A educação infantil e os (im)possíveis enlaces no campo escolar: os enredos na passagem entre o brincar, o aprender e o educar

Rogério Rodrigues

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar as possíveis relações entre a educação infantil e as atividades lúdicas. Na atual organização da unidade escolar, seria possível pensar as relações entre o brincar, o aprender e o educar como processos para o desenvolvimento do pensamento na criança e sua inserção no campo da cultura? Compreende-se que o brincar traz em si a contradição entre o necessário e o supérfluo, ou seja, de um lado, é valorizado como “pedagógico” e, de outro lado, trata-se de um elemento de distração. Essa dualidade sobre o significado do brincar no processo educativo do sujeito produz seus efeitos numa sociedade de mercado. No caso desse estudo, tem-se como método a revisão bibliográfica com base em autores que permitem conceituar aquilo que se pode chamar o brincar no campo escolar. Tem-se como conclusão que é necessário os intelectuais que atuam no campo escolar reelaborarem o brincar como elemento curricular.


Palavras-chave


Fundamentos da Educação; Educação Infantil; Educação Física; Brincar

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2015v27n45p102



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA