Fortalecimento de crenças de autoeficácia de estudantes com atividades didáticas de tratamento de erros na disciplina de física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e72883

Palavras-chave:

Crenças de autoeficácia, Tratamento de erros, Aprendizagem de física, Oportunidades de fortalecimento, Resolução de problemas.

Resumo

A pesquisa teve como objetivo analisar as contribuições de uma estratégia de tratamento de erros para o fortalecimento das crenças de autoeficácia de estudantes. Ela foi implementada no horário reservado para encontros de recuperação de estudos das turmas primeiro ano do Ensino Médio do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina. Utilizamos como instrumentos de coleta de dados gravação de áudio e vídeo dos encontros, além de entrevistas realizadas ao final das implementações. A análise dos encontros apontou que a estratégia promoveu diversas oportunidades de experiências de domínio, de experiências vicárias, de persuasão social e estados fisiológicos e emocionais, que influenciaram as crenças de autoeficácia dos estudantes na resolução de problemas de Física. Por intermédio das entrevistas, nas quais os estudantes foram confrontados com suas produções e refletiram sobre as ações individuais e do grupo ao qual pertenciam, exploramos evidências que as oportunidades são avaliadas e impactam na autoeficácia.

Biografia do Autor

Cristiane Fernanda Vicentim, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Licenciatura em Física (2012) pela Universidade Estadual de Maringá, especialização em Educação Especial (2013) pela Faculdade de Tecnologia América do Sul, especialização em Metodologia do Ensino da Física (2015) pela Faculdade Eficaz e Mestrado em Educação Científica e Tecnológica (2019) pela Universidade Federal de Santa Catarina, bolsista FAPESC. Atuou como professora de Física no ensino médio (2012 – 2017) na rede Estadual de Ensino no Paraná e Santa Catarina.

José Francisco Custódio, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Licenciatura em Física (1999), Mestrado em Educação (2002) e Doutorado em Educação Cientifica e Tecnológica (2007) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Possui graduação em Teologia pela UNIGRAN (2019). Atualmente é professor Associado II da Universidade Federal de Santa Catarina. Foi professor da Universidade do Estado de Santa Catariana (2005-2010). Foi Sub-Coordenador (2014-2016) e Coordenador (2016-2018) do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. É coeditor da Revista Alexandria e Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Física do Departamento de Física.

 

Referências

AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J. Auto-eficácia proposta por Albert Bandura: algumas considerações. In: AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. (Org.). Auto-eficácia em Diferentes Contextos. Campinas, SP: Alínea, 2006. p. 9-23.

AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J.; BZUNECK, J. A. Considerações sobre a auto-eficácia docente. In: AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. (Org.). Auto-eficácia em Diferentes Contextos. Campinas, SP: Alínea, 2006. p. 149-159.

BANDURA, A. Self-efficacy: The exercise of control. New York: W. H. Freeman and Company, 1997.

BANDURA, A. Self-efficacy. In:RAMACHAUDRAN, V. S. (Ed.).Encyclopedia of human behavior. New York, Academic Press, 1994. p. 71-81.

BANDURA, A. An Agentic Perspective on Positive Psychology. In: LOPEZ, S.J. Positive Psychology: Expecting the Best in People. New York: Praeger, 2008.

BANDURA, A. Teoria social cognitiva no contexto cultural. In: BANDURA, A.; AZZI, R. G. (Org.). Teoria social cognitiva. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2017a. p. 45-82.

BANDURA, A. A crescente primazia da agência humana na adaptação e mudança na era eletrônica. In: BANDURA, A.; AZZI, R. G. (Org.). Teoria social cognitiva. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2017b. p. 83-128.

BRAND, B. R.; WILKINS, J. L. M. Using Self-Efficacy as a Construct for Evaluating Science and Mathematics Methods Courses. Journal Of Science Teacher Education,v. 18, n. 2, p.297-317, 2007.Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1007/s10972-007-9038-7?scroll=top&needAccess=true. Acesso em 01 de fev. 2020.

BZUNECK, J.A. As crenças da autoeficácia e o seu papel na motivação do aluno. In: BUROCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. (Org.). A Motivação do Aluno. Petrópolis: Vozes, 2009.p. 116-133.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003. Disponível em:http://www.grupodec.net.br/wp-content/uploads/2015/10/Pesquisa_Qualitativa_em_Ciencias_Sociais_e_Humanas_-_Evolucoes_e_Desafios_1_.pdf. Acesso em 01 de fev. 2020.

COSTA, E.R.da.; BORUCHOVITCH, E. A auto-eficácia e a Motivação para Aprender: considerações para o desempenho escolar dos alunos. In: AZZI, R.G.; POLYDORO, S.A.J. (Org.). Auto-eficácia em Diferentes Contextos. Campinas: Alínea, 2006. p. 87-109.

CUSTÓDIO, J. F.; PINHO-ALVES, J.; RICHETTI, G. P. FERREIRA, G. K.. Práticas didáticas construtivistas: critérios de análise e caracterização. Tecné, Episteme y Didaxis, v. 1, n. 33, p.11-35, 2013. Acesso em 18 mai., 2019. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/ted/n33/n33a01.pdf

ESPINOSA, T. ; ARAUJO, I. S. ; VEIT, E. A. A influência de métodos ativos de ensino na autoeficácia discente sobre aprender Física e trabalhar colaborativamente: um estudo de caso explanatório com o método Team-Based Learning. Amazônia, v. 16, p. 05-22, 2020.

LUCKESI, C. C. Prática Escolar: do erro como fonte de castigo ao erro como fonte de virtude. In: LUCKESI, C. C. (Org.). Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez Editora, 1995. p. 48-59.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p.117-128, 2006.Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n1/08.pdf. Acesso em 01 de fev. 2020.

OLIVEIRA, T.E.de. Aprendizagem de Física, Trabalho colaborativo e crenças de autoeficácia: um estudo de caso com o método Team-Based Learning em uma disciplina intodutória de eletromagnetismo. Tese de doutorado em Ensino de Física- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

PERON, L. D. C. Um processo de pesquisa em colaboração e a formação continuada de professora de matemática a respeito dos erros de seus alunos. Dissertação de mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática– Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

PINTO, N. B. O erro como estratégia didática no ensino da matemática elementar. Tese de doutorado em educação- Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

SÁNCHEZ, J. J. B.; BRAVO, J. A. F. El análisis de errores em la resolución de ecuaciones diferenciales ordinarias. Una metodología para desarrollar la competencia matemática. Enseñanza de Las Ciencias, v. 32, n. 3, p.173-186, 2014. Disponível em: https://ddd.uab.cat/pub/edlc/edlc_a2014v32n3/edlc_a2014v32n3p173.pdf. Acesso em 01 de fev. 2020.

SAWTELLE, V. et al. Identifying events that impact self-efficacy in physics learning. Physical Review Special Topics - Physics Education Research,v. 8, n. 2, p.1-18, 2012.Disponível em: https://journals.aps.org/prper/pdf/10.1103/PhysRevSTPER.8.020111. Acesso em 01 de fev. 2020.

SELAU, F. F. Atividades experimentais e crenças de autoeficácia:um estudo de caso com o método episódios de modelagem. Dissertação de mestradoAcadêmico em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

SILVA, A. G. O. Aprendizagem consciente: o relatório de reflexão dos erros (RRE) como alternativa pedagógica. Tese de doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

SILVA, M.C.N.; BURIASCO, R.L.C.de. Análise da produção escrita em matemática: algumas considerações. Ciência e Educação, v. 11, p.499-512, 2005.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n3/11.pdf. Acesso em 01 de fev. 2020.

SOUZA, L.F.N.I.de. Crenças de Auto-eficácia Matemática. In: AZZI, R. G.; POLYDORO, S.A. J. (Org.). Auto-eficácia em Diferentes Contextos. Campinas: Alínea, 2006. p. 111-126.

VICENTIM, C. F.; CUSTÓDIO, J. F. Contribuições de uma estratégia de tratamento de erros para a aprendizagem de estudantes de física do ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências. v. 15, n. 01. p. 376-394, 2020. Disponível em: https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID698/v15_n1_a2020.pdf. Acesso em 17 de nov. 2020.

VIEIRA, D.; COIMBRA, J.l. A auto-eficácia na Transição para o Trabalho. In: AZZI, Roberta Gurgel; POLYDORO, Soely Aparecida Jorge (Org.). Auto-eficácia em Diferentes Contextos. Campinas: Alínea, 2006. p. 25-58.

ZAMORA, Á; ARDURA, D. ¿Enqué medida utilizan los estudiantes de Física de Bachillerato sus propios errores para aprender? Una experiencia de autorregulación el aula de secundaria. Enseñanza de LasCiencias, v. 32, n. 2, p.253-268, 3 jun. 2014. Disponível em: https://ensciencias.uab.es/article/view/v32-n2-ardura-zamora/1067-pdf-es. Acesso em 01 de fev. 2020.

ZELDIN, A.; PAJARES, F. Against the odds: Self-efficacy of women in mathematical, scientific, and technological careers. American Educational Research Journal, 37(1), 215- 246, 2000.

ZHU, Z. Learning content, physicsself-efficacy, and female students‟ physicscourse taking. International Educational Journal, 8(2), 204-212, 2007.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-05-21

Edição

Seção

Artigos