O corpo-futurível: ensaio sobre as recentes (re)descrições do corpo humano rumo à pós-organicidade

André Gonçalves Ferreira, Renato Cavalcanti Novaes, Monique Ribeiro de Assis, Silvio de Cássio Costa Telles

Resumo


Este ensaio tem como objetivo caracterizar e discutir um caminho percorrido pelo corpo na sociedade ocidental, da construção do conceito de corpo-propriedade até os dilemas pós-modernos que abriram as portas para uma nova corporeidade. Na Modernidade, o corpo fora submetido à ciência e aos meios de produção político-econômicos e, sob específicas condições, conduzido a uma descrição biologizante e utilitária. A Pós-Modernidade trouxe a crise identitária e o consequente hiperconsumismo, e assistiu esse modelo social depositar sobre o corpo suas diretrizes bioascéticas, redescrevendo-o. A necessidade de estender o tempo/espaço de consumo do corpo aproximou-se dos avanços tecnocientíficos: fármacos, próteses biônicas, cirurgias plásticas, computadores de vestir, modificações genéticas. Os desejos de anulação das coerções biológicas, de melhorias estéticas e performáticas do corpo e até mesmo a imortalidade dão origem a uma nova descrição: o corpo-futurível.


Palavras-chave


Corpo; Cibercultura; Pós-modernidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASHBY, W. R. Uma introdução à cibernética. São Paulo: Perspectiva, 1970.

BARNETT, K. B. Dosed: the medication generation grows up. Beacon Press, 2012.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

______. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

______. Vida em fragmentos. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

CLYNES, M. E.; KLINE, N. S. Cyborgs and space. Astronautics, p. 26-27, p. 74-76, set. 1960. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

COURTINE, J. (Coord.); COURBIN, A.; VIGARELLO, G. História do corpo, v. 3. As mutações do olhar. O Século XX. Petrópolis: Vozes, 2011.

DESCARTES, R. Meditações metafísicas. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FEATHERSTONE, M.; BURROWS, R. Cyberspace/cyberbodies/cyberpunk: cultures of technological embodiment. [S.l.]: Sage, 1996.

HAYLES, N. How we became posthuman: virtual bodies in cybernetics, literature, and informatics. Chicago: University of Chicago Press, 1999.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2006.

______. Adeus ao corpo. Campinas: Papirus Editora, 2011a.

______. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011b.

MIAH, A. Atletas geneticamente modificados: ética biomédica, doping genético e esporte. São Paulo: Phorte, 2008.

ORTEGA, F. O corpo incerto. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

RORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.

SANTAELLA, L. Pós-humano: por quê? Revista USP, São Paulo, n. 74, p. 126-137, 2007.

SARLO, B. Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e videocultura na Argentina. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000.

SIBILIA, P. O homem pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SILVA, T. T. Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

______; HARAWAY, D.; KUNZRU, H. (Org.). Antropologia do ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

VEYNE, P. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Brasília: Ed. UnB, 1998.

WIENER, N. Cibernética e sociedade. São Paulo: Cultrix, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n53p181



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA