Uso de metodologias ativas para uma aprendizagem significativa no ensino de geografia

Autores

  • Maria Mikael Pereira UFPI
  • Sara Raquel Cardoso Teixeira de Sousa
  • Thais Costa Medeiros
  • Carlos de Oliveira Bispo

Palavras-chave:

Ensino de Geografia, Metodologias ativas, Autonomia, Aprendizagem significativa

Resumo

Este artigo discute o uso das metodologias ativas de aprendizagens como estratégias pedagógicas. Nesse intento, tem-se como objetivo investigar o uso de metodologias ativas de aprendizagens como estratégias pedagógicas na promoção de uma educação geográfica contextualizada. O estudo foi desenvolvido a partir de pesquisa qualitativa de abordagem descritiva e os dados foram produzidos por meio de pesquisa bibliográfica e de campo. Observou-se a existência de variadas estratégias através das quais os estudantes podem aprender de forma ativa, exercendo a sua autonomia. No universo pesquisado notou-se que apenas 50% dos professores aprenderam sobre essa temática durante a formação docente, porém, todos afirmaram acreditar que as metodologias ativas favorecem a aprendizagem dos estudantes. Em síntese, há um reconhecimento da importância do uso das metodologias ativas para a aprendizagem, mas no contexto atual de distanciamento social devido a pandemia do COVID-19 os profissionais encontram ainda mais dificuldades para aplicá-las nas aulas remotas.

Referências

AMARAL, João Joaquim Freitas do. Como fazer uma pesquisa bibliográfica. Fortaleza: Ed. da Universidade Federal do Ceará, 2007.

BACICH, Lilian; MORAN, José Manuel. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida.

Revista Pátio, São Paulo, v. 17, n. 25, p. 45-47, 2015. Disponível em: https://shortest.link/1MJc. Acesso em: 12 jul. 2021.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan.-jun. 2011. Disponível em: https://shortest.link/1MIU. Acesso em: 18 mai. 2021.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução: Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

CALLAI, Helena Copetti. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos (org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000. p. 87-134.

CAMPOS, Gilda Helena Bernadino. Práticas pedagógicas, inovação e tecnologias. Curitiba: CRV, 2018.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. 4. ed. Campinas: Papirus, 1998.

DEWEY, John. Vida e educação. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

FONSECA, João José Saraiva da; MOURA, Anaisa Alves de. A aprendizagem invertida em educação a distância. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (CIAED), 21., Bento Gonçalves, 2015. Anais [...]. Bento Gonçalves: Associação Brasileira de Educação a Distância, 2015, p. 1-10. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/BD_86.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

FRIED-BOOTH, Diana. Project Work. 2 ed. New York: Oxford University Press, 2002.

SANTOS, Cintia da Silva; TADEU, Silvia Santos. Relato de Vivência, Experiência e Aprendizagem na Escola Municipal de Ensino Fundamental General Freitas Brandão. Relatório de Estagio Supervisionado em Ensino de Geografia II, São Cristóvão, 2014. [no prelo].

SARAIVA, Irene Skoruspsk. Aprendendo com alunos: uma experiência dialógica no curso de pedagogia anos iniciais. In. MÜHL, Eldon Henrique; ESQUINSANI, Valdocir A. (orgs.). O diálogo ressignificando o cotidiano escolar. Passo Fundo: UPF Ed., 2004. p. 124-152.

Downloads

Publicado

2021-11-29

Edição

Seção

Artigos Científicos