Entre a retórica do cuidado e a burocracia esportiva: infâncias trans em jogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e86465

Palavras-chave:

Infâncias trans, Corpo, Esporte, Gênero

Resumo

Neste ensaio, discutimos a participação de pessoas trans no esporte de alto rendimento. Nos serviremos de um caso divulgado na mídia, consistindo em material de domínio público, como fio condutor da discussão. O discurso psicobiomédico, assentado no pressuposto de unidade do sujeito e organizado numa matriz cis-heteronormativa binária, contribui para produzir e operar a noção de coerência na classificação dos corpos. No esporte, um de seus efeitos se apresenta na objeção à participação de atletas trans nas arenas esportivas, recorrendo a critérios biofisiológicos que consideram os hormônios andrógenos determinantes para o aumento do desempenho. Argumento que pode ser questionado ao olharmos para casos de crianças trans impossibilitadas ou dificultadas de participar do esporte. Aqui, os hormônios cedem lugar ao aparelho jurídico-institucional para fazer funcionar a burocracia esportiva e seu controle sobre os corpos. Ao expor os limites deste argumento, encontramos as razões biopolíticas que atravessam a gestão dos corpos.

Biografia do Autor

Talita Machado Vieira, Departamento de Psicologia Social e Institucional da UEL/Professora Colaboradora

Graduação em Psicologia pela UEL; Mestra em Psicologia pela UNESP de Assis; Doutora em Psicologia pela UNESP de Assis com período sanduíche na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

José Sterza Justo, UNESP de Assis/Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Graduação em Psicologia pela UNESP Mestrado em Psicologia Educacional pela PUC-SP Doutorado em Psicologia Social pela PUC-SP Livre-Docente em Psicologia do Desenvolvimento pela UNESP de Assis Pós-Doutorado em Psicologia pela Universitat Autònoma de Barcelona Docente da Pós-Graduação em Psicoloigia da UNESP de Assis  

Leonardo Lemos de Souza, UNESP de Assis/Professor Associado

Graduação em Psicologia pela UNESP de Assis Mestrado em Psicologia pela UNESP de Assis Doutorado em Educação pela UniCamp  Livre-Docente em Psicologia do Desenvolvimento pela Unesp de Assis Pós-Doutorado em Psicologia pela Universitat de Barcelona Professor Associado da Unesp de Assis, atuando na Graduação e Pós-Graduação em Psicologia (UNESP/Assis) e na Pós-Graduação em Educação (UNESP/Marília).

Referências

BERNARDES, Elizabeth Lannes. Infância, jogos e brinquedo na modernidade. Cadernos de História da Educação, n. 12, v. 2., jul./dez., 2013, p. 503-516. Disponível em: https://docplayer.com.br/34074719-Infancia-jogos-e-brinquedos-na-modernidade-childhood-games-and-toys-in-modernity-resumo.html. Acesso em: 11 nov. 2021.

BURMAN, Erica. Origens. In: BURMAN, Erica. Deconstructing Developmental Psychology. Londres: Routledge, 2008. Tradução: Amana Mattos.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Eric Seger. Pessoas trans no esporte: os jogos da cisnormatividade. 2020. 155f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Porto Alegre, 2020.

CARLSON, Neil R. Fisiologia do comportamento. Tradução de Liana Lins Melo; Elenice A. de Morais Ferrari; Suzete Maria Cerutti; Paulo José de Campos Nogueira. 1ª edição brasileira. Barueri: Manole, 2002.

CORRECTION: Serum androgen levels and their relation to performance in track and field: mass spectrometry results from 2127 observations in male and female elite athletes. British Journal of Sports Medicine, v. 55, n. 17, e7, set. 2021. Disponível em: https://bjsm.bmj.com/content/55/17/e7.full . Acesso em: 03 mar. 2022.

COSTA, Giulia. Homens trans montam time de futebol para chamar de seu. 21 de setembro de 2019. O Globo [on-line]. Disponível em: https://oglobo.globo.com/esportes/celina/homens-trans-montam-time-de-futebol-para-chamar-de-seu-23821089 . Acesso em: 26 jun. 2021.

CRUZ, Tania Mara; CARVALHO, Marília Pinto. Jogos de gênero: o recreio numa escola de ensino fundamental Cadernos Pagu, n. 26, 2006, p. 113-143. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332006000100006 . Acesso em: 23 nov. 2021.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sex/gender: biology in a social world. Nova York: Routledge, 2012.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. Nova York: Basic Books, 2000.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DE FOOTBALL ASSOCIATION. Regulations: FIFA gender verification. Zürich, 2011.

FELIPE, Jane.; CORSO, Luciana Vellinho. (Orgs.) Para pensar a Educação Infantil em tempos de retrocessos. Porto Alegre: Evangraf, 2017, p. 17-35.

FINCO, Daniela. Questões de gênero na educação da pequena infância brasileira. Studi sulla fomazione. v. 18, p. 47-57, 2015. Disponível em: https://www.torrossa.com/en/resources/an/3116205# . Acesso em: 11 nov. 2021.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 6ª ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

GODOY, Karine Natalie Barra; MOURÃO, Ludmila; OLIVEIRA, Ayra Lovisi; CHAVES, Bruna Silveira. Construção das identidades de gênero na infância: os discursos dos brinquedos e brincadeiras. Pensar a Prática, v. 24, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rpp.v24.64935 . Acesso em: 03 mar. 2022.

GRAEML, Cristina. Luta por igualdade: mulheres se unem para banir atletas trans do esporte feminino. 07 de junho de 2020. Gazeta do Povo [on-line]. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/ideologia-de-genero-mulheres-se-unem-para-banir-atletas-trans-do-esporte-feminino/ . Acesso em: 26 jun. 2021.

GRESPAN; Carla Lisboa; GOELLNER, Silvana Vilodre. Fallon Fox: um corpo queer no octógono. Revista Movimento, Porto Alegre, v. 20, n. 4, p. 1265-1282, out./dez., 2014.

GUERRERO MC MANUS, Siobhan Fenella; MUÑOZ CONTRERAS, Leah. Epistemologías transfeministas e identidad de género en la infancia: del esencialismo al sujeto del saber. Estudios de Género de El Colegio de México, v. 4, mayo, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.24201/eg.v4i0.168. Acesso em: 15 abr. 2021.

INTERNATIONAL OLYMPIC COMMITTEE, Consensus Meeting on Sex Reassignment and Hyperandrogenism. 2015. Disponível em: https://stillmed.olympic.org/Documents/Commissions_PDFfiles/Medical_commission/2015-11_ioc_consensus_meeting_on_sex_reassignment_and_hyperandrogenism-en.pdf . Acesso em: 03 mar. 2022.

IOC Rules transgender athletes can take part in Olympics without surgery. The Guardian, 25 jan. 2016. Disponível em: http://www.theguardian.com/sport/2016/jan/25/ioc-rules-transgender-athletes-can-take-part-in-olympics-without-surgery . Acesso em: 24 jun. 2021.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida; ONO, Andréia Tiemi. Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca. Pró-posições, v. 3, n. 37, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/XN7yv7jS8vTq99xLhRC7vtJ/?lang=pt&format=pdf . Acesso em: 11 nov. 2021.

MIRANDA, Debora. “Vamos até o fim”, diz federação que impediu patinadora trans de competir. 26 de abril de 2019. Universa Uol [on-line]. Disponível em: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2019/04/26/vamos-ate-o-fim-diz-federacao-que-impediu-patinadora-trans-de-competir.htm . Acesso em: 26 jun. 2021.

MORUZZI, Andrea Braga. Infância como dispositivo: uma abordagem foucaultiana. Conjectura: Filosofia e Educação. Caxias do Sul, v. 22, n. 2, p. 279-299, maio/ago. 2017. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/viewFile/4086/pdf. Acesso em: 03 mar. 2022.

OLIVEIRA, Carol; GUERRA, Marcos. Leva vantagem? Consultora do COI não acredita em reviravolta do caso Tifanny. 01 de fevereiro de 2018. Globo Esporte [on-line]. Disponível em: https://globoesporte.globo.com/volei/noticia/leva-vantagem-consultora-do-coi-nao-acredita-em-reviravolta-do-caso-tifanny.ghtml . Acesso em: 26 de junho de 2021.

OLIVEIRA, José Carlos. Participação de transgêneros no esporte divide opiniões na Câmara. 10 de junho de 2019. Comissão do Esporte [on-line]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cespo/noticias/participacao-de-transgeneros-no-esporte-divide-opinioes-na-camara . Acesso em: 26 de junho de 2021.

PEREIRA, Adriana Bernardes. A mulher e o esporte: do desafio da desigualdade ao desacerto com as questões de gênero. In: RUBIO, Katia; CAMILO, Juliana A. de Oliveira (Orgs). Psicologia Social do Esporte. São Paulo: Laços, 2019. p. 37-68.

PIRES, Bárbara Gomes. O legado das regulações esportivas. Diagnóstico e consentimento na elegibilidade da categoria feminina. Sexualidad, Salud y Sociedad – Rev. Latinoamericana, n. 35, p. 283-307, 2020.

PIRES, Bárbara Gomes. Pânicos de gênero, tecnologias do corpo: regulações da feminilidade no esporte. Revista Estudos Feministas [online], v. 29, n. 2, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n279320 . Acesso em: 02 dez. 2021.

PIRES, Breiller. A primeira transexual na Superliga feminina de vôlei: entre a ciência e o preconceito. 28 de janeiro de 2018. El país [on-line]. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/27/deportes/1517010172_234948.html . Acesso em: 26 jun. 2021.

PRECIADO, Paul Beatriz. Quem defende a criança queer? Jangada-crítica, literatura, artes, Viçosa, 2013, p. 96-99.

SALGADO, Raquel Gonçalves; SOUZA, Leonardo Lemos de. Infâncias nas dobras da norma: entre narrativas e experiências de gêneros no ciberespaço. Interfaces Científicas - Educação, v. 8, n. 2, p. 16-30, abr., 2020. Disponível em: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p16-30 . Acesso em: 15 maio 2021.

SANTOS, André Pereira dos; BARBATO, Silviane Bonnacorsi; DELMONDEZ, Polianne. Polifonia na produção do binarismo de gênero em brincadeiras na primeira infância. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 4, p. 758-772, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-3703002302017 . Acesso em: 12 nov. 2021.

SÃO PAULO. Projeto de Lei nº 346 de abril de 2019. Assembleia Legislativa de São Paulo. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1000261787 . Acesso em: 26 jun. 2021.

SEKKEL, Marie Claire. O brincar e a invenção do mundo em Walter Benjamin e Donald Winnicott. Psicologia USP. v. 27, n. 1, p. 86-95, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pusp/a/TgRvPjbwXzMVm3yyQZCP9Tn/?format=pdf&lang=pt . Acesso em: 11 nov. 2021.

ZANETTE, Jaime Eduardo; FELIPE, Jane. Dos enigmas da infância: quando a transexualidade tensiona os scripts de gênero. In: ALBUQUERQUE, Simone Santos de; FELIPE, Jane; CORSO, Luciana Vellinho (orgs.) Para se pensar a educação infantil em tempos de retrocessos: lutamos pela educação infantil. Porto Alegre: Evangraf, 2017. p. 17-35.

Downloads

Publicado

2022-09-01

Edição

Seção

Porta Aberta