Doutoras professoras negras: o que nos dizem os indicadores oficiais - doi: 10.5007/2175-795X.2010v28n1p19

Joselina da Silva

Resumo


Este texto se propõe a fazer uma análise sobre a participação das mulheres negras com doutorado ou mais e atuantes no ensino universitário, até o ano de 2005. Apoiamo-nos nos indicadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que aponta um total de 63.234 docentes na educação universitária, dos quais apenas 251 são negras. Segundo Bordi e Bautista (2007), há um número significativamente inferior de mulheres nos campos de representações de poder, no âmbito universitário, uma vez que o desempenho individual não constitui a principal chave responsável por permitir a ascensão na carreira. O trabalho de Kiss, Barrios e Álvarez (2007) acrescenta que o acesso àquele mundo inclui também as relações de poder mediadas pelas de gênero. Num dos esparsos estudos brasileiros sobre o tema, Carvalho (2007) nos fala do ambiente inóspito para os afro-brasileiros quando logram ingressar na qualidade de docentes. Assim, podemos pensar que o íntimo número de doutoras negras é uma consequência da conjunção de fatores como o sexismo e o racismo. Nosso intento é, portanto, demonstrar as acentuadas disparidades quando observamos a atuação das variáveis raça e gênero, notadamente no âmbito da Educação Superior brasileira.

Palavras-chave


Negras; Ensino Superior; Relações étnicas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-795X.2010v28n1p19

Direitos autorais 2011 Joselina da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.