Recursos semióticos em atividades de modelagem matemática e o contexto on-line

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e77227

Palavras-chave:

Modelagem matemática, Recursos semióticos, Contexto on-line

Resumo

Neste artigo apresenta-se uma investigação relativa aos recursos semióticos ativados em atividades de modelagem matemática e seu papel no desenvolvimento dessas atividades quando esse se dá em um contexto online. O quadro teórico a partir do qual a análise foi realizada inclui a Modelagem Matemática na Educação Matemática e Semiótica como ciência dos signos. Uma pesquisa empírica em que alunos de uma disciplina de um programa de pós-graduação na área de Educação Matemática desenvolveram atividades de modelagem subsidia as análises com características de uma pesquisa qualitativa e alinhadas com um estudo de caso. Os resultados indicam que, no caso da atividade desenvolvida totalmente em contexto não presencial, emerge um sistema semiótico ainda pouco explorado na sua integralidade: o sistema tecnológico. Os recursos ativados neste sistema são combinados e inter-relacionados e têm o potencial semiótico de permitir que os alunos visualizem, testem e examinem suas abordagens acerca da situação-problema explorada pela atividade de modelagem matemática.

Biografia do Autor

Lourdes Maria Werle de Almeida, Universidade Estadual de Londrina

É professora da Universidade Estadual de Londrina desde 1985. Atua no curso de graduação em Matemática e é docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, programa no qual já ocupou a função de coordenadora e de vice-coordenadora. É bolsista de produtividade do CNPq e tem experiência na área de Matemática com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: modelagem matemática, semiótica na Educação Matemática e formação de professores de matemática. É líder do GRUPEMAT- Grupo de Pesquisas sobre Modelagem e Educação Matemática cadastrado no CNPq. Orientou várias dissertações de mestrado e teses de doutorado.

Élida Maiara Velozo de Castro, Universidade Estadual de Londrina

 Possui graduação em Matemática pela Faculdade Guairacá (2011) e Mestrado pelo Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática pela UNICENTRO (2017). Atualmente é doutoranda pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), no Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciência e Matemática. Tem experiência na área da Educação, atuando principalmente com os seguintes temas: Modelagem Matemática, ensino e aprendizagem de matemática e metacognição.

Maria Helena S. da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Aluna do 4° ano de Graduação em Licenciatura em Matemática, na Universidade Estadual de Londrina. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – CNPq desde agosto de 2019. Atualmente participa do GRUPEMMAT (Grupo de Pesquisa em Modelagem Matemática na Educação Matemática).

Referências

ALMEIDA, L. M. W.; BRITO, D. S. Atividades de Modelagem Matemática: que sentido os alunos podem lhe atribuir? Ciência & Educação. v. 11, n. 3, p. 1-16, 2005.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. A. P. Semiótica e as ações cognitivas dos alunos em atividades de modelagem matemática: um olhar sobre os modos de inferência. Ciência & Educação v. 18, n. 3, p. 623-642, 2012.

ALMEIDA, L. M. W.; SILVA, K. A. P.; VERTUAN, R. E. Modelagem Matemática na Educação Básica. 1. Ed. São Paulo: Editora Contexto, 2012.

ALMEIDA, M. E. B. de. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 2, p. 327-340, 2003.

ARZARELLO, F. Semiosis as a multimodal process. Relime (Revista Latinoamericana de Investigaciónen Matemática Educativa) .Número Especial, p. 267-299, 2006.

BASSANEZI, R.C. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto, 2002.

BIRTA, L. G., ARBEZ, G. Modelling and simulation – Exploring dynamic system behaviour. London: Springer, 2007.

BLUM, W. Quality Teaching of Mathematical Modelling: What Do We Know, What Can We Do? In: CHO, S. (eds) The Proceedings of the 12th International Congress on Mathematical Education.Springer, Cham, fev. 2015. p. 73-96.

BORROMEO FERRI, R. Learning how to teach mathematical modeling in school and teacher education.Springer, 2018.

CASTRO, E. M. V. Procedimentos dos alunos associados às suas ações cognitivas em atividades de modelagem matemática. Dissertação – Universidade Estadual do Centro-Oeste, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Guarapuava, 2017.

CARREIRA, S; BAIOA, A. M.; ALMEIDA, L. M. W. Mathematical models and meanings by school and university students in a modelling task. AIEM – Avances de InvestigaciónenEducación Matemática, v. 17, p. 67–83, 2020.

ENGELBRECHT, J., BORBA, M.C., LLINARES, S. Will 2020 be remembered as the year in which education was changed?ZDM. v.52, p. 821–824, 2020. https://doi.org/10.1007/s11858-020-01185-3.

ENGELBRECHT, J. LLINARES, S; BORBA, M. C. Transformation of the mathematics classroom with the internet. ZDM. v. 52, p.825–841, 2020a. https://doi.org/10.1007/s11858-020-01176-4.

ERNEST, P. A semiotic perspective of mathematical activity: The case of number. EducationalStudies in Mathematics, n. 61, p. 67-101, 2006.

FERRUZZI, E. ALMEIDA, L. M. W. Diálogos em modelagem matemática.Ciência & Educação, v. 21, n. 2, p. 377-394, 2015.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. – São Paulo: Atlas, 2008.

GOULART, T. C. K. Recursos semióticos em atividades de modelagem matemática. Dissertação de mestrado (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2020.

GREEFRATH, G.; HERTLEIF, C.; SILLER, H. S. Mathematical modelling with digital tools – a quantitative study on mathematising with dynamic geometry software.ZDM, v. 50, n 1-2, p. 233-244, 2018.

GUÉRIOS, E.; SAUSEN, S. Ambiente Virtual de Aprendizagem e educação presencial: uma integração possível na formação de professores.PráxisEducativa, v. 7, n. 2, p. 559-584, 2012.

HALL, J.; LINGEFJÄRD, T. Mathematical Modeling: applications with geogebra. John Wiley & Sons, 2016.

HOFFMAN, E. B. Untangling the Talk: A New Multimodal Discurse Analysis method to Investigate Syncronous Online Learning.Journal of Digital Learning in Teacher Education, v. 34, n. 3, p. 179-1995, 2018.

LESH, R.; HAREL, G. Problem solving, modeling, and local conceptual development. Mathematical Thinking and Learning, v. 5, n. 2, p. 157–189, 2003.

MAVERS, D. E. Multimodal design: the semiotic resources of children’s graphic representation. 2004. 243 f. Tese – Universidade de Londres, Londres, 2004.

MOORE, M. G. Teoria da distância transacional. Revista brasileira de aprendizagem aberta e a distância, v. 1, 2002.DOI: https://doi.org/10.17143/rbaad.v1i0.111

O’HALLORAN, K.; BEEZER, R. A.; FARMER, D. W. A new generation of mathematics textbooks research and development. ZDM, v. 50, n. 5, p. 863-879, 2018.

SANTAELLA, L. A Teoria Geral dos Signos: como as linguagens significam as coisas. 2. Reimpr. Da 1. Ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 154 p.

VAN LEEUWEN, T. Introducing Social Semiotics. London & New York: Routledge, 2005.

VERTUAN, R. E. Práticas de Monitoramento Cognitivo em Atividades de Modelagem Matemática. 2013. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

VORHÖLTER, K. Enhancing Metacognitive Group Stratégies for Modelling. ZDM. v. 51, p. 703-716, 2019.

YOKAICHIYA, D. K.; GALEMBECK, E.; BRAGA, D. B.; TORRES, B. B.Aprendizagem Colaborativa no Ensino a Distância: Análise da Distância Transacional. Anais doCongresso Internacional de Educação a Distância, V. X, 2004.

YOON, C.; MISKELL, T. Visualising cubic reasoning with semiotic resources and modeling cycles. In: SÁENZ-LUDLOW, A.; KADUNZ, G. (Eds.).Semiotics as a tool for learning mathematics:How to describe the construction, visualization, and communication of mathematical concepts. Dordrecht, The Netherlands: Sense Publishers, 2016. p. 89-109.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-11-16

Edição

Seção

Artigos