Reading Prediction and Textual Awareness: a study with primary education students

Danielle Baretta, Vera Wannmacher Pereira

Abstract


Based on psycholinguistic studies, this article deals with reading comprehension skills focusing prediction and the textual consciousness level imbricated in this strategy. To demonstrate this theory, a research has been carried on with 55 sixth grade-students whose ages ranged from 11 to 13, all attending the elementary educational level of a public school in the city of Porto Alegre. In order to examine the effective use of predictions, a reading task with parts of a fable was presented in paper cards, as well as questions about the story to stimulate the use of those strategies. The verbal protocol of self-revelation was adopted to verify the participants´ textual level of consciousness. The results showed that most of the students managed to deal with reading prediction, making pertinent anticipations, although 27% of them were unsuccessful. In relation to the textual consciousness in the use of this strategy, just over half of the students showed metalinguistic behavior, being capable to explain the generative bases of their predictions efficiently using both intratextual and extratextual information. Nevertheless, 47% of the pupils were not able to achieve the goal, since they responded the questions in a confusing and mistaken manner or used vague and imprecise information while showing evidences of how they had processed the question. Considering the educational context, the research results suggested that both the use of the reading prediction and its conscious awareness are relevant topics to be applied in Portuguese language classes, for they provide the teacher with information concerning the possibilities and difficulties on students´ reading process.


Keywords


Reading Comprehension; Reading Processing; Reading Prediction; Textual Awareness

References


ANÇÃ, M. H. S. (2015). Revisitando a consciência linguística: apropriação do conceito por parte de futuros professores de Português. Calidoscópio. São Leopoldo: Unisinos, v. 13, n. 1., p. 83 – 91.

BARRERA, S. D. (2003) Papel facilitador das habilidades metalinguísticas na aprendizagem da linguagem escrita. In: MALUF, M. R. (org). Metalinguagem e aquisição da escrita: contribuições de pesquisa para a prática da alfabetização. São Paulo: Casa do Psicólogo.

BROWN, A. L. (1980). Metacognitive developmente and reading. In: SPIRO, R. J.; BRUCE, B. C.; BREWER, W. F. Theoretical issues in reading comprehension. New Jersey: Hillsdale.

CASTRO, J. S. e PEREIRA, V. W. (2004). Leitor e texto: a preditibilidade faz a interação. Calidoscópio. São Leopoldo: Unisinos, v. 2, n. 1. p. 55 – 60.

CHAROLLES, M. (1998). Introdução aos problemas de coerência dos textos: abordagem teórica e estudo das práticas pedagógicas. In: GALVES, C; ORLANDI, E. P e OTONI, P. (Orgs.) O texto: leitura e escrita. Campinas: Pontes, p. 39 – 85.

COLL, C. (1987). Psicología y curriculum. Una aproximación psicopedagógica de la elaboración del curriculum escolar. Barcelona: Laira.

COLOMER, T. e CAMPS, A. (2002). Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FERNANDES, M. T. (2001). Trabalhando com gêneros do discurso: fábula. São Paulo: FTD.

FLORES, O. C. (1998). Ação-reflexão linguística e consciência. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 33, n. 4, p. 109-140.

FOUCAMBERT, J. (2008). Modos de ser leitor: aprendizagem e ensino da leitura no Ensino Fundamental. Curitiba: Editora da UFPR.

FULGÊNCIO, L. e LIBERATO, Y. (2004). Como facilitar a leitura. São Paulo: Contexto.

GIASSON, J. (2000). A compreensão na leitura. Lisboa: ASA.

GOMBERT, J. E. (1992). Metalinguistic development. Chicago: The University of Chicago Press.

GOODMAN, K. S. (1976). Reading, a psycholinguist guessing game. In: SINGER, H.; RUDDELL, R. Theoretical models and processes of reading. Newark: International Reading Association, p. 497 – 508.

GOODMAN, K. S. (1991). Unidade na leitura: um modelo psicolinguístico transacional. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 26, n. 4, p. 9 – 43.

KATO, M. A. (2007). O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes.

KINTSCH, W. (1998). Comprehension: a paradigm for cognition. Cambridge: Cambridge University Press.

KLEIMAN, A. (2013). Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes.

KOCH, I. V. e ELIAS, V. M. (2011). Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto.

LEFFA, V. J. (1996). Aspectos da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: Sagra-Luzzato.

LORANDI, A.. MENEZES, J. T.; SILVA, I. L; SILVA, L. B.; MARQUES, D. M. (2012). Consciência linguística: diferentes olhares. Letrônica. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 5, n. 3, p. 21 – 44.

MALUF, M. R. E GOMBERT, J. E. (2008). Habilidades implícitas e controle cognitivo na aprendizagem da linguagem escrita. In: MALUF, M. R. e GUIMARÃES, S. R. K. (Eds.). Desenvolvimento da linguagem oral e escrita. Curitiba: Editora da UFPR, p. 123 – 135.

MARCUSCHI, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

PEDROSA, R. C. (1984). Desenvolvimento da leitura em alunos da 2ª, 3ª e 4ª séries de Escola Rural. Dissertação de Mestrado. São Paulo: PUCSP.

PEREIRA, V. W. (2002). Arrisque-se... Faça o seu jogo. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 37, n. 128, p. 47-64.

PEREIRA, V. W. (2003). Preditibilidade nas séries iniciais: materiais e procedimentos de leitura. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 39, n. 3, p. 151-164.

PEREIRA, V. W. (2009). Predição leitora: procedimentos e desempenhos em ambiente virtual e em ambiente não virtual. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 44, n. 3, p. 22 – 27.

PEREIRA, V. W. (2011). Predição, compreensão e situação de compreensão. Desenredo. Passo Fundo: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UPF, v. 7, n. 1, p. 91-103.

PEREIRA, V. W. (2012). A predição na teia de estratégias de compreensão leitora. Confluência. Rio de Janeiro: Instituto de Língua Portuguesa. v. 1, p. 81-91.

PEREIRA, V. W. (2013). Compreensão da leitura e consciência textual nos anos iniciais. In: Revista Signo. Santa Cruz do Sul: UNISC, v. 38. Especial, p. 29-43.

PEREIRA, V. W. e SANTOS, T. V. dos. (2017). Consciência linguística no uso de estratégias de leitura na escola em tecnologia virtual e tecnologia não virtual. Belo Horizonte, v. 10, n. 1, p. 66-82.

PINHEIRO, L. R. e GUIMARÃES, S. R. K. (2013). O processo de ensino-aprendizagem da leitura e o uso de estratégias metacognitivas na compreensão de textos. In: MOTA, M. P. da e SPINILLO, A. G. (Orgs.). Compreensão de textos. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 151-170.

POERSCH, J. M. (1991). Por um nível metaplícito na construção do sentido textual. Letras de Hoje. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 26, n. 4, p. 127-143.

POERSCH, J. M. (1998). Uma questão terminológica: consciência, metalinguagem, metacognição. Letras de Hoje. v. 33, n. 4, p.7 – 12.

PRADO, L. L. do e PEREIRA, V. W. (2014). Leitura de textos literários e não literários no ensino de Língua Portuguesa, com mediação do computador, nos anos finais do Ensino Fundamental. Língu@ Nostr@, Canoas, v. 2, n. 1, p. 4-16.

ROYSTON, P. (1992). Approximatong the Shapiro-Wilk W-test for non-normality. Statistics and Computing. v. 2, n. 3, p. 117–119.

SCLIAR-CABRAL, L. (2008). Processamento bottom-up na leitura. Revista de Estudos Linguísticos Veredas: Psicolinguística. Juiz de Fora: UFJF, v. 12, n. 2, p. 24-33.

SIEGEL, S. (1988). Non-parametric statistics for the behavioral sciences. Nova Iorque: McGraw-Hill.

SMITH, F. (2003). Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre: Artes Médicas.

SOLÉ, I. (1998). Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed.

SOUSA, L. B. de e HÜBNER, L. C. (2015). Desafios na avaliação da compreensão leitora: demanda cognitiva e leiturabilidade textual. Revista NeuropsicologiaLatinoamericana. v. 7, n. 1, p. 34 – 46.

SPINILLO, A. G. e SIMÕES, P. U. (2003). O desenvolvimento da consciência metatextual em crianças: questões conceituais, metodológicas e resultados de pesquisas. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 16, n. 3, p. 537 – 548.

SPINILLO, A. G. (2009). A consciência metatextual. In: MOTA, M. da (Org.). Desenvolvimento metalinguístico: questões contemporâneas. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 77 – 113.

SPINILLO, A. G. (2013). A dimensão social, linguística e cognitiva da compreensão de textos: considerações teóricas e aplicadas. In: MOTA, M. P. da e SPINILLO, A. G. (Orgs.). Compreensão de textos. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 171-198.

SPINILLO, A. G. e ALMEIDA, D. D. (2014). Compreendendo textos narrativo e argumentativo: há diferenças? Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro. v. 66, n. 33, p. 115-132.

SPINILLO, A. G. e MAHON, E. da R. (2015). “O que você acha que vai acontecer agora? Um estudo sobre inferências de predição na compreensão de textos. In: NASCHOLD, A.; PEREIRA, A.; GUARESI, R. e PEREIRA, V. W. (Orgs.). Aprendizado da leitura e da escrita: a ciência em interfaces. Natal: EDUFRN, p. 163 – 188.

SPINILLO, A. G.; MOTA, M. M. P. e CORREA, J. (2010). Consciência metalinguística e compreensão de leitura: diferentes facetas de uma relação complexa. Educar em revista. V. 38, p. 157 - 171.

STANKE, R. C. S. F. (2007). O papel do conhecimento de mundo na aula de língua estrangeira. Caderno de Letras. Rio de Janeiro: UFRJ, n. 23, p. 131 – 151.

TOMITCH, L. M. B. (2007). Desvelando o processo de compreensão leitora: protocolos verbais na pesquisa em leitura. Revista Signo. Santa Cruz do Sul: UNISC, v. 32. n. 53, p. 42 – 53.

TUNMER, W. PRATT, C. e HERRIMAN, M. (1984). Metalinguistic awareness in children: theory, research and implications. Nova York: Springer-Verlag.

VIEIRA, N. M. C. (2014). As dificuldades de aprendizagem na leitura de textos literários no Ensino Médio. 66ª Reunião Anual da SBPC, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8026.2019v72n3p139

Copyright (c) 2019 Danielle Baretta, Vera Wannmacher Pereira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.