Não contar a ninguém ou contar a todo mundo? Colapsos da masculinidade em No se lo digas a nadie

Anselmo Peres Alós

Resumo


Tomando-se como pressupostos teóricos a narratologia e os queer studies, realiza-seaqui uma leitura crítica de No se lo digas a nadie (Não conte a ninguém), romance do peruanoJaime Bayly, publicado pela primeira vez em 1994, no qual se questiona o regime heteronormativosob o qual opera a sociedade peruana. Investe-se, para tanto, no potencial subversivo de umlugar de enunciação literária marcado pela diferença e pela resistência aos dispositivos deregulação das identidades sexuais.


Palavras-chave


Literatura Comparada; Romance Peruano; No se lo Digas a Nadie; Jaime Bayly

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.