Pedagogia histórico-crítica e Educação Física: o ensino das práticas corporais de aventura nos anos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e71786

Palavras-chave:

Educação física, Pedagogia histórico-crítica, Práticas corporais de aventura, Ensino

Resumo

Este artigo relata uma experiência didática desenvolvida no CEPAE/UFG, com o conteúdo “Práticas Corporais de Aventura”, para alunos do 1º ano do Ensino Fundamental, tendo como eixo articulador o jogo simbólico, fomentado pela “contação de histórias” infantis. A ação foi delineada em 25 aulas com duração de 45 minutos, ministradas em três encontros semanais em turno matutino. A experiência está fundamentada nas bases teórico-metodológicas da pedagogia histórico-crítica, sobretudo nos estudos recentes sobre a didática. O percurso foi desenvolvido em uma tríade interdependente: 1º) Contação de história, através de adaptações de contos; 2º) Transmissão-assimilação dos conceitos inerentes ao conteúdo; 3º) Avaliação e registro no caderno de Educação Física. Para além da apropriação dos conceitos relativos às Práticas Corporais de Aventura, as crianças tiveram acesso à relação metabólica entre o ser humano e natureza a partir do simbólico, evidenciando o processo dialético da prática pedagógica.

Biografia do Autor

Leonardo Carlos de Andrade, Universidade Federal de Goiás

Professor no Departamento de Educação Física do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada a Educação da Universidade Federal de Goiás e coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física e Infânica (GEPEFI/UFG)

Jéssica da Silva Duarte de Andrade, Universidade Federal de Goiás

Professora de Educação Física na Educação Básica e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física e Infância (GEPEFI/UFG)

Sérgio de Almeida Moura, Universidade Federal de Goiás

Doutor, Professor Adjunto da Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás e Líder do grupo Extensa Forma (FEFD/UFG)

Referências

BETRÁN, J. O. Rumo a um novo conceito de ócio ativo e turismo na Espanha: as atividades físicas de aventura na natureza. In: BRUHNS, H. T.; MARINHO, A. (Org.). Turismo, lazer e natureza. São Paulo: Manole, 2003.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Versão preliminar. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso 25 maio 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Versão preliminar. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso 25 maio 2016.

CAUPER, D. A. C.; FORNAZIER, G. P. S. ; INACIO, H. D. . Práticas corporais de aventura na educação física escolar: relato de experiência de ensino do esporte Orientação, 2015.

DARIDO, Suraya Cristina; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli de (Org.). Lutas, capoeira e práticas corporais de aventura. Maringá: Eduem, 2015.

DUARTE, N., (2000). Vigotski e o “aprender a aprender”: críticaàs apropriações neoliberais e pós-modernas da teoriavigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2000.

ELKONIN, D. “Sobre el problema de la peridización del desarrollo psíquico em la infância”. In: DAVIDOV, V & SHUARE, M. (org.). La psicologia evolutiva e pedagogia em la URSS:antologia. Moscú, Editorial Progresso, 1987.

ELKONIN, D.(2009). Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FREITAS, Luiz Carlos et al. Avaliação e políticas públicas educacionais: ensaios contra- regulatórios em debate. Campinas: Leitura Crítica, 2012.

GASPARIN, J. L. Uma Didática para a Pedagogia Histórico-Crítica. 3ª ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

INACIO, H. D. Práticas corporais de aventura na educação física escolar: um relato de experiência de ensino que rompe com a hegemonia da bola, 2015.

INACIO, H. L. D.; CASTRO, C.; MACHADO, L.; CAUPER, D. C. Práticas corporais de aventura [na natureza] na educação física escolar: uma experiência em escolas da rede municipal de Goiânia. In: Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, 2015, Vitória. Anais do Conbrace - Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, 2015.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à Teoria do Desenvolvimento da Psique Infantil. IN: VIGOTSKI, L. S. LURIA, A. R. LEONTIEV, A. N. Linguagem desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Icone, 2006.

MARINHO, A. Lazer, aventura e risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. movimento, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 181-206, 2008.

MARSIGLIA, A. C. G., MARTINS, L. M.; LAVOURA, T. N. Rumo à outra didática histórico-crítica: superando imediatismos, logicismos formais e outros reducionismos do método dialético. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019003, 2019.

MARTINS, Lígia Márcia. Pedagogia histórico-crítica e psicologia histórico-cultural. In: MARSIGLIA, Ana Carolina Galvão (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. 25ª ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1991.

SAVIANI.Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11ª ed. ver. 1ª reimpressão. Campinas-SP: Autores Associados, 2012.

SOARES et al. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

TAHARA, A. K.; CARNICELLI-FILHO, S.; SCHWARTZ, G. M. Meio ambiente e atividades de aventura: significados de participação. Motriz, Rio Claro, v.12, n. 1, p.59-64, jan./abr. 2006.

VYGOTSKY, Lev Semyonovitch. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson L. Camargo, São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Downloads

Publicado

2020-07-24

Edição

Seção

Porta Aberta