Noções de família em políticas de ‘inclusão social’ no Brasil contemporâneo

Dagmar Estermann Meyer, Carin Klein, Letícia Prezzi Fernandes

Resumo


O artigo resulta de três pesquisas interligadas realizadas na Grande Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no período compreendido entre 2005 e 2010. A partir da perspectiva dos estudosculturais e de gênero pós-estruturalistas, e tomando gênero e vulnerabilidade como ferramentasteórico-metodológicas, examinamos três programas governamentais de ‘inclusão social', perguntando-nos: as noções de família que são produzidas, veiculadas e modificadas nelescontribuem para (re)produzir, diminuir ou manter a vulnerabilidade que se propõem a modificarou romper? A partir desse exame, argumentamos que tais programas operam com umagramática que institui ‘a’ família como alvo preferencial da ‘inclusão social’ e que eles interpelamdeterminados sujeitos e grupos sociais posicionando-os, ao mesmo tempo, tanto comoresponsáveis por problemas sociais complexos quanto por sua resolução.


Palavras-chave


Políticas Públicas de Inclusão Social; Família; Gênero; Vulnerabilidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000200005

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.