Indústria cultural e mercantilização da cultura como projeto de semiformação na educação da infância moderna

Anilde Tombolato Tavares da Silva, Sinésio Ferraz Bueno

Resumo


O presente artigo se propõe delinear o caminho da reflexão adorniana sobre a Indústria Cultural, mercantilização da cultura e semiformação, por meio da revisão de literatura e apoio do referencial teórico metodológico da Teoria Crítica da Sociedade e, a partir daí, estabelecer uma reflexão acerca da importância do processo de formação cultural como projeto de emancipação do indivíduo. Nesse sentido, considera-se relevante pensar a maneira como a cultura torna-se veículo de semiformação ao invés de condutor para a emancipação na educação da infância moderna. Procura-se evidenciar que o indivíduo é estimulado a pensar-se como ser singular e livre, mas que constrói a partir da mercantilização dos bens culturais um espírito míope que o condiciona ao isolamento de si para si no mundo, mediante o princípio da conformidade.


Palavras-chave


Indústria cultural; Teoria crítica; Semiformação; Educação

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2017v35n4p1164



Direitos autorais 2018 Anilde Tombolato Tavares da Silva, Sinésio Ferraz Bueno

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.