TDAH em crianças e adolescentes: estudo com professores em uma escola pública do sul do Brasil

Fernanda Martinhago, Sandra Caponi

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar as estratégias dos professores para a identificação e intervenção mediante comportamentos que indicam o diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em crianças e adolescentes de uma escola pública do sul do Brasil. Participaram da pesquisa 15 profissionais da escola, incluindo o diretor, uma coordenadora pedagógica e 13 professores. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas, grupo focal e aplicação de questionários com questões abertas. Considera-se que a escola se constitui como uma engrenagem fundamental para a existência do TDAH, pois é dali que vêm as queixas escolares, professores reclamando dos seus alunos, que são crianças inquietas, não prestam atenção nas aulas, que agem impulsivamente e consequentemente não aprendem. Estes aspectos que compõem o ambiente escolar se configuram como fonte para a consolidação do TDAH, que se constitui como um transtorno médico, uma vez que há uma medicação que modifica este comportamento. Neste sentido, não se pode desconsiderar a busca dos pais e dos professores por uma “solução” imediata dos problemas cotidianos.

Palavras-chave


Medicalização; TDAH; Saúde; Educação.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.