Sentidos e significados da escola do campo na perspectiva da produção cultural das crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e73795

Palavras-chave:

Educação do campo, Infância camponesa, Produção cultural

Resumo

Este texto apresenta reflexões sobre os sentidos e significados da escola do campo atribuídos por crianças, especialmente, a partir de sua produção cultural. A escola é central para os territórios camponeses, espaço de encontro entre conhecimentos científicos e populares, organização comunitária e partilha da vida. A investigação aconteceu em parceria com uma escola do campo localizada na Chapada dos Veadeiros (Goiás) no Bioma Cerrado. Com base na Psicologia Histórico-Cultural, Educação do Campo e Sociologia da Infância, a pesquisa prezou pela participação das crianças e consideração de suas diferentes linguagens. Contou com os instrumentos: fotografia, observação participante e entrevistas a partir de abordagem lúdica. A pesquisa demonstrou que as crianças se apropriavam da escola para encontrar com seus pares, estudar, brincar, inventar e como a escola do campo é um espaço-tempo fundamental de formação humana, existência e resistência camponesa.

Biografia do Autor

Jaciara Oliveira Leite, Universidade de Brasília (UnB)

Mestre em Educação Física pelo PPGE/UFSC

Doutora em Educação pelo PPGE/UnB

Docente da Faculdade de Educação Física (FEF/UnB)

Referências

ARENHART, Deise. Entre a favela e o castelo: efeitos de geração e classe social nas culturas infantis. 2012. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense.

ARROYO, Miguel. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BARBOSA, Maria. Culturas Infantis: contribuições e reflexões. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 645 - 667, set./dez., 2014.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas para crianças. Iluminuras de Martha Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2010.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília : MEC, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CALDART, Roseli. et al (orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Expressão Popular, 2012.

CASTRO, Joana D’arc Bardella; XAVIER, Glauber Lopes. Modificações na Estrutura Produtiva de Goiás e a Inserção Econômica do Nordeste Goiano Pós Década de 1980. Revista de Economia da UEG, Anápolis (GO), v. 2, n. 1, jan/jun-2006.

COELHO, Luciano; DEBORTOLI, José Alfredo. Corporalidade e engajamento: participação e aprendizado de crianças e adultos em contextos indígenas. In: ARROYO, Miguel; SILVA, Maurício (orgs.). Corpo-infância: exercícios tensos de ser criança por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CORSARO, William. A reprodução interpretativa no brincar ao "faz-de-conta" das crianças. Educação, Sociedade e Cultura, nº 17, 113 - 134, 2002.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Os campos da Pesquisa em Educação do Campo: espaço e território como categorias essenciais. In: MOLINA, Mônica Castagna (org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasil. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília, DF: MDA, 2006.

FERNANDES, Florestan. As "trocinhas" do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico da cultura e dos grupos infantis. Pro-posições, vol. 15, n. 1 (43), jan/abr, 2004.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. (Trad. Guacira Lopes Louro). Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Censo Escolar. 2013.

MOLINA, Mônica. Políticas Públicas. In: Dicionário da Educação do Campo. Caldart, R. et al (orgs.) Rio de Janeiro: Expressão Popular, 2012.

REZENDE, Delmar. Conquistas comunitárias da gestão participativa na Educação do Campo: o caso da Escola do Sertão na Chapada dos Veadeiros - GO. 2010. Dissertação de Mestrado. Centro de Desenvolvimento Sustentável - UnB.

SARMENTO, Manoel. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 361-378, Maio/Ago. 2005.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico crítica: primeiras aproximações. 11ª ed. Campinas - SP: Autores Associados, 2013.

SILVA, Isabel; SILVA, Ana Paula Soares; MARTINS, Aracy (orgs.). Infâncias do campo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. (Coleção Caminhos da Educação do Campo).

SILVA, Maurício Roberto da. Eventos-Campos: Um relato da experiência do fazer investigativo com crianças da Zona da Mata Canavieira Pernambucana. In: Faria et al (orgs.). Por uma cultura da infância: metodologia de pesquisa com crianças. 3ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

VYGOTSKY, Lev. História del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. Obras Escogidas Tomo III. Moscow: Editora Pedagógica, 1983.

VYGOTSKY, Lev. Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VYGOTSKY, Lev. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2010.

WALLON, Henri. Do ato ao pensamento: ensaio de psicologia comparada. Petrópolis: Vozes, 2008.

YAMIN, Giana; MENEGAT, Alzira. "Odeio andar de ônibus!": o que dizem as crianças assentadas sobre o transporte escolar. In: SILVA, Isabel; SILVA, Ana Paula; MARTINS, Aracy (orgs.). Infâncias do Campo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. (Coleção Caminhos da Educação do Campo).

Downloads

Publicado

2020-10-01

Edição

Seção

Artigos Originais