A mulher na sociedade de classes: um clássico dos estudos de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n176729

Palavras-chave:

Heleieth Saffioti, Feminismo, Estudos de Gênero, Análise Bibliométrica

Resumo

Este artigo discute a recepção da obra de Heleieth Saffioti, com ênfase no livro A mulher na sociedade de classes: mito e realidade, nas Ciências Sociais e Humanas brasileiras ao longo das últimas 5 décadas. O objetivo do artigo é mostrar como a circulação dos escritos de Saffioti se manteve irregular e como dialoga com a área de estudos de gênero e feminista no país. Para tal, é realizada uma análise bibliométrica das citações à autora, bem como são investigadas as dinâmicas de formação e consolidação do campo dos estudos de gênero no Brasil.

Biografia do Autor

Bila Sorj, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Coordenadora do Núcleo de Estudos de Sexualidade e Gênero (NESEG) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora titular do Departamento de Sociologia do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da mesma universidade. Suas áreas de interesse são trabalho e família, políticas públicas e gênero e movimentos feministas.

Anna Bárbara Araujo, Universidade de São Paulo

Doutora (2019) e mestra (2015) pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é bolsista de pós-doutorado no Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP). É pesquisadora associada ao Núcleo de Estudos de Sexualidade e Gênero (NESEG/UFRJ) e ao Laboratório de Estudos de Gênero e Interseccionalidade (LABGEN/UFF). Tem interesse nos seguintes temas: cuidado, trabalho doméstico, interseccionalidades, políticas públicas, emoções e teoria feminista.

Referências

AGUIAR, Neuma. “Mulheres na força de trabalho na América Latina: um ensaio bibliográfico”. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais - BIB, Rio de Janeiro, n. 16, p. 94-122, 2º semestre 1983.

ALMEIDA, Vanessa Ponstinnicoff. “Repercussões da violência na construção da identidade feminina da mulher presa: um estudo de caso”. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 26, n. 4, p. 604-619, dez. 2006.

ÁLVARES, Maria Luzia Miranda. “Entre eleitoras e elegíveis: as mulheres e a formação do eleitorado na democracia brasileira: quem vota? quem se candidata?”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 119-167, dez. 2014.

BAEHR, Peter; O’BRIEN, Mike. “Founders, classics and the concept of a canon”. Current Sociology, v. 42, n. 1, p. 1-151, mar. 1994.

BERNARDES, Nara Maria. “Vida cotidiana e subjetividade de meninas e meninos das camadas populares: meandros de opressão, exclusão e resistência”. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 12, n. 3-4, p. 24-34, 1992.

BIDERMAN, Ciro; GUIMARÃES, Nadya Araujo. “Na ante-sala da discriminação: o preço dos atributos de sexo e cor no Brasil (1989-1999)”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 177-200, maio/ago. 2004.

BIROLI, Flávia. “Divisão sexual do trabalho e democracia”. Dados, Rio de Janeiro, v. 59, n. 3, p. 719-754, jul./set. 2016.

BLAY, Eva. A mulher e o trabalho qualificado na indústria paulista. 1973. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Faculdade de Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

BRITO DA MOTTA, Alda. “As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 13, p. 191-221, 1999.

BRUSCHINI, Cristina. “Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 27, p. 5-17, 1978.

BRUSCHINI, Cristina. “Trabalho feminino: trajetória de um tema, perspectivas de futuro”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 17-32, 1994.

BRUSCHINI, Cristina. “Women and labor in Brazil: the history of an issue and prospects for the future”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, special issue, p. 175-185, 1999.

BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. “Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 64, p. 4-13, 1988.

CAMPOS, Maria Malta; OLIVEIRA, Marta Kohl de. “Resenha de: A mulher na sociedade de classe: mito e realidade”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 15, p. 151-152, 1975.

CARNEIRO, Sueli. “Gênero, raça e ascensão social”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 544-552, 1995.

CASTRO, Mary Garcia. “Gênero e poder: leituras transculturais: quando o sertão é mar, mas o olhar estranha, encalha em recifes”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 49-77, 2001.

CASTRO, Mary Garcia. “Alquimia de categorias sociais na produção de sujeitos políticos: gênero, raça e geração entre líderes do Sindicato de Trabalhadores Domésticos em Salvador”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, n. 0, p. 57-73, 1992.

CELARENT, Barbara. “Women in class society by Heleieth I. B. Saffioti”. American Review of Sociology, Chicago, v. 119, n. 6, p. 1.821-1.827, maio 2014.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

CORRÊA, Mariza. “Apresentação”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 36, p. 7, 2011.

CORRÊA, Mariza. “Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 13-30, 2001.

CORRÊA, Mariza. “Repensando a família patriarcal brasileira”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, p. 5-16, 1981.

COSTA, Albertina; BRUSCHINI, Cristina. “Uma contribuição ímpar: os Cadernos de Pesquisa e a consolidação dos estudos de gênero”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 80, p. 91-99, 1992.

COSTA, Ana Alice; SARDENBERG, Cecília. “Teoria e práxis feministas na academia: os núcleos de estudos sobre a mulher nas universidades brasileiras”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, n. especial, p. 387-400, 1994.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; ANTUNES, Fátima Ferreira. “Magistério primário: profissão feminina, carreira masculina”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 86, p. 5-14, 1993.

FANINI, Michele Asmar. “A (in)elegibilidade feminina na Academia Brasileira de Letras: Carolina Michaëlis e Amélia Beviláqua”. Tempo Social, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 149-177, jun. 2010.

FANINI, Michele Asmar. “Júlia Lopes de Almeida teatróloga: apontamentos sobre a peça inédita O caminho do bem”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 1.099-1.119, set./dez. 2013.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

FRANÇA, Isadora Lins; FACCHINI, Regina. “Estudos de gênero no Brasil: 20 anos depois”. In: MICELI, Sérgio; MARTINS, Carlos Benedito (Orgs.). Sociologia brasileira hoje. Cotia: Ateliê Editorial, 2017. v. 1, p. 283-358.

GONÇALVES, Renata. “Apresentação de A mulher na sociedade de classes”. In: SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013. p. 11-21.

GRAF, Laila Priscila; COUTINHO, Maria Chalfin. “Entre aves, carnes e embalagens: divisão sexual e sentidos do trabalho em abatedouro avícola”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 761-783, set./dez. 2012.

GREGORI, Maria Filomena. “Limites da sexualidade: violência, gênero e erotismo”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 51, n. 2, p. 575-606, 2008.

GROSSI, Miriam Pillar. “A Revista Estudos Feministas faz 10 anos: uma breve história do feminismo no Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. especial, p. 211-221, set./dez. 2004.

HEILBORN, Maria Luiza; SORJ, Bila. “Estudos de gênero no Brasil”. In: MICELI, Sérgio (Org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: ANPOCS/CAPES; Editora Sumaré, 1999. p. 183-221.

HIRATA, Helena; HUMPHREY, John. “Estruturas familiares e sistema produtivo: famílias operárias na crise”. Tempo Social, São Paulo, v. 4, n. 1-2, p. 111-131, jan./dez. 1992.

IMHOF, Afonso. “A mulher operária em Joinville: situação, preconceito e discriminação (projeto de pesquisa)”. Revista de História, São Paulo, n. 111, p. 209-217, 1977.

KOMINSKY, Ethel. “Por uma etnografia feminista das migrações internacionais: dos estudos de aculturação para os estudos de gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 3, p. 773-804, set./dez. 2007.

KOMINSKY, Ethel. “Questões de gênero em estudos comparativos de imigração: mulheres judias em São Paulo e em Nova York”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 23, p. 279-328, jul./dez. 2004.

LEWIN, Helena. “Educação e força de trabalho feminina no Brasil”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 32, p. 45-59, 1980.

LOURO, Guacira Lopes. “Análise da evolução da educação brasileira”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 95-110, 1982.

LOURO, Guacira Lopes. “Magistério de 1º grau: um trabalho de mulher”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 31-39, 1989.

MATOS, Marlise; PARADIS, Clarisse Goulart. “Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 57-118, jul./dez. 2014.

MELLO, Soraia Carolina de. “Claudia nas décadas de 1970-1980: feminismo, antifeminismo e a superação de um suposto passado radical”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 2, e51203, 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. “Voltando à discussão sobre capitalismo e patriarcado”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 1.219-1.237, set./dez. 2017.

MIRANDA, Glaura Vasques de. “A educação da mulher brasileira e sua participação nas atividades econômicas em 1970”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 15, p. 21-36, 1975.

MOSCHKOVICH, Marília. “‘Gênero’, em português”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 49, e174918, 2017.

MOTT, Maria Lúcia. “Maternalismo, políticas públicas e benemerência no Brasil (1930-1945)”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 199-234, 2001.

MOTT, Maria Lúcia. “O curso de partos: deve ou não haver parteiras?”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 108, p. 133-160, nov. 1999.

MUNIZ, Jerônimo Oliveira; VENEROSO, Carmelita Zilah. “Diferenciais de participação laboral e rendimento por gênero e classes de renda: uma investigação sobre o ônus da maternidade no Brasil”. Dados, Rio de Janeiro, v. 62, n. 1, e20180252, 2019.

PAULILO, Maria Ignez. “FAO, fome e mulheres rurais”. Dados, Rio de Janeiro, v. 56, n. 2, p. 285-310, abr./jun. 2013.

PAULILO, Maria Ignez. “Trabalho familiar: uma categoria esquecida de análise”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 229-252, jan./abr. 2004.

PEDRO, Joana Maria. “Militância feminista e academia: sobrevivência e trabalho voluntário”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 87-95, jan./abr. 2008.

PEROSA, Graziela. “Educação diferenciada e trajetórias profissionais femininas”. Tempo Social, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 51-68, 2008.

PINHEIRO, Veralúcia. “O infanticídio como expressão da violência e negação do mito do amor materno”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 1-12, 2018.

PINTO, Céli. “O feminismo bem-comportado de Heleieth Saffioti (presença do marxismo)”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 321-333, jan./abr. 2014.

PRANDI, José Reginaldo. “A mulher e o papel da dona de casa: representações e estereótipos”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 51, n. 2, p. 109-121, 1981.

PRATES, Ian; LIMA, Márcia. “Emprego doméstico e mudança social: reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira”. Tempo Social, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 149-172, maio/ago. 2019.

PROCÓPIO, Adélia de Souza. “A política de gênero, do pessoal ao global”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 1.007-1.010, set./dez. 2016.

RAGO, Elisabeth Juliska. “A ruptura do mundo masculino da medicina: médicas brasileiras no século XIX”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 15, p. 199-225, 2000.

REVISTA ESTUDOS FEMINISTAS (REF). “Nota de Falecimento”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 3, p. 652, set./dez. 2010.

ROSEMBERG, Fúlvia. “O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil: o caso da creche”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 51, p. 73-79, 1984.

ROSEMBERG, Fúlvia; AMADO, Tina. “Mulheres na escola”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 80, p. 62-74, 1992.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classe: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013 [1969].

SAFFIOTI, Heleieth. “Entrevista com Heleieth Saffioti”. [Entrevista cedida a] Juliana Cavilha Mendes e Simone Becker. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 141-165, jan./abr. 2011.

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SAFFIOTI, Heleieth. “Posfácio: conceituando gênero”. In: SAFFIOTI, Heleieth; MUÑOZ-VARGAS, Monica (Orgs.). Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos/NIPAS; Brasília: UNICEF, 1994. p. 271-283.

SAFFIOTI, Heleieth. “Rearticulando gênero e classe social”. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 183-215.

SAMARA, Eni de Mesquita. “Casamento e papéis familiares em São Paulo no século XIX”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, p. 17-25, 1981.

SANTOS, Marinês Ribeiro; PEDRO, Joana Maria; RIAL, Carmen. “Novas práticas corporais no espaço doméstico: a domesticidade pop na revista Casa & Jardim durante os anos 1970”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 233-257, jan./abr. 2012.

SANTOS, Yumi Garcia dos. “A implementação dos órgãos governamentais de gênero no Brasil e o papel do movimento feminista: o caso do Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 27, p. 401-426, jul./dez. 2006.

SILVA, Maria Aparecida Moraes. “Dois olhares sobre Heleieth Saffioti: o nascimento de uma obra”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 159-162, 1995.

SORJ, Bila. “Dois olhares sobre Heleieth Saffioti: o feminismo adentra a academia”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 156-158, 1995.

SORJ, Bila. “Estudos de gênero: a construção de um novo campo de pesquisas no país”. In: COSTA, Albertina; MARTINS, Ângela Maria; FRANCO, Maria Laura Pugliesi Barbosa (Orgs.). Uma história para contar: a pesquisa na Fundação Carlos Chagas. São Paulo: Annablume, 2004. p. 119-140.

TELES, Maria Amélia de Almeida. “Violações dos direitos humanos das mulheres na ditadura”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 1.001-1.022, set./dez. 2015.

VARGAS, Joana Domingues. “Análise comparada do fluxo do sistema de justiça para o crime de estupro”. Dados, Rio de Janeiro, v. 50, n. 4, p. 671-697, 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Heleieth Saffioti – 50 anos d’A Mulher na Sociedade de Classes