Experimentando as atividades circenses e ressignificando as relações sociais na escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2021e77923

Palavras-chave:

Atividades circenses, Corporeidade, Sociologia da infância

Resumo

O objetivo desse estudo é analisar as potencialidades das atividades circenses na ressignificação das relações interpessoais no cotidiano escolar, encorajadas pela ampliação artística  e afetiva ao longo do processo de ensino e aprendizagem dessa prática corporal. O processo foi desenvolvido durante um semestre letivo, em uma escola pública (municipal) da cidade de Bauru-SP, com participação de 28 crianças de uma turma de 5º ano do Ensino Fundamental. A análise dos dados, fundamentada na análise de conteúdo, evidenciou três categorias correspondentes às práticas corporais, às experiências estéticas e o protagonismo e coletivo infantis como potencializadoras para a transformação das relações sociais. Na primeira categoria a cooperação e o respeito foram fortalecidos. Já a segunda promoveu trocas de experiências e a criação artística coletiva, e a terceira o fortalecimento da autonomia e do diálogo. Com isso, as atividades circenses revelam-se potente caminho para a (re)construção qualitativa das relações sociais na escola.

Biografia do Autor

Mariana Harue Yonamine, UNESP- BAURU

Graduada em Licenciatura em Pedagogia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- Faculdade de Ciências, Departamento de Educação, Bauru, Brasil.    

Fernanda Rossi, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências UNESP câmpus Bauru

Professora Assistente Doutora do Departamento de Educação - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Faculdade de Ciências, Departamento de Educação, Bauru, SP, Brasil

Referências

BARRAGÁN, T. O. Circo na escola: por uma educação corporal, estética e artística. 214f. Tese (Doutorado em Educação Física, na Área de Educação Física e Sociedade). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, 2016.

BRASIL, Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC/SEB, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>Acesso em: 18/08/2020.

BOGDAN, R. C; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, 1994.

BORTOLETO, M. A. C. Atividades Circenses: notas sobre a pedagogia da educação corporal e estética. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 43-55, jul. 2011.

BUSS-SIMÃO, M.; et al. Corpo e Infância: natureza e cultura em confronto. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 03, p. 151-168, dez. 2010.

DUPRAT, R. M; BORTOLETO, M. A. C. Educação Física Escolar: pedagogia e didática das atividades circenses. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, v. 28, n. 2, p. 171-189, jan. 2007.

DUPRAT, R. M; BORTOLETO, M. A. C. Malabares: bolas. In: BORTOLETO, M. A. C. (Org). Introdução à pedagogia das Atividades Circenses. Jundiaí/SP: Editora Fontoura, p. 39-66, 2008.

DUPRAT, M. A; GALLARDO, P. S. J. Artes Circenses no âmbito escolar. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

ELLIOTT, J. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In: GERALDI, C. M. G. et al. (Orgs.). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado de Letras: ABL, 1998. p. 137-152.

FERNANDES, F. As ‘Trocinhas’ do Bom Retiro. Contribuições do Estudo Folclórico e Sociológico da Cultura e dos Grupos Infantis. Revista Pro-Posições, v. 15, n. 43, p. 229-250, jan/abr. 2004 [1979].

FREITAS, G. G. O esquema corporal, a imagem corporal, a consciência corporal e a corporeidade. Ijuí: Ed. Unijuí, 1999.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GIL, C. A. Como elaborar projetos de pesquisa: 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HERMANN, N. O enlace entre corpo, ética e estética. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, 2018. p. 1-16.

INVERNÓ, J. Circo y educación física: outra forma de aprender. Barcelona: Inde Publicaciones, 2003.

MARCHI, J. M. “Faz assim ó:” Como as crianças ensinam e o que a escola podem aprender com elas. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

MERLEAU-PONTY, M. A fenomenologia da percepção: 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Revista Ciência e Saúde. v. 17, n. 3, p. 621-626, 2012

MÜLLER, F. Socialização na escola: transições, aprendizagem e amizade na visão das crianças. Educar em Revista, v. 32, p. 123-141, 2008.

NÓBREGA, T. P. Qual o lugar do corpo na educação? notas sobre o conhecimento, processos cognitivos e currículo. Revista Educação e Sociedade, v. 26, n. 91, p. 599-615, maio-ago, 2005.

PEREIRA, E. R; MAHEIRIE, K. Aprendiz circense e contemplador: olhares que dialogam entre a incompletude e o acabamento. Fractal: Revista de Psicologia, v. 28, n. 1, p. 134-138, jan.-abr. 2016.

SANTOS, L. A. M, Diálogos entre o pensamento de Merleau-Ponty e o campo educacional: reflexões sobre a corporeidade nas aulas de educação física escolar. In: NÓBREGA, T. P.; CAMINHA, I. O. Merleau-Ponty e a Educação Física. São Paulo: Liber Ars, p. 107-118, 2019.

ZIMMERMANN, A. C; SAURA, S. C. Corpo e Espanto na Filosofia de Merleau-Ponty. In: NÓBRGA, T. P.; CAMINHA, L. O. Merleau-Ponty e a Educação Física. São Paulo: Líber Ars, p. 119-131, 2019.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Edição

Seção

Artigos Originais