O fenômeno do mal-estar docente: o caso do “professor de matemática”

Célia Maria Carolino Pires, Maurício Beranger

Resumo


O presente artigo tem como objetivo identificar e compreender comportamentos, atitudes e valores que constituem a especificidade de ser professor de Matemática e como se revela sua identidade profissional, composta e moldada por componentes de natureza cultural, religiosa, ética, entre outras e resultante de mudanças sociais, políticas, econômicas e tecnológicas. Analisa como um grupo de professores de Matemática de escolas públicas de São Paulo se percebe na sociedade atual e em suas comunidades de atuação, como interagem com orientações curriculares oficiais, como analisam resultados das avaliações e como se posicionam em relação a políticas públicas como o sistema de cotas e progressão continuada. Referencia-se em pesquisas de Sacristán (1995), Esteve (1995), Ferreira (1995) e Apple (2000), buscando entender o fenômeno do mal-estar docente, descrito por Esteve e suas implicações como o desânimo no exercício da profissão e o desprestígio social que tem como conseqüência a baixa procura, pelas novas gerações, de cursos de formação de professores de Matemática.


Palavras-chave


Mal estar docente; Professor de Matemática; Identidade profissional

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2009v4n1p78

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.