História da obesidade: a filmografia de Georges Méliès

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2021e77724

Palavras-chave:

Obesidade, História, Filmes cinematográficos

Resumo

Este artigo objetivou analisar as representações sociais cinematográficas da obesidade e de seus precursores conceituais na filmografia de Georges Méliès. Um total de 198 filmes, produzidos entre 1896 a 1913, foram analisados através da análise discursiva da enunciação, numa perspectiva foucaultiana. Vinte e seis filmes foram considerados relevantes, dos quais extraiu-se 31 trechos considerados significativos. Os enunciados constituídos foram agrupados em seis formações discursivas, com conteúdos que associavam a condição a questões de status socioeconômico, beleza, capacidades físicas e comportamentos. Concluiu-se que o material analisado é uma fonte histórica primária importante para a história da obesidade, indicando que o cinema pode ter sido uma ferramenta de propaganda na divulgação da inversão valorativa que ocorreu no processo histórico de patologização da condição.

Biografia do Autor

Cezar Barbosa Santolin, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Doutorando em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Docente do curso de Educação Física na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus do Pantanal.

Referências

A ÙLTIMA GARGALHADA. Direção de F. W. Murnau. Preto e branco, 77 min. Alemanha: Universum Film, 1924. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=N9dBbOlX4Zg . Acesso em 17 de Janeiro de 2019.

BAECQUE, Antoine. Le discours anti-noble (1787-1792) aux origines d´un slogan: “Le peuple contre les gros”. Revue d´Histoire Moderne et Contemporaine. Tomo XXXVI. 1989, p.3-28.

BAHIANA, Ana M. Como ver um filme. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BARROS, José A. História serial, História quantitativa e História demográfica: uma breve reflexão crítica. Revista de C. Humanas, Vol. 11, Nº 1, p. 163-172, jan. /jun. 2011.

BARROS, José A. A História serial e História quantitativa no movimento dos Annales. Hist. R., Goiânia, v. 17, n. 1, p. 203-222, jan. /jun. 2012.

BARROS, José A. O projeto de pesquisa em História: da escola do tema ao quadro teórico. 9ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/L9610.HTM . Acesso em 25 de Agosto de 2018.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade. São Paulo: WMF, 2011.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 15ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

GEORGES MÉLIÈS: the first wizard of Cinema (1896-1913). Direção de Georges Franju. Coleção. Lobster films. 6 DVDs. 896 min, França, 2010.

GUIMARÃES, Pedro M. Corpo e citação. In: SAURA, S. C.; ZIMMERMANN, A. C. (org.) Cinema e corpo. Cap.1. São Paulo: Laços, 2016, p.21-32.

INTERNET MOVIE DATABASE (IMDb). Disponível em: https://www.imdb.com/name/nm0617588/?ref_=nv_sr_1. Acesso em: 21 setembro 2018.

JULLIER, Laurent; MARIE, Magda; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: SENAC São Paulo, 2012.

LA MAGIE MÉLIÈS. Direção de Jacques Mény. Documentário, 2h06min, França, 1997. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1ThCusVQ4Zw Acesso em 21 de Setembro de 2018.

MARINHO, Inezil P. História geral da Educação Física. São Paulo: Cia Brasil, 1980.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais. 7ª ed. São Paulo: Vozes, 2010.

PATRIOTA, Lucia M. Teoria das Representações Sociais: Contribuições para a apreensão da realidade. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c-v10n1_lucia.htm#:~:text=Quanto%20%C3%A0s%20fun%C3%A7%C3%B5es%2C%20as%20representa%C3%A7%C3%B5es,et%20son%20public%20(1961).&text=(Abric%2C%201998%3B%20Moscovici%2C,1978%3B%20Jodelet%2C%201986) . Acesso em 18 de Setembro de 2020.

POULAIN, Jean-Pierre. Sociologia da obesidade. São Paulo: SENAC São Paulo, 2014.

QUELLIER, Florent. Gula: história de um pecado capital. São Paulo: SENAC, 2011.

SABADIN, Celso. Vocês ainda não ouviram nada: a barulhenta história do cinema mudo. 2ª ed. São Paulo: Lemos, 2000.

SANTOLIN, Cezar B. O nascimento da obesidade: um estudo genealógico do discurso patologizante. Dissertação de mestrado. Pelotas, RS. Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 2012.

SANTOLIN, Cezar B.; RIGO, Luiz C. A obesidade e a problematização da corpulência na Idade Média. FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I – 2012.

SANTOLIN, Cezar B. O nascimento do discurso patologizante da obesidade. Movimento. Porto Alegre, v.21, n.1, p.81-94, jan./mar. de 2015.

SANTOLIN, Cezar B. Por que o termo “gordo” se tornou politicamente incorreto no Brasil? Anais do VI Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte. Set./2012. Disponível em: http://congressos.cbce.org.br/index.php/conbrace2011/2011/paper/view/3079 Acesso em 15 de Outubro de 2020.

SANTOLIN, Cezar B. Representações da obesidade no cinema: o “burguês gordo” em A greve (1925) de Eisenstein. Movimento. V. 25, e25076, 2019.

SOARES, Carmen. L. Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa do Século XIX. Campinas: Autores associados, 1998.

STRUNA, Nancy. L. Pesquisa histórica em atividade física. In: THOMAS, Jerry. R.; NELSON, Jack. K.; SILVERMAN, Stephen. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5ª ed. Cap. 12. Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 189-201.

VIGARELLO, Georges. As metamorfoses do gordo. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2021-03-03

Edição

Seção

Artigos Originais