O que se ensina nos estudos de género em Portugal: uma análise bibliométrica dos planos curriculares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e87522

Palavras-chave:

Estudos de Gênero, Conteúdos programáticos, Ensino Superior, Bibliometria

Resumo

Objetivo: Mapear e identificar padrões de referenciação bibliográfica nos programas das unidades curriculares dos cursos de Mestrado e Doutoramento em Estudos sobre as Mulheres, de Gênero e Feministas (EMGF) oferecidos por Universidades Públicas Portuguesas

Método: Análise bibliométrica das 448 referências indicadas nas 84 unidades curriculares que compõem os três cursos de doutoramento e quatro de mestrado, em EMGF, em funcionamento no ano letivo de 2021-22.  

Resultado: As referências mais comumente mobilizadas nos cursos analisados são livros publicados a partir da década de 1990, com preponderância da autoria individual. A produção bibliográfica nacional é prevalecente, embora se verifique um peso significativo de referências publicadas em outros países da Europa e América do Norte, sobretudo em países e por autores/as anglófonos/as. O perfil de referências é diverso, em termos de procedência disciplinar das autorias, embora essencialmente circunscrita às Ciências Sociais e Humanas. Similarmente, são diversificadas as temáticas abordadas, com particular destaque atribuído à problemática das Identidades e das Sexualidades, na qual o diálogo com as áreas das Ciências Naturais se faz mais presente.

Conclusões: O estudo permite delinear um perfil de oferta formativa em EMGF atualmente disponível em Portugal, eminentemente teórico, marcadamente pós-estruturalista, interdisciplinar, com notável abertura aos debates conduzidos em outros países, mas com parca representação de obras e autores/as dos países do Sul Global, refletindo o anglo-eurocentrismo das bibliografias atualmente recomendadas.

Biografia do Autor

Caynnã Santos, Universidade de Coimbra

Caynnã Santos é Doutor em Sociologia pela Universidade de Coimbra, Mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo, no Programa de Estudos Culturais, e licenciado pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Investigador no Centro de Estudos Sociais, integrando o projeto "ENGENDER: Integração dos Estudos de Género nos curricula e práticas pedagógicas no ensino público universitário em Portugal". Atuou como Tutor em curso de Pós-graduação em Gênero e Diversidade na Escola oferecido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Também realizou Estágio Supervisionado em Docência na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP). Tem desenvolvido sua investigação e publicado nas áreas de Estudos sobre as Mulheres, de Gênero e Feministas, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia das relações de gênero, teorias feministas pós-estruturalistas, teorias queer, corpo, novos materialismos feministas e realismo agencial.

Mónica Lopes, Universidade de Coimbra

Mónica Lopes é investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES). Doutorada em Sociologia, na área da Avaliação, pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, e Mestre em Políticas Sociais pela mesma instituição. Os seus interesses de investigação incluem relações sociais de sexo/género, políticas de igualdade entre mulheres e homens, avaliação (de impacto), políticas sociais e terceiro sector. No âmbito da atividade desenvolvida no CES, tem participado em diversos projetos de investigação, de investigação-ação e de avaliação sobre (igualdade de) género. Mais recentemente integrou a equipa do projeto Local Gender Equality: mainstreaming de género nas comunidades locais, financiado pela CIG através dos EEAGRANTS, no âmbito do qual foram produzidos instrumentos e ferramentas para a transversalização da igualdade de género na vida local e seus diversos atores. Atualmente é a coordenadora portuguesa no consórcio H2020 "SUPERA - Supporting the Promotion of Equality in Research and Academia" e Co-coordenadora do Projeto "ENGENDER: Integração dos Estudos de Género nos curricula e práticas pedagógicas no ensino público universitário em Portugal", financiado pela FCT.

Cristina C. Vieira, Universidade de Coimbra

Cristina C. Vieira é Licenciada em Psicologia e Doutorada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, onde é Professora Associada. Tem mais de três décadas de experiência de docência universitária, na área das metodologias de investigação científica. É membro integrado do Centro de Investigação em Educação de Adultos e Intervenção Comunitária (CEAD) da Universidade do Algarve. Integra a Direção da Sociedade Europeia para a Investigação em Educação de Adultos (ESREA), da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (SPCE) e da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres (APEM). Faz parte do Conselho Nacional de Educação como representante das organizações não-governamentais de mulheres (ONGM). Participa com regularidade com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) em painéis de avaliação de projetos e de candidaturas a bolsas de investigação, na área de Ciências da Educação.

 

Virgínia Ferreira, Universidade de Coimbra

Doutorada em Sociologia pela Universidade de Coimbra; Professora Associada da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC); Investigadora Permanente do CES. Tem estudado o modo como as relações sociais de sexo se expressam em vários fenómenos e processos e estruturas sociais, tendo em conta, nomeadamente: as mudanças económicas e políticas; a regulação do mercado de trabalho; as transformações tecnológicas; os regimes de bem-estar e outras instituições sociais; e as atitudes e práticas das mulheres e dos homens no trabalho, no emprego e na esfera doméstica. Recorrendo, sobretudo, a métodos de pesquisa qualitativa, mas também quantitativa, tem dado especial atenção à feminização das profissões, às transformações nos padrões de segregação sexual do emprego, em geral, e à evolução das políticas públicas de promoção da igualdade de mulheres e homens. Membro do Conselho Editorial de algumas revistas nacionais e internacionais, é membro fundadora da Associação Portuguesa de Estudos Sobre as Mulheres. Desde 2004 que é membro da European Commission Expert Group on Gender and Employment. A sua obra publicada inclui artigos e ensaios em revistas e em coletâneas nacionais e internacionais.

Referências

ABRAMO, Giovanni; D’ANGELO, Ciriaco Andrea; CAPRASECCA, Alessandro. Gender differences in research productivity: A bibliometric analysis of the Italian academic system. Scientometrics, v. 79, n. 3, p. 517-539, 2009.

BARROSO, Margarida; NICO, Magda; RODRIGUES, Elisabete. Gênero e sociologia: uma análise das desigualdades e dos estudos de gênero em Portugal. Sociologia On Line, n. 4, p. 73-102, set. 2011.

BRAMBILLA, Sônia Domingues Santos; STUMPF, Ida Regina Chittó. Planos de ensino do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: estudo bibliométrico de referências. Transinformação, v. 18, n. 1, p. 37-47, 2006.

CABRITO, Belmiro Gil. O Ensino Superior em Portugal: Percursos Contraditórios. Educativa, v. 14, n. 2, p. 209–227, 2011.

CABRITO, Belmiro Gil; CERDEIRA, Luísa; NASCIMENTO, Ana; MUCHARREIRA, Pedro Ribeiro. O Ensino Superior em Portugal: Democratização e a Nova Governação Pública. Revista Educere Et Educare, v. 15, n. 37, 2020.

CAFÉ, Ligia Maria Arruda; BRÄSCHER, Marisa. Organização da informação e bibliometria. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, v. 13, n. 1, p. 54-75, 2008.

COLGAN, Jeff. Gender bias in international relations graduate education? New evidence from syllabi. PS: Political Science & Politics, v. 50, n. 2, p. 456-460, 2017.

COLLYER, Fran M. Global patterns in the publishing of academic knowledge: Global North, global South. Current Sociology, v. 66, n. 1, p. 56–73, 2018.

CRONIN, Blaise; MARTINSON, Anna; DAVENPORT, Elisabeth. Women’s studies: Bibliometric and content analysis of the formative years. Journal of Documentation, v. 53, n. 2, p. 123-138, 1997.

DINIZ, Debora; FOLTRAN, Paula. Gênero e Feminismo no Brasil: uma análise da Revista Estudos Feministas. Estudos Feministas, v. 12, p. 245-253, set-dez. 2004.

FERREIRA, Virgínia. Estudos sobre as Mulheres em Portugal – A construção de um novo campo científico. ex ӕquo, n. 5, p. 9-25, 2001.

FERREIRA, Virgínia; VIEIRA, Cristina C.; SILVEIRINHA, Maria João; CARVALHO, Elizângela; FREIRE, Priscila. «Estudos sobre as mulheres» em Portugal Pós-Declaração de Pequim – Estudo bibliométrico das revistas ex æquo e Faces de Eva. ex ӕquo, n. 42, p. 23-56, 2020.

FIGUEIREDO, Nice. Metodologias para promoção do uso da informação: técnicas aplicadas particularmente em bibliotecas universitárias e especializadas. São Paulo: Nobel, 1990.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

GARCIA-RAMON, Maria Dolors. Geografías asimétricas del poder en geografía feminista: cuestionando la hegemonía anglosajona. In: SILVA, Joseli; SILVA, Augusto C. Pinheiro da (orgs.). Espaço, gênero e poder: conectando fronteiras. Ponta Grossa: Todapalavra Editora, 2011. p. 105–199.

GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 2001.

GRÜNELL, Marianne; KAS, Erna. Modernization and emancipation from above – women´s studies in Portugal. The European Journal of Women’s Studies, v. 2, n. 4, p. 535-545, 1995.

HOPPEN, Natascha Helena Franz; VANZ, Samile Andréa de Souza. What are gender studies: characterization of scientific output self-named gender studies in a multidisciplinary and international database. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 25, p. 01-30, 2020.

LOPES, Mónica; RODRIGUES, Francisco; FONTES, Fernando; COELHO, Lina; FERREIRA, Virgínia. Preliminary gender analysis and baseline assessment of the University of Coimbra. SUPERA: Supporting the Promotion of Equality in Research and Academia, 2019.

MACEDO, Ana Gabriela; PEREIRA, Margarida Esteves. Women and Gender Studies in Portugal, an Overview from an Anglicist Perspective. In: HAAS, Renate (org.). Rewriting Academia: The Development of the Anglicist Women’s and Gender Studies of Continental Europe. Bern/Oxford: Peter Lang, 2015. p. 27-49.

MEADOWS, Arthur Jack. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MESSER-DAVIDOW, Ellen. Disciplining Feminism: From Social Activism to Academic Discourse. Durham, NC: Duke University Press, 2002.

MONK, Janice; GARCIA-RAMON, Maria Dolors. Bridges and Barriers: Some Cartographies of ‘International’ Practice in Gender Studies. Querelles: Jahrbuch für Frauen-und Geschlechterforschung, n. 16, 2013.

PASSOS, Lara de Paula. Gotas de um oceano: uma análise bibliométrica feminista de um curso de graduação. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 2, p. 130-144, 2017.

PEREIRA, Maria do Mar. A Institucionalização dos Estudos sobre as Mulheres, de Gênero e Feministas em Portugal no Século XXI: Conquistas, Desafios e Paradoxos. Faces de Eva: Estudos sobre as Mulheres, n. 30, p. 37-53, 2013.

PEREIRA, Maria do Mar. Power, Knowledge and Feminist Scholarship: An Ethnography of Academia. Oxon e Nova Iorque: Routledge, 2017.

RAMALHO, Maria Irene. Os Estudos sobre as Mulheres e o saber. Onde se conclui que o poético é feminista. ex æquo, n. 5, p. 107-122, 2001.

RAMALHO, Maria Irene. SIGMA National Report: Portugal (1995). In: WAALDIJK, Berteke; VAN DER TUIN, Else (org.). The Making of European Women’s Studies IX. Utrecht: Utrecht University, 1995/2009. p. 119-136.

REICHERT, Sybille; TAUCH, Christian (2005). Trends IV: European Universities Implementing Bologna. European University Association, 2005. Disponível em: https://www.eua.eu/downloads/publications/trends%20iv%20european%20universities%20implementing%20bologna.pdf. Acesso em 20 fev. 2022.

SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Epistemologies of the South: Justice Against Epistemicide. Boulder: Paradigm Publishers, 2014.

SILIUS, Harriet. Women’s employment, equal opportunities and Women’s Studies in nine European countries – a summary. In: GRIFFIN, Gabriele (org.). Women’s Employment, Women’s Studies, and Equal Opportunities 1945–2001. Hull: University of Hull, 2002. p. 15-64.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SPIVAK, Gayatri C. Can the subaltern speak? In: NELSON, Cary; GROSSBERG, Lawrence (org.). Marxism and the Interpretation of Culture. Londres: Macmillan, 1988. p. 271-313.

TAVARES, Maria Manuela. Feminismos em Portugal (1947-2007). 2008. Tese (Doutorado em Estudos sobre as Mulheres) – Universidade Aberta, Lisboa, 2008.

TSAY, Ming-yueh; LI, Chia-ning. Bibliometric analysis of the journal literature on women’s studies. Scientometrics, v. 113, n. 2, p. 705-734, 2017.

YUN, Bitnari; LEE, June Young; AHN, Sejung. The Intellectual Structure of Women’s Studies: A Bibliometric Study of its Research Topics and Influential Publications. Asian Women, v. 36, n. 2, p. 1-23, 2020.

ZIMMERMANN, Susan. The Institutionalization of Women and Gender Studies in Higher Education in Central and Eastern Europe and the Former Soviet Union: Asymmetric Politics and the Regional-Transnational Configuration. East Central Europe, v. 34, n. 1, p. 131-160, 2007.

Downloads

Publicado

2022-12-02

Como Citar

DE CAMARGO SANTOS, . .; DO ADRO LOPES, .; COIMBRA VIEIRA, . .; FERREIRA, . O que se ensina nos estudos de género em Portugal: uma análise bibliométrica dos planos curriculares. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 27, n. 1, 2022. DOI: 10.5007/1518-2924.2022.e87522. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/87522. Acesso em: 7 fev. 2023.