A constituição de normas e práticas científicas em uma aula de Física com enfoque histórico e investigativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e72683

Palavras-chave:

Ensino de Física, Abordagem Histórica e Investigativa, Normas e Práticas Científicas

Resumo

Neste trabalho apresentamos a análise de uma aula com enfoque histórico e investigativo na qual buscamos identificar normas e práticas científicas estabelecidas na sala de aula. Essa aula foi desenvolvida em uma turma da primeira série do ensino médio em uma escola de tempo integral da rede estadual do Espírito Santo e teve como foco o desenvolvimento de um debate sobre duas correntes de pensamento sobre o movimento dos corpos (pensamento aristotélico e galileano). Os dados foram produzidos por meio da gravação em áudio e vídeo da aula e anotações em diário de campo. Para análise utilizamos as categorias propostas por Nascimento e Sasseron (2019) que elencam uma série de características da cultura cientifica que podem ser incluídas em um contexto escolar. Os resultados indicam a presença de características importantes, como a argumentação, a receptividade crítica, a realização de perguntas e a construção de explicações. Além disso, foi possível estabelecer a constituição de uma igualdade moderada pela natureza da atividade didática que contemplava maior envolvimento dos estudantes na construção das ideias na sala de aula.

Biografia do Autor

Victor Arantes Ribeiro, Graduando em Licenciatura em Física, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduando em Física licenciatura pela UFES. Tem experiência na área de Física ( com ênfase em Física dos Fluídos, Física de Plasmas e Descargas Elétricas) e ensino de Física

Leandro da Silva Barcellos, Doutorando em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui Licenciatura Plena em Física (2014) e Mestrado Profissional em Ensino de Física (2017), ambos pela Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Ciências por Investigação; Enfoque Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS); Formação inicial e continuada de Professores de Ciências; e Desenvolvimento e uso de Jogos na educação. Atualmente é aluno do Programa de Pós-graduação em Educação da UFES, na modalidade doutorado, linha Docência, Currículo e Processos Culturais. 

Geide Rosa Coelho, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduado em Física Licenciatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011). Atualmente é professor da área de ensino de Física no Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (2010) atuando no curso presencial e na modalidade a distância e professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Física (PPGEnFis) da UFES. Desde 2014 é coordenador Adjunto do PPGEnFis-UFES. Foi professor de educação básica de nível médio - Secretaria Estadual da Educação de Minas Gerais (de 2001 até 2010). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas : Formação inicial e continuada de Professores de Ciências, Ensino por investigação e formação de professores, práticas docentes estabelecidas no contexto escolar e não escolar, Estratégias de Ensino e aprendizagem de conceitos científicos.

Referências

BATISTA, R. F. M.; SILVA, C. C. A abordagem histórico-investigativa no ensino de Ciências. Estudos Avançados, v. 32 n. 94, p. 97-110, 2018.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291-313, dez. 2002.

COELHO, G. R.; AMBRÓZIO, R. M. O ensino por investigação na formação inicial de professores de Física: uma experiência da Residência Pedagógica de uma Universidade Pública Federal. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 36, n. 2, p. 490-513, 2019.

CREPALDE, R. S.; AGUIAR JR., O. G. A formação de conceitos como ascensão do abstrato ao concreto: da energia pensada à energia vivida. Investigações em Ensino de Ciências, v. 18, n. 2, p. 299-325, 2013.

DAMIANI, M. F. et. al. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Caderno de Educação, Pelotas, p. 57-67, ago. 2013.

GALILEI, G. Diálogo sobre os Dois Máximos Sistemas de Mundo Ptolomaico e Copernicano. Tradução, introdução e notas: Pablo Rubén Mariconda. 3. Ed. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia; Editora 34, 2011.

MUNFORD, D.; LIMA, M. E. C. C. Ensinar ciências por investigação: em que estamos de acordo? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 9, n. 1, p. 89-111, 2007.

NASCIMENTO, L.A.; SASSERON, L. H. A constituição de normas e práticas culturais nas aulas de ciências: Proposição e aplicação de uma ferramenta de análise. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 21, e10548, 2019.

PIRES, A. S. T. Evolução das ideias da Física. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física Editora, 2008.

SÁ, E. F. et.al. As características das atividades investigativas segundo tutores e coordenadores de um curso de especialização em ensino de ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 6, 2007, Florianópolis, SC. Atas...

SÁ, E. F.; LIMA, M. E. C. de C.; AGUIAR JUNIOR, O. G. A construção de sentidos para o termo Ensino por Investigação no contexto de um curso de formação. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 79-102, 2011.

SASSERON, L. H. Alfabetização Científica, Ensino por Investigação e Argumentação: relações entre Ciências da Natureza e escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. especial, p. 49-67, 2015.

SASSERON, L. H. Sobre ensinar ciências, investigação e nosso papel na sociedade. Ciência e Educação, v. 25, n. 3, p. 563-567, 2019.

SASSERON, L. H.; MACHADO, V. F. Alfabetização científica na prática: inovando a forma de ensinar física. 1. ed. São Paulo: Editora Livraria de Física, 2017.

SASSERON, L. H.; SOUZA, T. N. O engajamento dos estudantes em aula de Física: apresentação de uma ferramenta de análise. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 1, p. 139-153, 2019.

SCARPA, D. L.; SASSERON, L. H.; SILVA, M. B. O Ensino por Investigação e a Argumentação em Aulas de Ciências Naturais. Tópicos Educacionais, v. 23, p. 7-27, 2017.

SCARPA, D. L.; TRIVELATO, S. L. F. Movimentos entre a cultura escolar e cultura científica: análise de argumentos em diferentes contextos. Revista Internacional de Investigación en Educación, Edición especial Enseñanza de las ciencias y diversidad cultural, v. 6, n. 12, p. 69-85, 2013.

SILVA, C. C.; MARTINS, R. de A. A teoria das cores de Newton: um exemplo do uso da história da ciência em sala de aula. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 1, p. 53-65, 2003.

STROUPE, D. Examining Classroom Science Practice Communities: How Teachers and Students Negotiate Epistemic Agency and Learn Science-as-Practice. Science Education, v. 98, n. 3, p. 487-516, 2014.

THUILLIER, P. De Arquimedes a Einstein: a face oculta da invenção científica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ZYLBERSZTAJN, A. Galileu – um cientista e várias versões. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 5, n. Especial, p. 36-48, 1988.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Ciências/Física