A universidade e o homo-politicus: qual o sentido da formação universitária no campo da Educação Física em tempos de crise? Educação física para quê?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e89843

Palavras-chave:

Universidade, Política, Professor, Educação Física

Resumo

Esta reflexão procura olhar para a universidade em sua dimensão política e, a partir deste olhar, pensar a formação em Educação Física em tempos de crise. Trata-se de uma reflexão interpretativa que tem como metodologia de análise, uma hermenêutica de perguntas e respostas, de construção e desconstrução. O texto foi organizado em três momentos: no primeiro versa sobre a dimensão política apresentando dois tipos de homens/mulheres: o “homo-violentus” e o “homo-sabius” com suas caraterísticas particulares. No segundo convoca-se a universidade, onde parecem habitar estes dois tipos de homo(s): o “homo-violentus” que chama a si a política do poder e o “homo-sabius” que chama a si a política da justiça. Por fim, no terceiro momento, foi abordada a formação universitária em Educação Física em tempos de crise, onde se buscou responder à questão “Educação Física para que?”, tendo como referência (também) os dois momentos anteriores.

Biografia do Autor

Antonio Camilo Cunha, Universidade do Minho

Prof. Dr. com Agregação em Pedagogia do Desporto Universidade do Minho, Instituto de Educação, CIEC Braga, Portugal

Zenaide Galvão , Universidade do Minho

Doutoranda em Estudos da Criança Universidade do Minho, Instituto de Educação, CIEC Braga, Portugal

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicómaco. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985. Tradução de Mário da Gama Kury.

BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

DELEUZE, Gilles. Espinosa. Filosofia Prática. São Paulo: Escuta, 2015.

ESPINOSA, Baruch. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 36 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Editora Vozes, 1989.

GARRARD, Graeme.; MURPHY, James Bernard. Como pensar politicamente: sábios, académicos e estadistas cujas ideias moldaram o mundo. Lisboa: Temas e Debates - Círculo de Leitores, 2021.

HARARI, Yuval Noah. Homo Deus. Amadora: Elsinore, 2017. Tradução de Bruno Vieira Amaral

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Sobre a essência da linguagem: a respeito do tratado de Herder sobre a origem da linguagem. Petrópolis: Vozes, 2015. Tradução de Enio Paulo Giachini

MERLEAU-PONTY, Maurice. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre educação. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

PLATÃO. República. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2007. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira

SERRES, Michel. Hominescência. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

SERRES, Michel. Tempo de crises. Lisboa: Guerra e Paz – Editores, 2019.

TEILHARD DE CHARDIN, Pierre. El fenómeno humano. Madrid: Orbis, 1984.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Edição

Seção

Seção Temática