O mar e o caiçara: a corrida de canoas como jogo tradicional e fortalecimento identitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e72453

Palavras-chave:

Jogos tradicionais, Caiçara, Canoa, Mar, Filosofia

Resumo

Os caiçaras são populações litorâneas que tem sua cultura diretamente ligada ao mar. Suas práticas corporais possuem uma relação íntima com o espaço onde vivem. Este artigo apresenta dados de caráter qualitativo e se utiliza de uma metodologia fenomenológica, buscando observar a influência dos jogos tradicionais caiçaras na construção identitária destas comunidades. Para isso, são abordados pontos da formação, do desenvolvimento e do cotidiano caiçara, focando em algumas manifestações, como a corrida de canoas, e estabelecendo pontes entre as práticas corporais e a cultura caiçara por meio da fenomenologia da imagem. A relação com o mar aparece como principal elemento de representação das imagens da cultura caiçara e como um ambiente com o qual os indivíduos se identificam e se sentem parte. Os jogos tradicionais, à luz de outras manifestações, se configuram como possibilidade de remodelamento identitário e fortalecimento cultural.

Biografia do Autor

Daniel Cobra Silva, Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo

Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano (CESC) - Departamento de Pedagogia do Movimento Humano

Ana Cristina Zimmermann, Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo

Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano (CESC) - Departamento de Pedagogia do Movimento Humano

Soraia Chung Saura, Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo

Centro de Estudos Socioculturais do Movimento Humano (CESC) - Departamento de Pedagogia do Movimento Humano

Referências

ACHCAR, Tatiana. Vida Caiçara: imagens, histórias, personagens e sentimentos das comunidades litorâneas do norte do Paraná ao sul do Rio de Janeiro. Abook, 2007.

ADAMS, Cristina. As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar. Revista de Antropologia, v. 43, n. 1, p. 145-182, 2000.

AGUIAR, Teresa. Caiçara, uma cultura que resiste. São Sebastião, SP: Centro Cultural São Sebastião Tem Alma. Secretaria de Estado da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, 2006.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaios sobre a imaginação da matéria. Trad. DANESI, A. P. 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. Trad. DANESI, A. P. 4ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2018.

BENTO, Jorge Olimpio. Corpo e desporto: reflexões em torno desta relação. In: MOREIRA, W. W. (org.) Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas, SP: Papirus, p. 155-182, 2006.

BITENCOURT, Fernando Gonçalves. A ciência, o olhar e o se-movimentar: uma fenomenologia do futebol - ou de como o CAP encontra talentos. Motrivivência, n. 34, p. 186-207, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Como se pode ser desportista. BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Lisboa: Fim do século, p. 181-204, 2003.

BRANCO, Alice; CASEIRO, Fernando. Cultura caiçara: resgate de um povo. Oficina do Livro e Cultura, 2005.

DA SILVA, Thaína Martins; ALVES, Lídia Maria Nazaré. A representação da loucura, morte e luto no conto “a terceira margem do rio” de João Guimarães Rosa. Anais do Seminário Científico do UNIFACIG, n. 5, 2019.

DAOLIO, Jocimar. Corpo e identidade. In: MOREIRA, W. W. (org.) Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas, SP: Papirus, p. 49-62, 2006.

DE SOUZA COELHO, Milton et al. O mito samurai no imaginário do Japão: homens e deuses na trama dos sentidos. Motrivivência, v. 30, n. 56, p. 246-260, 2018.

DIEGUES, Antonio Carlos. A mudança como modelo cultural: o caso da cultura caiçara e a urbanização. Enciclopédia caiçara, v. 1, p. 21-48, 2004.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Tradução de Eliane Fittipaldi Pereira. São Paulo: Culturix, Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. 4ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

FERREIRA-SANTOS, Marcos. Crepusculário: conferências sobre mitohermenêutica e educação em Euskadi. São Paulo: Zouk, 2004.

FERREIRA-SANTOS, Marcos; ALMEIDA, Rogério. Aproximações ao Imaginário: bússola de investigação poética. São Paulo: Képos, 2012.

FRANCHI, Silvester. Jogos tradicionais/populares como conteúdo da cultura corporal na Educação Física escolar. Motrivivência, n. 40, p. 168-177, 2013.

FRANCO, Marcel Alves; DE SOUZA MENDES, Maria Isabel Brandão. Fenomenologia e Educação Física: uma revisão dos conceitos de corpo e motricidade. Motrivivência, v. 27, n. 45, p. 209-218, 2015.

GONÇALVES JUNIOR, Luiz et al. Etnomotricidad: juegos de resistencia cultural en la comunidad caizara de Ilhabela-Brasil. Estudios pedagógicos (Valdivia), v. 38, n. ESPECIAL, p. 249-266, 2012.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Elogio da beleza atlética. Tradução: RAVAGNANI, F. São Paulo: Companhia das Letras, 182 p. 2007.

HACKEROTT, Maria Altimira. Devaneio e movimento na experiência do velejar. Dissertação (Mestrado) – Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. São Paulo, 116p. 2018.

KRETCHMAR, R. Scott. Pesquisa filosófica em atividade física. In: THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack K. (org.). Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2002. P. 247-257.

LAZZAROTTI FILHO, Ari et al. O termo práticas corporais na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da Educação Física. Movimento, v. 16, n. 1, p. 11-29, 2010.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Caiçara: terra e população: estudo de demografia histórica e da história social de Ubatuba. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2006.

MARTÍNEZ PERDOMO, Adalid. Juegos e identidad cultural en el contexto americano. In: MARIN, E. C.; STEIN, F. (Org.). Jogos Autóctones e Tradicionais de Povos da América Latina. 1ed.Curitiba: Editora CRV, p. 133-155, 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Editora Vozes Limitada, p. 9-29, 2011.

MOREIRA, Virginia. O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicologia: Reflexão e crítica, v. 17, n. 3, p. 447-456, 2004.

MÜLLER, Uwe. Esporte e Globalização. Motrivivência, n. 10, p. 17-25, 1997.

MUSSOLINI, Gioconda. Ensaios de antropologia indígena e caiçara. Org.: CARONE, E. Coleção Estudos brasileiros, v. 38. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

PERES, Juliana de Jesus Pinheiro et al. Primeiros jogos mundiais dos povos indígenas: uma análise da percepção dos espectadores. Motrivivência, v. 31, n. 59, 2019.

SANTIN, Silvino. Cultura e esporte: uma hermenêutica visual. Motrivivência, n. 41, p. 155-165, 2013.

SAURA, Soraia Chung. Sobre bois e bolas. In: SAURA, S.C; ZIMMERMANN, A.C; (orgs) Jogos Tradicionais. 1 ed. São Paulo: Editora Laços, p. 165-188. 2014.

SAURA, Soraia Chung; MEIRELLES, Renata. Brincantes e Goleiros, considerações sobre o Brincar e o Jogo a partir da fenomenologia da imagem. In: CORREIA, W. R.; RODRIGUES, B. M. (orgs) Educação Física no Ensino Fundamental: da inspiração à ação. Editora Fontoura, Várzea Paulista, SP, p. 35-60, 2015.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Do preto, do branco e do amarelo: sobre o mito nacional de um Brasil (bem) mestiçado. Ciência e cultura, v. 64, n. 1, p. 48-55, 2012.

SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto. A Pesquisa Científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Plageder, p. 31-42, 2009.

SILVA, Luiz Geraldo. Da terra ao mar: por uma etnografia histórica do mundo caiçara. In: DIEGUES, A. C. (org.) Enciclopédia Caiçara: o olhar do pesquisador, v. 1, p. 49-70, 2004.

STEIN, Fernanda; MARIN, Elizara Carolina. O jogo tradicional no contexto atual da quarta colônia de imigração italiana no Rio Grande do Sul. Motrivivência, v. 31, n. 58, 2019.

UNESCO. Declaração Universal Sobre a Diversidade Cultural 2002. 02 de novembro de 2001. CLT.2002/WS/9, Paris (FRA), 2001.

UNESCO. Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial 2003. 17 de outubro de 2003. MISC/2003/CLT/CH/14, Paris (FRA), 2003.

VASCONCELOS, José Mauro. Rosinha, minha canoa. São Paulo: Melhoramentos, 272p. 1962.

VINHA, Marina. Saúde Social: fonte revitalizadora dos jogos dos povos indígenas. In.: Celebrando os jogos, a memória e a identidade: XI Jogos dos Povos Indígenas. Porto Nacional – Tocantins, p.232-233, 2011.

ZIMMERMANN, Ana Cristina; SAURA, Soraia Chung. (orgs.) – Jogos Tradicionais. São Paulo: Pirata, 192p. 2014.

ZIMMERMANN, Ana Cristina; SAURA, Soraia Chung. Body, environment and adventure: experience and spatiality. Sport, Ethics and Philosophy, v. 11, n. 2, p. 155-168, 2017.

Downloads

Publicado

2020-08-05

Edição

Seção

Artigos Originais