Mãe é tudo igual? Enunciados produzindo maternidade(s) contemporânea(s)

Lisandra Espíndola Moreira, Henrique Caetano Nardi

Resumo


Este artigo analisa os enunciados relativos à maternidade que configuram o que chamamos de “norma” da maternidade. Seguimos as reflexões de Foucault, principalmente no que se refere à genealogia como forma de pensar o presente. Utilizamos o relato das trajetórias de mulheres que são mães e trabalhadoras para a produção dos materiais de análise. Os materiais possibilitaram a problematização de alguns enunciados que constituem a maternidade na contemporaneidade. Descrevemos a intensificação do investimento em um padrão de mulher mãe que tem como produto uma norma da maternidade. Essa norma da maternidade, apesar de ser produzida socialmente, passa a ser naturalizada. Ela funciona associando algumas características a um modo de ser mãe considerado mais adequado, tais como tempo e idade certos para ser mãe, número de filhos, condições financeiras. A partir dela, outros modos de ser mãe são avaliados e hierarquizados.


Palavras-chave


Maternidade; Enunciado; Discurso; Modos de Subjetivação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000200015

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.