaridade à transdisciplinaridade. Centro de Educação Transdisciplinar – CETRANS.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: ARTMED, 2002.

WEIL, P.; D’AMBROSIO, U.; CREMA, R. Rumo à nova transdisciplinaridade: sistemas abertos de conhecimento. São Paulo: Summus, 1993.

WODEWOTZKI, M. L. L. JACOBINI, O. R. O Ensino de Estatística no contexto da Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004. p. 232-249.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-05-21

Edição

Seção

Artigos