A ação mediada e jogos educativos: um estudo junto a alunos do ensino médio em uma aula de Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e72011

Palavras-chave:

Ensino de Física, Jogos educativos, Ação Mediada

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo analisar as interações verbais entre estudantes mediadas pelo jogo de tabuleiro Electron Escape e pela linguagem em uma aula de Física. Tal jogo envolve perguntas cujas respostas devem ser validadas pelos jogadores com base nos modelos científicos contidos nas cartas. Diante disso, interessa-nos saber: como os alunos conduzem a partida mediada pelo jogo e pela linguagem? Quais as potencialidades de Electron Escape, enquanto recurso, para o ensino da Física? Para tanto, realizamos uma pesquisa qualitativa e do tipo estudo de caso em uma turma da primeira série do ensino médio de uma escola da rede estadual de Vila Velha, Espírito Santo, no último trimestre de 2018. Os estudantes foram divididos em grupos e disputaram uma partida de Electron Escape. Coletamos as interações verbais por meio de registros de áudio. O processo analítico apoiou-se na perspectiva sociocultural. Os resultados mostram que o jogo estimulou o resgate de conteúdos e a utilização da linguagem científica escolar na construção das respostas, podendo contribuir para a revisão do conteúdo de Física. Os alunos modificaram o sistema de jogo de competitivo para cooperativo. Além disso, o rigor estabelecido para validação das respostas foi baixo, de modo que modelos incorretos foram aceitos. Consideramos que esses resultados trazem contribuições importantes para o repensar na forma de utilização do jogo Electron Escape e no papel do professor no uso de meios mediacionais.

Biografia do Autor

Leandro da Silva Barcellos, Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo

Graduado em Física Licenciatura pela Universidade Federal do Espírito Santo (2014), Mestre em Ensino de Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (2017) e Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo na linha de Docência, Currículo e Processos Culturais.

Jéssica Adriane de Souza Bodevan, Mestranda em Ensino de Física pela Universidade Federal do Espírito Santo

Graduada em Física Licenciatura pela Universidade Federal do Espírito Santo, Especialista em Educação e Divulgação em Ciências pelo Instituto Federal do Espírito Santo, Mestranda em Ensino de Física no PPGEnFis da Universidade Federal do Espírito Santo. Atua como professora de Física na rede pública estadual do Espírito Santo.

Geide Rosa Coelho, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduado em Física Licenciatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011). Atualmente é professor da área de ensino de Física no Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (2010), atuando no curso presencial e na modalidade a distância, e professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Física (PPGEnFis) da UFES. Desde 2014, é coordenador Adjunto do PPGEnFis-UFES. Foi professor de educação básica de nível médio – Secretaria Estadual da Educação de Minas Gerais (de 2001 até 2010). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação inicial e continuada de Professores de Ciências, Ensino por investigação e formação de professores, Práticas docentes estabelecidas no contexto escolar e não escolar, Estratégias de Ensino e aprendizagem de conceitos científicos.

Referências

ALVES, M. A. O modelo estrutural do jogo hermenêutico como fundamento filosófico da educação. Ciência & Educação, v. 17, n. 1, p. 235-248, 2011.

ANTUNES, J.; NASCIMENTO, J. B. D.; BERNARDINO, M. C. R.; QUEIROZ, Z. F.; CARVALHO SILVA, J. L. Jogos cooperativos e mediação da leitura: por que não na biblioteca pública? Perspectivas em Ciência da Informação, v. 24, p. 3-24, 2019.

BODEVAN, J. A de S; DAHER, C. T. Ensino de Física no ensino médio e educação de jovens e adultos: produção, validação e aplicação de jogos da memória sobre processos de propagação de calor. In : AMADO, M. V. (org) et al. O professor-pesquisador no ensino de ciências. Curitiba: Appris, 2020. p. 181-199.

BRANDÃO, C. R. O jogo das palavras-sementes e outros jogos para jogar com palavras. São Paulo: Cortez, 2015.

CUNHA, M. B. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola, v. 34, n. 2, p. 92-98, 2012.

DRIVER, R.; ASOKO, H.; LEACH, J.; MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. Construindo conhecimento científico em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 9, p. 31-40, 1999.

DZIOB, D. Research in Science Education, 2018. https://doi.org/10.1007/s11165-018-9714-y

GARCEZ, E. S. C. O lúdico em ensino de química: um estudo do estado da arte. 2014. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

GIORDAN, M. Computadores e linguagens nas aulas de ciências. Ijuí: Unijuí, 2008. 368 p.

LEMKE, J. L. Articulating communities: sociocultural perspectives on science education. Journal of Research in Science Teaching, v. 38 n. 3, p. 296-316, 2001.

LEONTIEV, A. N. Os Princípios Psicológicos da Brincadeira Pré-Escolar. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

LOPES JÚNIOR, A. D.; MORAES, B. M.; GONÇALVES, R. M. P. Linguagem e formação de conceitos: uma leitura a partir da escola de Vigotski. Fórum Linguístico, v. 17, n. 2, p. 4895-4908, 2020.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2013. 128 p.

LUDOVICO, M. M. Proposta de um jogo didático para a abordagem do tema Física de Partículas com alunos do Ensino Médio. 2017. Dissertação (Mestrado em Física) - Universidade Federal do Espírito Santo.

LURIA, A. R. Curso de psicologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

MARTINS, L. M. Desenvolvimento do pensamento e educação escolar: etapas de formação de conceitos à luz de Leontiev e Vigotski. Fórum Linguístico, v. 13, p. 1572-1586, 2016.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MELO, M. G. A. O Jogo Pedagógico no Ensino de Física. 1. ed. Curitiba: Editora Appris, 2015. v. 1. 91p.

MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. H. Meaning making in secondary science classrooms. Maidenhead-UK: Open University Press, 2003, 160 p.

NETO, H. S. M.; MORADILLO, E. F. O Lúdico no Ensino de Química: Considerações a partir da Psicologia Histórico-Cultural. Química Nova na Escola, v. 38, n. 4, p. 360-368, 2016.

NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

OLIVEIRA, L. A.; SÁ, E. F.; MORTIMER, E. F. Transformação da Ação Mediada a partir da Ressignificação do Uso de Objetos Mediadores em Aulas do Ensino Superior. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, n. 1, p. 251-274, 2019.

OLIVEIRA, F. I. S.; RODRIGUES, S. T. Affordances: A relação entre agente e ambiente. Ciências & Cognição, v. 9, n. 1, p. 120-130, 2006.

OLMSTEAD, M. Using Games to Understand Physics Concepts. The Physics Teacher, v. 57, n. 5, 2019. https://doi.org/10.1119/1.5098918

PEREIRA, R. F. Desbravando o Sistema Solar: um jogo educativo para o ensino e a divulgação da Astronomia. In: NEVES, M. C. D. (Org) et al. Da Terra, da Lua e Além. Maringá: Massoni, 2007, p. 167-185.

PEREIRA, R. F. Desenvolvendo jogos educativos para o ensino de Física: um material didático alternativo de apoio ao binômio ensino aprendizagem. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática) - Universidade Estadual de Maringá, Paraná, Brasil.

PEREIRA, A. P. de; LIMA JUNIOR, P. Implicações da perspectiva de Wertsch para a interpretação da teoria de Vygotsky no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 31, n. 3, p. 518-535, 2014.

PEREIRA, A. P.; OSTERMANN, F. A aproximação sociocultural à mente, de James V. Wertsch, e implicações para a educação em ciências. Ciência e Educação, v. 18, n. 1, p. 23-39, 2012.

PEREIRA, A. P.; OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. H. Um exemplo de "distribuição social da mente" em uma aula de física quântica. Ciência e Educação, v. 18, n. 2, p. 257-270, 2012.

REZENDE, F.; TRINDADE, M. Jogos de linguagem e mudança discursiva na interação compartilhada de estudantes com sistema hipermídia. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n. 1, p. 81-102, 2011.

RIBEIRO, R. K. P. Produção de significados utilizando o Jogo Planeta Química com base na Teoria da Ação Mediada. 2018. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática/ccet, Universidade Federal do Maranhão, São Luís.

ROCHA, J. S.; GOIS, J. Aproximações entre as concepções de jogos e a Teoria da Ação Mediada no Ensino de Ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, XI, 2017, Florianópolis. Anais... XI ENPEC, Florianópolis: UFSC, 2017.

SEPULVEDA, C. A. S.; REIS, V.; ALMEIDA, M. C.; CARNEIRO, M.C.L.; AMARANTE, A. L. A. P. C.; EL-HANI, C. N. Uma ferramenta sociocultural de análise da apropriação da linguagem social da ciência escolar. In: ENCONTRO DE NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, VIII, 2011, Campinas.

SILVA, K. J. F.; MACHADO, A. R.; SILVA, F. R. F.; MARTINS, M. M. M. C.; BEZERRA, M. A. A utilização de jogos didáticos no ensino de biologia: uma revisão de literatura. Educere et educare, v. 13, n. esp., p. 1-14, 2017.

SOUZA, E. J.; MELLO, L. A. O uso de jogos e simulação computacional como instrumento de aprendizagem: campeonato de aviões de papel e o ensino de Hidrodinâmica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 2, p. 530-554, 2017.

SZUNDY, P. T. C. Jogos de linguagem como gêneros no processo de ensino-aprendizagem de LE para crianças. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, n. 2, p. 275-294, 2009.

TRAZZI, P. S. S. Ação mediada em aulas de biologia: um enfoque a partir dos conceitos de fotossíntese e respiração celular. 2015. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

VARGENS, M. M. F.; NIÑO-EL-HANI, C. Análise dos efeitos do jogo Clipsitacídeos (Clipbirds) sobre a aprendizagem de estudantes do ensino médio acerca da evolução. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n. 1, p. 143-168, 2011.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994. 224 p.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em Psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 536 p.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2009.

VILAS BOAS; MACENA JUNIOR; PASSOS. RPG pedagógico como ferramenta alternativa para o ensino de Física no Ensino Médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 2, p. 372, 2017.

WERTSCH, J. V. La mente enacción. 1. ed. Buenos Aires: Aique, 1999.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora S/A, 2003, 205 p.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Ciências/Física