Caminhos trilhados pelo GT12 nas pesquisas em Educação Estatística no Brasil, no período de 2016 a 2018

Suzi Samá

Resumo


A Educação Estatística é uma área de pesquisa recente no Brasil que tem buscado estudar e compreender os processos de ensino e aprendizagem da Estatística. O presente artigo tem por objetivo investigar as pesquisas em Educação Estatística realizadas pelos membros do Grupo de Trabalho 12 (GT12) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), no período de 2016 a 2018. Para tal, realizou-se uma pesquisa exploratória de cunho bibliográfico e documental. Os dados foram analisados por meio da Análise Temática de Conteúdo que possibilitou identificar quatro focos de pesquisa: Currículo e livros didáticos; Formação de professores; Estratégias didáticas; Processos avaliativos e escalas de atitude e autoeficácia. Os resultados evidenciam que as investigações realizadas pelos membros do GT12 abarcam todos os níveis de ensino e apresentam diversidade teórica e metodológica. Considera-se fundamental que os resultados das pesquisas realizadas pelo GT sejam socializadas de forma a suprir as dificuldades tanto dos professores em trabalhar os conceitos estatísticos em sala de aula, quanto dos estudante em compreender estes conceitos e a aplicabilidade da Estatística na própria vida.


Palavras-chave


Educação Estatística; GT12 da SBEM; Análise da produção científica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Batanero, C. (2001). Didáctia de la Estadística. Recuperado em: .

Brasil. (1997). Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: anos iniciais do Ensino Fundamental (1° e 2° ciclos Matemática). Brasília: MEC/ SEF.

Brasil. (1998). Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: anos finais do Ensino Fundamental (3° e 4° série Matemática). Brasília: MEC/ SEF.

Brasil. (2002). Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Médio. Parâmetros brasil Curriculares Nacionais: Ensino Médio +: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/ SEM.

Brasil. (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Brasília: MEC. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2017.

Barbosa, M.T.S., Velasque, L.S., & Silva, A.S. (2016).O letramento estatístico na formação dos professores: um tutorial metodológico. VIDYA, 36(2), 397-408.

Batista, R., & Borba, R.L.S.R. (2016). No jogo é a moeda que diz, não é a gente que quer não: o que dizem crianças sobre a probabilidade. VIDYA, 36(2), 237-255.

Bortolossi, H.J. (2016). O uso do software gratuito Geogebra no ensino e na aprendizagem de Estatística e Probabilidade. VIDYA, 36(2), 429-440.

Campos, S.G.V.B., & Wodewotzki, M. L. L. (2018). Educação estatística e desenvolvimento do sentido de número: uma inter-relação possível. REnCiMa, 9(2), 88-106.

Cazorla, I. M., Kataoka, V. Y., Silva, C. B. (2010). Trajetória e Perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT12. In: Lopes, C. E.; Coutinho, C. Q. S.; Almouloud, S. (Orgs.). Estudos e Reflexões em Educação Estatística. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Cazorla, I.M., Silva, A.V., Jr., & Santana, E.R.S. (2018). Reflexões sobre o ensino de variáveis conceituais na educação básica. REnCiMa, 9(2), 354-373.

Ciabotti, V., Oliveira Júnior, A. P. (2018). Discussão sobre o processo de elaboração de um livro paradidático para o Ensino de Probabilidade à luz da Teoria Antropológica do Didático. REnCiMa, 9(2), 52-71.

Conti, K. C. (2018). O estudo da estatística num contexto colaborativo: o gráfico de setores. REnCiMa, 9(2), 265-282.

Conti, K. C. (2016). Educação Estatística num contexto colaborativo: ensinar e aprender probabilidade. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1117-1140.

Cordani, L. K. (2015). Caminhos da Educação Estatística ao Longo do Tempo: uma leitura pessoal. International Journal for Studies in Mathematics Education. 2015 8(3), 157-182.

Coutinho, C. Q. S. (2016). O livro didático e a abordagem da estatística: o olhar do professor. VIDYA, 36(2), 257-274.

Estevam, E.J.G., & Cyrino, M.C.C.T. (2016). Comunidades de Prática como contexto para o desenvolvimento profissional docente em Educação Estatística. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1291-1317.

Eugênio, R.S., Carvalho, L.M.T.L., & Monteiro, C.E.F. (2016). A Média aritmética em diferentes situações: identificando níveis de interpretação de estudantes do Ensino Fundamental. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1183-1201.

Garfield, J., Ben-Zvi, D. (2008). Developing Students’ Statistical Reasoning Research and Teaching Practice. Springer Publishers.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Lopes, C.E., & Souza, L.O. (2016). Aspectos filosóficos, psicológicos e políticos no estudo da Probabilidade e da Estatística na Educação Básica. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1465-1489.

Lopes, C.E., & Mendonça, L. O. (2016). Prospectivas para o estudo da probabilidade e da estatística no ensino fundamental. VIDYA, 36(2), 293-314.

Minayo, M. C. S. (2006). O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Editora Hucitec.

Moura, G.M., & Samá, S. (2016). Ilusão da equiprobabilidade, aleatoriedade e convergência nos processos cognitivos envolvidos no raciocínio probabilístico. VIDYA, 36(2), 523-538.

Müller, D. A., & Nunes, L. N. (2016). Ensino de estatística no ensino médio noturno pela prática de uma pesquisa de campo. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1245-1263.

Oliveira, A. PP. (2016). A Escala de atitudes em relação ao Ensino de Estatística de professores do Ensino Superior no Brasil. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1449-1463.

Oliveira, A.PP., & Ciabotti, V. (2018). Discussão sobre o processo de elaboração de um livro paradidático para o Ensino de Probabilidade à luz da Teoria Antropológica do Didático. REnCiMa, 9(2), 52-71.

Oliveira, A.PP., & Silva, H.G. (2016). Conflitos semióticos na resolução de problemas de teste de hipóteses para a proporção no ensino superior. VIDYA, 36(2), 559-579.

Oliveira, C.R., & Cordani, L.K. (2016). Julgando sob incerteza: heurísticas e vieses e o ensino de probabilidade e estatística. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1265-1289.

Pereira, F.A., & Souza, F. S. (2016). O Exame Nacional do Ensino Médio e a construção do letramento e pensamento estatístico. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1319-1343.

Porciúncula, M., Souza, M.S., & Carpena, M.X. (2016). Análise da satisfação dos estudantes do curso de psicologia em relação à disciplina de estatística desenvolvida. VIDYA, 36(2), 491-505.

Porciúncula, M., Samá, S. P., Rocha, C. A., Carvalho, J. I. F. (2015). Every Citizen Needs to Know Statistics! What Are We Doing? Brazilian Research in Statistics Education. In Ribeiro, A. J., Healy, L., Borba, R. E. S. R., Fernandes, S. H. A. A. (Orgs.) Mathematics Education in Brazil. Springer, Cham. pp. 249-263.

Santos, R. M. (2015). Estado da arte e história da pesquisa em Educação Estatística em programas brasileiros de pós-graduação. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Santos, W.D., Santos, J., & Velasque, L.S. (2018). O desenvolvimento do letramento estatístico pelos livros didáticos e a base nacional comum curricular. REnCiMa, 9(2), 210-229.

Silva, C. R., & Samá, S. P. (2018). Infografia com gráficos: um estudo semiótico da percepção e do processamento da informação estatística. REnCiMa, 9(2), 127-146.

Silva, C. B., Cazorla, I. M., Kataoka, V. Y. (2015). Trajetória e perspectivas da Educação Estatística no Brasil, 2010-2014: um olhar a partir do GT-12. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 17, 578-596.

Souza, M.S., & Porciúncula, M. (2016). Autoeficácia Estatística: diferenças entre áreas do conhecimento e relação com desempenho. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 18(3), 1409-1427.

Souza, L. O. (2016). Formação de professores para o ensino de probabilidade: simulação conectando ideias estatísticas. VIDYA, 36(2), 377-395.

Tishkovskaya, S.; Lancaster, G. (2012). Statistical Education in the 21st Century: a Review of Challenges, Teaching Innovations and Strategies for Reform. Journal of Statistics Education, 20(2), 1-24.

Trainotti, A., Gayeski, R.G., & Nunes, L.N. (2018). O conteúdo de Estatística nas provas da Olimpíada Brasileira de Matemática das escolas públicas (OBMEP). REnCiMa, 9(2), 193-209.

Viali, L., & Berlikowsky, M. E. (2016). Cerveja e estatística: vida e obra de um mestre cervejeiro. VIDYA, 36(2), 507-522.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e62755

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.