Repensando as relações de gênero nas vivências do ultimate frisbee na escola

Ana Aparecida Tavares da Silveira, Maria Aparecida Dias

Resumo


Este artigo traz reflexões de como as relações de gênero foram vivenciadas, problematizadas e modificadas na realização do projeto "Ultimate Frisbee: vivências e reflexões táticas utilizando recursos midiáticos nas aulas de educação física”. A discussão de gênero surgiu durante as aulas, em virtude deste esporte ser composto oficialmente pela categoria mista, em que meninos e meninas jogaram juntos, gerando conflitos que precisaram ser discutidos e repensados. Para tanto, foram buscados fundamentos nos Estudos Feministas e de Gênero na tentativa de compreender as problemáticas que emergiram com a realização das aulas práticas.


Palavras-chave


Frisbee; Gênero; Educação física; Escola

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADELMAN, Miriam. Mulheres atletas: re-significações da corporalidade feminina. Trabalho apresentado na XXIII Reunião Anual da ANPOCS, em Caxambu, MG, em outubro de 1999.

BRASIL. Lei de Diretrizes e B. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, v. 11, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres 2013-2015. Brasília: Secretaria de Políticas paras Mulheres, 2013. 114 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: educação física / secretaria de educação fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 96p.

BORGES, Robson Machado; OLIVEIRA, João Danilo Batista de; SANTOS, Admilson; FARIAS, Sandra Regina Rosa. Ultimate Frisbee. In: GONZÁLEZ, Fernando Jaime; DARIDO, Suraya Cristina; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli. (Orgs.) . Práticas Corporais e a organização do conhecimento: esportes de invasão: basquetebol, futebol, futsal, handebol, ultimate frisbee. Maringá: Eduem, 2014. 326p.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand, 1999.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de; RABAY, Glória. Usos e incompreensões do conceito de gênero no discurso educacional no Brasil. Estudos Feministas, Florianópolis 23 (1), p.119-136, Janeiro-abril/2015.

CONNEL, Robert. Políticas da masculinidade. Educação e realidade, 20(2), jul/dez. 1995, 185-206.

DORNELLES, Priscila Gomes; FRAGA, Alex Branco. Aula mista versus aula separada? uma questão de gênero recorrente na educação física escolar. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física – ISSN 2175-8093 – Vol. 1, n. 1, p.141-156, Ago., 2009.

FEDERAÇÃO PAULISTA DE DISCO. Cartilha Explicativa - Ultimate Frisbee. Disponível em: http://docs.wixstatic.com/ugd/631120_82c7add96bf94572b1cf9d05f0701441.pdf. Acesso em: 06 maio 2017.

FRASER, Nancy. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da História. Mediações, vol. 14, número 3, 2009, p.11-32.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática Vol.8 N.1, jan/jun, 2005.

GOELLNER, Silvana Vilodre; FRAGA, Alex Branco. O espetáculo do corpo: mulheres e exercitação física no início do século XX. In: CARVALHO, Marie Jane Soares.; ROCHA, Cristianne. M. F. Produzindo Gênero. Porto Alegre: Sulina, 2004, p.161-171.

GROSSI, Miriam Pillar. Masculinidades: uma revisão teórica. Antropologia em primeira mão. UFSC, 2004. Disponível em: http://www.antropologia.ufsc.br/75.%20grossi.pdf. Acesso em: 14 Jun. 2017

HARAWAY, Donna. Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos. Cadernos Pagu. (22) 2004, p.201-246.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

NÓBREGA, Terezinha Petrucia da. Qual o lugar do corpo na educação? Notas sobre conhecimento, processos cognitivos e currículo. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 91, p. 599-615, Maio/Ago, 2005.

PISCITELLI, Adriana. Gênero em Perspectiva. Cadernos Pagu (11) 1998. p.141-155.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2019e55894



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA