Uma visão panorâmica da LDB à BNCC: as políticas públicas de alfabetização, letramento e suas relações com a cultura corporal na Educação Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n48p113

Palavras-chave:

Alfabetização, Letramento, Política Pública, Cultura corporal, Base Nacional Comum Curricular

Resumo

O presente artigo tem como foco os documentos, programas e leis que dizem respeito a leitura e escrita dos sujeitos, especialmente os posteriores a 1996, ano de aprovação da atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) até a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em construção desde o ano de 2015 e sua possível afinidade com a legislação vigente do Ensino Nacional Brasileiro, tendo o corpo como parte da análise porque a política também passa por ele, ou seja,  pelos conteúdos e linguagens inerentes à cultura corporal, que pode ser traduzida como “políticas do corpo” que, no sentido mais amplo, podem ser consideradas como uma forma de alfabetização e “letramento corporal”,  sobretudo,  nas séries iniciais do Ensino Fundamental e, consequentemente, no componente curricular da Educação Física. Essa reflexão se justifica, considerando que, no documento em apreço, a Educação Física está inserida na “Àrea das Linguagens”, principalmente da cultura e das linguagens corporais. A Educação Física é um componente curricular cuja responsabilidade é tratar das práticas corporais na escola como fenômeno cultural dinâmico, diversificado, pluridimensional, singular e contraditório, assegurando aos/às estudantes a construção de um conjunto de conhecimentos necessários à formação plena do cidadão.

Biografia do Autor

Ivo Dickmann, Unochapecó

Professor Titular "C" do Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado, Unochapecó. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR, 2011-2015). Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR, 2008-2010). Bacharel em Filosofia pelo Instituto Superior de Filosofia Berthier (IFIBE, 2005-2007). Aperfeiçoamento em Direitos Humanos (IFIBE). Principal foco de atuação e pesquisa: Educação (perspectiva crítica e libertadora), Educação Ambiental (formação de educadores ambientais e educação ambiental freireana escolar), Educação Popular (Metodologia Paulo Freire), Educação do Campo (juventude, gênero e agricultura familiar), cooperativismo autogestionário e economia solidária. Líder do Grupo Palavração - Pesquisa em Educação Ambiental Freireana. 

Ieda Pertuzatti, Unochapecó

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2006), especialização em Psicopedagogia pela CELER Faculdades , Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) (2012), especialização em Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, pela CELER Faculdades , Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) (2014), e especialização em Disciplinas de Formação para o Magistério Superior, pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ ( 2015),e aperfeiçoamento Afetividade e Relações Humanas (2012), curso de Atendimento Educacional Especializado pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2013), participante da Formação para Alfabetizadores do PNAIC, com ênfase na Língua Portuguesa (2013-2014), participante da Formação para alfabetizadores do PNAIC, com ênfase na Matemática (2014-2015), orientadora na Formação continuada de Professores PNAIC (2016) Professora do Ensino Fundamental na Escola Reunida Municipal Professora Lydia Franzon Dondoni. Tem experiência na área da alfabetização. Atualmente atual como Coordenadora de Programas Educacionais na Secretaria de Educação do Município de Nova Erechim-SC. Mestranda em Educação na Universidade Comunitária da Região de Chapecó ? UNOCHAPECÓ

Referências

ALFERES, Marcia Aparecida; MAINARDES, Jefferson. Um currículo nacional para os anos iniciais? Análise preliminar do documento “Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental”. Currículo Sem Fronteiras, v. 14, n. 1, p. 243-259, jan./abr. 2014.

ALMEIDA, Danilo Di Manno de. Corpo e pedagogia em Paulo Freire: uma conversa inicial com Moacir Gadotti. Educação e Linguagem, São Bernardo do Campo, Ano 11, v. 17, p. 105-116, jan.-jun. 2008.

ALVES, Nilda. Sobre a possibilidade e a necessidade curricular de uma base nacional comum. Revista E-curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1464-1479, out./dez. 2014.

APPLE, Michael. Política cultural e educação. São Paulo: Cortez, 2000.

ARAÚJO FREIRE, Ana Maria. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipinas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos. 2 ed. rev. aumentada. São Paulo: Cortez, 1993.

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA): Documento Básico. Brasília: Instituto nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Paulo Freire. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues: O que é educação. 14 ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Documento preliminar à Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2015.

_____. Lei 9.394, de 20 de setembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da

Educação Nacional. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/index.php?option=content&

task=view&id=78&Itemid=221>. Acesso em 02 maio 2016.

_____. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: formação do professor alfabetizador: caderno de apresentação/ Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2012.

BRIGHENTE, Miriam Furlan; MESQUITA, Peri. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 1, p. 155-177, jan.-abr. 2016.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

CÓSSIO, Maria de Fátima. Base Nacional Comum: uma discussão além do currículo. Revista E-curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1570-1590, out./dez. 2014.

DEL PRIORE, Mary (Org.). História da Criança no Brasil. São Paulo; Contexto, 1992.

ESCOBAR, Micheli Ortega. Cultura corporal na escola: tarefas da Educação Física. Revista Motrivivência, Ano XI, no. 13, Nov./1999.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. 51 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

______. Pedagogia do Oprimido. 16 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

______. Política e educação: ensaios. 5 ed. São Paulo, Cortez, 2001.

_____. MACEDO, Donaldo. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GADOTTI, Moacir. A educação contra a educação. Moacir Gadotti. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. (Coleção Educação e Comunicação)

_______. Escola Vivida, Escola Projetada. 2ed. Campinas, SP: Papirus, 1995.

GAMBOA, Silvio Sanchez. Projetos de pesquisa, fundamentos lógicos: a dialética entre perguntas e respostas. Chapecó: Argos, 2013.

GIROUX, Henry, Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

GONTIJO, Cláudia Maria Mendes. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): comentários críticos. Revista Brasileira de Alfabetização, Vitória, v. 1, n. 2, p. 174-190, jul./dez. 2015.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista E-curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1530-1555, out./dez. 2014.

NEUENFELDT, Derli Juliano; MAZZARINO, Jane Márcia. O corpo como lugar onde a experiência da educação ambiental nos toca. REMEA, Rio Grande, v. 33, n. 1, p. 22-36, 2016.

OLIVERIA, Romualdo Portela de. Política Educacional: impasses e alternativas. São Paulo: Cortez, 1995.

PREVE, Ana Maria Hoepers; CORRÊA, Guilherme Carlos. Tudo passa pelo corpo. Motrivivência, Florianópolis, Ano XI, n. 15, Agosto, 2001.

ROCHA, Eloísa A. C. Diretrizes educacionais-pedagógicas para a educação infantil. Rede Municipal de Ensino, 2008, mimeo.

RODRIGUES, José Carlos. O corpo liberado. In: STROZEMBERG, L. (Org.) Corpo e Alma. Rio de Janeiro: Comunicação Contemporânea, 1986

SAVIANI, Dermeval. Política e educação no Brasil: o papel do congresso nacional na legislação do ensino. Campinas: Autores Associados, 1987.

SILVA, Maurício R. Exercícios de ser criança: o corpo em movimento na Educação Infantil. In: ARROYO, Miguel; SILVA Maurício R. (Orgs). Corpo Infância: Exercícios tensos de ser criança. Petrópolis, RJ: Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

_____. Da nova LDB ao novo plano nacional de educação: por uma outra política educacional. 4. ed. rev. São Paulo: Autores Associados, 2002.

_____. História das Ideias pedagógicas do Brasil. 3 ed. rev. 1 reimp. Campinas: Autores Associados, 2011. (Coleção memória da educação).

SNYDERS, Georges. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

SOARES, Magda. Alfabetização e Letramento. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2015.

_______. Letramento: um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968.

WEFFORT, Francisco. Educação e política: reflexões sociológicas sobre uma pedagogia da liberdade. In: FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. p. 03-26.

Downloads

Publicado

2016-09-21

Edição

Seção

Seção Temática