Educação Física na escola indígena dos Borari da terra indígena Maró

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e86176

Palavras-chave:

Educação física, Educação escolar indígena, Práticas corporais tradicionais

Resumo

Este trabalho resulta da pesquisa de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) intitulada: Educação Física e Educação Escolar Indígena: o caso dos Borari da Terra Indígena Maró. A pesquisa teve como objetivo geral compreender o desenvolvimento do componente curricular Educação Física em uma escola indígena do município de Santarém-PA. A pesquisa caracterizou-se como um estudo exploratório e os dados produzidos foram analisados mediante a técnica da Análise de Conteúdo. Os resultados encontrados demonstraram que o componente curricular Educação Física estava organizado na escola indígena a partir de uma sistematização em três grandes categorias de ensino: Jogos e Brincadeiras, Práticas Corporais Tradicionais e a Modalidade Esportiva Futebol, conteúdos que foram sistematizados pelos docentes indígenas mediante a necessidade de implementar uma proposta de ensino diferenciada em sua escola, na qual os conhecimentos tradicionais presentes no cotidiano indígena são introduzidos na instituição escolar.  

Biografia do Autor

Ingrid Coelho de Jesus, UFOPA

graduação em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (2018) e mestrado em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará (2021). Atualmente é professora de Educação Física na SEDUC e SEMED Amazonas. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, Educação Escolar Indígena, formação continuada, avaliação em larga escala, educação integral e ensino superior-currículo.

Gilberto César Lopes Rodrigues, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutor em Educação na área de concentração em Filosofia e História da Educação do PPGE/UNICAMP. Mestre em Filosofia na área de concentração em Filosofia da Mente, Epistemologia e Lógica do PPGF da UNESP-Marília. Licenciado em Filosofia na Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP-Marília. Professor do quadro permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e do Mestrado Profissional em Educação Escolar Indígena da rede UEPA-UFPA-UNIFESSPA-UFOPA.

Referências

ABREU, Joniel Vieira de. A implementação da educação escolar indígena no município de Santarém no período de 2006 a 2012. 151 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Belém/ PA, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Congresso Nacional, 1988. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/Constituicoes_Brasileiras/constituicao1988.html. Acesso em 20 de agosto de 2019.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. - Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=26700. Acesso em 20 de agosto de 2019.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei 9.394 completa e atualizada. Centro de produções técnicas, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 16 de agosto de 2019.

FASSHEBER, Jose Ronaldo Mendonça. Etno Desporto indígena: contribuições da antropologia social a partir da experiencia entre os Kaingang. 170p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, SP, 2006.

GONZÁLES, Fernando Jaime. FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. Entre o “não mais” e o “ainda não”: Pensando saídas do não-lugar da EF escolar I. Cadernos de Formação RBCE, p. 9-24, set. 2009. Disponível em: http://www.unesc.net/portal/resources/files/354/entre_o_nao_mais_e_o_ainda_nao.pdf. Acesso em 01 de junho de 2021.

GRUPPI, Deoclecio Rocco. Jogos dos povos indígenas: trajetória e interlocuções. Tese (doutorado) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2013.

PARENTE, Claudia da Mota Darós. Escolas Multisseriadas: a experiência internacional e reflexões para o caso brasileiro. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.22, n. 82, p. 57-88, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40362014000100004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 07.06.2021.

RODRIGUES, Gilberto César Lopes. Surara Borari, Surara Arapium: a educação escolar no processo de reafirmação étnica dos Borari e Arapium da terra indígena Maró. 216f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2016.

RODRIGUES, Gilberto César Lopes. Quando a escola é uma flecha: Educação Escolar Indígena e Territorialização na Amazônia. Revista Exitus, Santarém/PA, vol. 8, nº 3, p. 396-422, Set/dez. 2018. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/651. Acesso em 20 de agosto de 2019.

SANTARÉM. Projeto Político Pedagógico Indígena. Projeto Político Pedagógico Makú. Santarém-Cachoeira do Maró- Pará. Junho de 2021. Disponível em: https://1drv.ms/b/s!AsCHdXXh8G_hrEhn1EVsOguO6Epj?e=PD4jKx. Acesso em 20 de agosto de 2021.

SILVA, Georgia da. Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação dos Limites da Terra Indígena Maró, Elaborado Conforme Portaria No 14/MJ/1996. In: Processo FUNAI 08620.000294/2010. Brasília: FUNAI, 2011, folhas. 317-518.

TRIVINOS, Algusto. Nibaldo. Silva. Introdução a pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Edição

Seção

Artigos Originais