Luta marajoara: lugar ou não lugar no currículo de uma IES pública do estado do Pará

Carlos Afonso Ferreira dos Santos, Ivan Carlo Rego Gomes, Rogério Gonçalves de Freitas

Resumo


Este artigo objetivou entender o lugar da Luta Marajoara no currículo de licenciatura em Educação Física de uma Instituição de Ensino Superior (IES) pública da região norte do Brasil. Realizou-se pesquisa de campo a partir de entrevista semiestruturada direcionada a dois docentes ministrantes do conteúdo Lutas, além de grupo focal com estudantes concluintes. Os resultados revelaram que a Luta Marajoara possui lugar implícito no currículo e ausente nas práticas de ensino do curso em questão. Concluiu-se que esta prática corporal, de identidade brasileira e marajoara, não consegue se legitimar no currículo da formação inicial em Educação Física, resultado da marginalização de seu conhecimento. 


Palavras-chave


Luta marajoara; Educação física; Formação de professores

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARROYO, Miguel. Currículo: território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2018a, Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação. 2000. Disponível em: www.mec.gov.br/ sesu/ftp/DocDiretoria.doc. Acesso em: 20 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 584, de 3 de outubro de 2018. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Educação Física. Brasília, DF, 2018b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2018-pdf-1/99961-pces584-18/file. Acesso em: 12 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 1 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de Formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 10 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CORREIA, Walter Roberto. Educação Física Escolar: o currículo como oportunidade histórica. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 30, n. 3, p.831-836, set. 2016.

CRUZ, Miguel Evangelista Miranda. Marajó: essa imensidão de ilha. São Paulo: M.E.M. Cruz, 1987.

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Projeto Político Pedagógico do Curso de Educação Física. Universidade do Estado do Pará. Belém, 2007. Disponível em: https://paginas.uepa.br/ccbs/edfisica/files/PPP_UEPA.pdf. Acesso em: 13 fev. 2019.

DARIDO, Suraya Cristina. Educação Física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

DARIDO, Suraya Cristina; RANGEL, Irene Conceição (coord.). A educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GURGEL, Fabio. Brazilian Jiu Jítsu: manual pessoal de jiu-jítsu. Rio de Janeiro: Axcel, 2007.

IORA, Jacob Alfredo; SOUZA, Maristela da Silva; PRIETTO, Adelina Lorensi. A divisão licenciatura/bacharelado no curso de Educação Física: o olhar dos egressos. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 461-474, abr./jun. 2017.

MARCONDES, Nilsen Aparecida; BRISOLA, Elisa Maria. Análise por triangulação de métodos: um referencial para pesquisas qualitativas. Revista Univap, São José dos Campos, v. 20, n. 35, jul. 2014.

MORGAN, David. The Focus Group Guidebook. Thousand Oaks: Sage, 1998.

NASCIMENTO, Paulo Rogério; ALMEIDA, Luciano de. A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 91-110, set./dez. 2007.

NEIRA, Marcos Garcia (org.). Educação Física cultural: o currículo em ação. São Paulo: Labrador, 2017.

NEIRA, Marcos Garcia. Educação Física cultural: inspiração e prática pedagógica. 1. ed. Jundiaí: Paco, 2018.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 13-33.

PACHECO, José Augusto. Currículo: teoria e práxis. Portugal: Porto Editora, 1996.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez Editora, 1999. p. 15-34.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; DARIDO, Suraya Cristina. Análise da prática pedagógica das lutas em contextos não formais de ensino. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 23, n. 1, p. 12-23, 2015.

SACRISTÁN, José Gimeno. Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SALLES, Vicente. O negro na formação da sociedade paraense: textos reunidos. Belém: Paka-Tatu, 2004.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu. Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995.

SANTOS, Carlos Afonso Ferreira dos; FREITAS, Rogério Gonçalves de. Luta Marajoara e memória: práticas “esquecidas” na educação física escolar em Soure-Marajó. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 1, p. 57-67, jan./jun. 2018.

SILVA, Tomaz Tadeu. O currículo como fetiche. 1 ed. Belo horizonte: Autêntica, 2006.

SOARES, Carmen Lucia et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e65668



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA