A modelagem matemática e o letramento estatístico no ensino de gráficos

Celso Ribeiro Campos, Cileda de Queiroz e Silva Coutinho

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de apresentar um projeto de modelagem matemática no qual os alunos da disciplina de Estatística de um curso de serviço em graduação são convidados a pesquisar gráficos estatísticos com o intuito de fazer uma análise crítica. À luz do conceito de letramento estatístico presente nos fundamentos da Educação Estatística, trabalhamos conjuntamente a competência crítica nesse projeto, que resultou em um aproveitamento bastante satisfatório dos alunos. Divididos em grupos, os alunos pesquisaram diferentes jornais, revistas e mídias digitais, construíram um relatório e fizeram uma breve apresentação dos seus resultados. Diversos casos de uso inadequado ou equivocado de gráficos foram apresentados e o engajamento dos alunos na atividade foi bastante proveitoso. Por fim, percebemos um desenvolvimento do letramento estatístico no que se refere ao estudo de gráficos, bem como ficou evidenciada a competência crítica nos alunos.


Palavras-chave


Letramento estatístico; Gráficos estatísticos; Competência crítica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Alrø, H., & Skovsmose, O. (2006). Diálogo e aprendizagem em educação matemática (Trad. Orlando Figueiredo). Belo Horizonte: Autêntica.

BRASIL. (2006). Orientações curriculares para o ensino médio. Volume 2: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica.

Brousseau, G. (1990). Le contrat didactique et le concept de milieu: Dévolution. in Revue Recherches en didactique des Mathématiques, 9(3), 309-336. (Actes de la Vème Ecole d'été de Didactique des mathématiques, Plestin les grèves). Grenoble: La pensée sauvage

Broussau, G. (2013). O não dito é essencial. Revista Nova Escola. Edição 264, não paginado. Recuperado de https://novaescola.org.br/conteudo/568/contrato-didatico-o-nao-dito-e-essencial

Callingham, R. (2007). Assessing Statistical literacy: a question of interpretation. ICOTS 7. Recuperado de https://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/publications/17/6D1_CALL.pdf

Campos, C. R. (2007). A educação estatística: uma investigação acerca dos aspectos relevantes à didática da estatística em cursos de graduação. Tese, doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: UNESP.

Campos, C. R. (2016). Towards critical statistics education. Saarbrücken, Deutschland: Lambert Academic Publishing.

Campos, C. R., Wodewotzki, M. L. L., & JACOBINI, O. R. (2011a). Educação Estatística – teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Campos, C. R., Jacobini, O. R., Wodewotzki, M. L. L., & Ferreira, D. H. L. (2011b). Educação Estatística no contexto da Educação Crítica. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), 24 (39), 473-494.

Coutinho, C. Q., & Campos, C. R. (2018). Perspectivas em didática e educação estatística e financeira: reflexões sobre convergências entre letramento matemático, matemacia, letramento estatístico e letramento financeiro. In G. P. Oliveira (Org.). Educação Matemática: epistemologia, didática e tecnologia. (pp. 143-180). Cidade: Editora.

DelMas, R. C. (2002). Statistical literacy, reasoning and learning: a commentary. Journal of Statistics Education, 10(3). Recuperado de www.amstat.org/publications/jse/v10n3/chance.html

Diniz, L. N. (2016). Leitura, construção e interpretação de gráficos estatísticos em projetos de modelagem matemática com uso das tecnologias de informação e comunicação. Tese (doutorado em Ciências da Educação). Portugal: Universidade do Minho.

Ortiz de Haro, J. J. (1999). Significado de conceptos probabilísticos en los textos de Bachillerato. Tese (doutorado). Granada, Espanha: Universidad de Granada.

Pessoa, C. (2004). Contrato didático: sua influência na interação social e na resolução de problemas. VIII Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM). Recife: Universidade Federal de Pernambuco. Recuperado de www.sbembrasil.org.br/files/viii/pdf/01/CC66657466404.pdf.

Rumsey, D. J. (2002). Statistical literacy as a goal for introductory statistics courses. Journal of Statistics Education, 10 (3). Recuperado de http://ww2.amstat.org/publications/jse/v10n3/rumsey2.html

Sánchez-Cobo, F. T. (1996). Análisis de la exposición teórica y de los ejercicios de correlación y regresión em los textos de Bachillerato. Memoria de Tercer Ciclo. Granada, Espanha: Universidad de Granada.

Sharma, S. (2017). Definitions and models of statistical literacy: a literature review. Open Review of Educational Research, 4(1), 118-133. doi 10.1080/23265507.2017.1354313.

Silva, B. A. (2008). Contrato Didático. In: S. D. A. MACHADO (Org.) Educação Matemática – Uma (nova) introdução. (pp. 49-75). São Paulo: EDUC.

Skovsmose, O. (2000). Cenários para investigação. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), 13(14), 66-91. Rio Claro: UNESP.

Skovsmose, O. (2014). Critique as uncertainty. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2014.

Wallman, K. K. (1993). Enhancing statistical literacy: enriching our society. Journal of the American Statistical Association, 88 (421), 1-8.

Watson, J. M., & Callingham, R. (2003). Statistical literacy: A complex hierarchical construct. Statistics Education Research Journal, 2(2), 3–46.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62726

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.